1 Março 2024, Sexta-feira
- PUB -
InícioEdição 1000Especial 165 AnosHumanitária: Da dissidência nasceu uma colectividade que anda a “ritmo acelerado”

Humanitária: Da dissidência nasceu uma colectividade que anda a “ritmo acelerado”

A Humanitária nasceu de uma disputa política, criando uma rivalidade que ainda existe, mesmo que em menor escala

 

- PUB -

Foi entre divergências, rupturas e dissidências que nasceu a 8 de Outubro de 1864 a Sociedade Filarmónica Humanitária, em Palmela. Fundada por pessoas que anteriormente pertenciam à Sociedade Filarmónica Palmelense “Loureiros” (na altura popularmente chamada “Sociedade dos Morgados”), começou por ser também “Independente”, palavra que se encontrava no nome da colectividade.

Através de um grupo de músicos – Francisco José Pardelha, Feliciano Marques Guerreiro, Francisco Miguel Fernandes e José Ferreira Sardinha -, reunidos em casa de Isidoro Joaquim dos Santos, surgiu a então Sociedade Filarmónica Independente e Humanitária.

Na base da cisão esteve uma disputa de opiniões políticas, no seio da então Sociedade Filarmónica Palmelense, com alguns elementos a não concordarem com a actuação da banda na recepção a um candidato a deputado que estava de visita ao concelho.

- PUB -

Definidas então as separações, a primeira saída à rua da banda da Sociedade Filarmónica acontece logo a 1 de Novembro, sob as ordens de Inácio dos Santos Martins, também criador do hino da colectividade.

Inácio dos Santos Martins era um músico de prestígio, maestro e contramestre da Banda de Caçadores n.º 1 de Setúbal. Tal aquisição foi possível porque, naquela altura, o apoio da burguesia rural era considerável, o que não acontecia em lugares menos abastados.

Coretos, sedes e rosa caiada

A Sociedade Filarmónica Humanitária já esteve sediada no actual Largo Marquês de Pombal, em Palmela, e o primeiro coreto foi construído ainda no século XIX (por volta de 1890), à entrada da vila. O segundo coreto, que ainda está hoje no Largo de São João, foi inaugurado a 3 de Agosto de 1924.

- PUB -

Caiada de rosa foi a que é referida como “sede antiga”, na Rua General Amílcar Mota, e actualmente a colectividade está bem presente em Palmela, na Av. Dr Juiz José Celestino Ataz Godinho de Matos.

Inaugurada precisamente um século após a fundação, em 8 de Outubro 1964, é ainda neste espaço que se assistem a vários espectáculos e se dança nas inúmeras festas organizadas pela Humanitária.

Sócios a crescer e rivalidade que vai no terceiro século, mas a esbater-se

Declarada instituição de utilidade pública em 1993, a Sociedade Filarmónica Humanitária conta hoje com 1700 participantes em todas as actividades, tendo ainda “cerca de 2000 sócios pagantes, um número que está a crescer”, disse a O SETUBALENSE Tiago Costa, presidente da direcção.

Da colectividade Tiago Costa tem como primeiras memórias as idas à revista “Esta Noite é Nossa”, à qual ia “várias vezes com os avós, sempre na mesma mesa”. “Foi há vinte anos, a casa estava sempre esgotada e deve ter estado em cena cerca de um ano e meio”, disse entre risos.

Sobre a sociedade é claro ao dizer que “a Humanitária é, essencialmente, a soma das pessoas” que por lá têm passado. “A colectividade, por si, não é grande coisa. As pessoas é que a tornam viva e a fazem andar para a frente. E temos andado a um ritmo bastante acelerado”, frisou.

Algo que o presidente da sociedade também não nega é a rivalidade que ficou, desde o século XIX, quando surge a Humanitária, com a Sociedade Filarmónica Palmelense, atualmente também com o nome “Loureiros”.

“A rivalidade vem dessa altura (Séc. XIX) e já foi mais séria e sentida. Agora é mais saudável porque com as gerações foi-se esbatendo. Antigamente, e isto nas pessoas mais velhas ainda é verdade, existem pessoas dos Loureiros que não entram na Humanitária e pessoas da Humanitária que não entram nos Loureiros. Mas nas novas direcções, até porque isto é um meio pequeno, somos todos amigos, não há espaço para grandes zangas”, esclarece.

Além de actividades como a Banda de Música, o Coro, a Escola de Flamenco e Sevilhas, a Escola de Ballet ou a Escola de Música, a Sociedade Filarmónica Humanitária tem a particularidade de ter a gestão e tutela do Conservatório de Música (Conservatório Regional de Palmela), que já conta com mais de 15 anos de existência.

BI

Nome: Sociedade Filarmónica Humanitária
Nome por que também é conhecida: Humanitária
Data de Fundação: 8 de Outubro de 1864 – 155 anos
Principais actividades: Banda, Coro, Escola de Flamenco e Sevilhanas, Escolas de Ballet, Escola de Música, tutela do Conservatório Regional de Palmela
Presidente actual: Tiago Costa

- PUB -

Mais populares

Homem encontrado morto em casa no centro de Setúbal [Actualizada]

Cadáver de José, de 66 anos, foi transportado para a morgue do Hospital de São Bernardo para realizar autópsia

PJ investiga cadáver encontrado no interior de uma viatura em Setúbal

Populares alertaram as autoridades pelas 22h30. Homem, de 57 anos, terá morrido por causas naturais

Pedro Catarino já é goleador-mor dos sadinos na 1.ª Divisão da AF Setúbal

Com cinco golos no Vitória B, avançado do plantel principal volta a ser decisivo
- PUB -