27 Junho 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioLocalSinesAntónio Costa coloca Sines na linha para a autonomia energética da Europa

António Costa coloca Sines na linha para a autonomia energética da Europa

Considerada viável a ideia de abastecimento energético aos países da Europa de leste ser feita a partir do porto de Sines

- PUB -

 

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje em Varsóvia que Portugal esta em condições de contribuir para a autonomia energética da Europa, libertando-a da actual dependência do gás russo, através de fornecimento de gás e hidrogénio.

Esta posição sobre a estratégia energética da União Europeia foi transmitida por António Costa em Varsóvia, durante uma conferência de imprensa conjunta com o seu homologo polaco, Mateusz Morawiecki.

- PUB -

Logo no início da conferência de imprensa, Mateusz Morawiecki rejeitou a ideia de Estados-membros da União Europeia continuarem a comprar gás e petróleo à Rússia e, a seguir, António Costa elogiou esse esforço que o Governo de Varsóvia está a fazer para assegurar a sua autonomia energética.

“Portugal é desde há muito tempo defensor da urgência de assegurar a transição energética baseada em renováveis. Temos condições para contribuir de uma forma duradoura para a autonomia energética da Europa”, sustentou, antes de falar nas potencialidades do porto de Sines ao nível do abastecimento de gás e hidrogénio.

O primeiro-ministro salientou que a questão da energia foi uma das principais em análise nas conversações que manteve esta manhã com o seu homólogo polaco.

- PUB -

Como solução, em concreto, os dois primeiros-ministros consideraram viável a ideia de esse abastecimento energético aos países da Europa de leste ser feita a partir do porto de Sines, com o líder do executivo polaco a salientar a capacidade logística dos terminais portuários do seu país em termos de recepção e descarga.

Neste ponto, classificou como prioritário o investimento nas interconexões entre a Península Ibérica e o resto da Europa, não só para abastecimento do gás natural proveniente dos Estados Unidos e da Nigéria, mas também, no futuro, para a capacidade nacional de produção de hidrogénio verde, “a baixo custo, beneficiando da facilidade em produção de energia solar”.

“Precisamos de respostas imediatas: Estamos a discutir com o Governo polaco, assim como com outros governos europeus, a possibilidade de utilizar o porto de Sines como uma plataforma de transferência a partir de grandes navios metaneiros para outros de média e pequena dimensões. Esses navios mais pequenos terão melhores condições para operar nas zonas mais congestionadas do mar do Norte e do Báltico”, especificou o primeiro-ministro português.

António Costa manifestou depois “total apoio” ao esforço do Governo polaco para assegurar a sua autonomia energética e para a transição energética “para um mundo mais sustentável”.

 

PMF / Lusa

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -