29 Junho 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioSociedadeDança quer saltar de Almada para os palcos nacionais

Dança quer saltar de Almada para os palcos nacionais

A programação da dança em Almada inclui cinco espectáculos em dois palcos. Este é o primeiro resultado da parceria entre a Câmara de Almada e o coreografo Paulo Ribeiro. Entretanto já se fala na construção de uma Casa da Dança construída de raiz

- PUB -

 

A Casa da Dança em Almada, que ocupa as instalações da Casa da Juventude – Ponto de Encontro em Cacilhas, apresentou ontem a primeira programação da parceria entre a Câmara de Almada e o coreógrafo Paulo Ribeiro. Uma parceria que tem como ideia promover a dança e a ambição de se tornar um projecto de escala nacional.

“Este é um projecto dos criadores e dos artistas”, comentou a presidente da Câmara de Almada. Para Inês de Medeiros apesar da Casa da Dança estar sedeada no concelho, a “ambição” é partir da Margem Sul para se tornar um projecto de dimensão nacional. Para a autarca parte deste objectivo é atender a um pedido deste sector das artes, “ter um espaço nacional onde tenham uma representação”.

- PUB -

O espaço “magnífico” do Ponto de Encontro que a coreógrafa Filipa Francisco diz permitir “o silêncio e o horizonte para ensaiar e criar” é, no entanto, provisório. Na apresentação do programa de Setembro a Dezembro, Inês de Medeiros revelou que estão na calha duas localizações para construir uma Casa da Dança de raiz, que se “concilie” com uma Casa da Juventude.

Uma das possibilidades avançadas é a conjugação deste edifício com o projecto do Ginjal, outra hipótese, e já “negociada com o promotor do projecto”, é “incluir um espaço junto a Almaraz”. A questão “mais complicada é o entendimento com as instâncias nacionais, porque uma coisa é construir, e outra é garantir a continuidade”, reflectiu a autarca.

Segundo o coreógrafo Paulo Ribeiro a Casa da Dança é uma “vontade” que o “persegue há anos e anos”, sendo o que falta para dar dimensão à dança em Portugal, que “tem tido grandes atentados, porque nunca cresceu muito em relação aos apoios da tutela” e as companhias existentes “nunca se puderam autonomizar”.

- PUB -

Quanto ao programa, no total inclui cinco espectáculos com início já no sábado com a mais recente obra de Clara Andermatt que se junta ao pianista João Lucas em “Parece que o Mundo”, pelas 21h30, no Teatro Municipal Joaquim Benite.

Em parceria com a 27.ª Quinzena da Dança de Almada, os portugueses Jonas & Lander apresentam, a 22 de Setembro, a peça “Adorabilis”, enquanto os polacos Polish Dance Theatre interpretam “The Harvest”, a 26 de Setembro, uma peça sobre a natureza e a vida humana.

Neste mesmo dia mas no Fórum Municipal Romeu Correia, pelas 21h30, a Companhia Paulo Ribeiro apresenta “Memórias de Pedra. Tempo Caído”, uma reflexão sobre o imaginário português, construída a partir da sua diversidade.

Outro destaque, é a instalação “Box 2.0”, de António Cabrita e São Castro, que reproduz, em holograma, improvisações dos coreógrafos Clara Andermatt, Olga Roriz, Paulo Ribeiro e Rui Horta, entre 26 de Outubro a 30 de Novembro, no Fórum Municipal Romeu Correia.

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Revolta no velório de Jéssica obriga à presença de bombeiros e polícia

Avó paterna e alguns populares revoltam-se com mãe da criança durante a cerimónia fúnebre
- PUB -