15 Abril 2024, Segunda-feira
- PUB -
InícioOpiniãoA matança dos inocentes

A matança dos inocentes

Um daqueles acontecimentos mais marcantes e horríveis descrito nos “livros sagrados”*.  Herodes, ao ser-lhe comunicado que numa pequena cidade tinha nascido o prometido Salvador dos judeus, mandou os seus soldados degolar todos os recém-nascidos naquela semana, num verdadeiro banho de sangue e numa total insensibilidade pelos gritos de dor das mães das crianças!

- PUB -

São passados mais de dois mil anos e tal acontecimento ainda me deixa horrorizado! Mas o mundo tem evoluído e as mentalidades igualmente. Porem, inacessível às críticas de meio-mundo, deste “mundo civilizado,” o primeiro-ministro de Israel mantém a ordem para as suas poderosas forças armadas avançarem sobre o sul de Gaza onde estão quase dois milhões de palestinos, vivendo em tendas sem água, a morrer de fome e sem terem para onde escapar!

Vai ser, no nosso civilizado sec. XXI, mais “uma matança dos inocentes” – agora uma decisão verdadeiramente criminosa. Até os “protetores” de Israel protestam, mas não impedem, colaborando assim no horrendo crime.

Na Ucrânia, chovem as bombas, matam-se civis e, logo após, com segundo disparo, matam-se os médicos, enfermeiros e socorristas em mais uma “matança de inocentes” dum povo que se sacrifica para conter as fúrias dum senhor Putin – um Herodes do sec. XXI. Os ucranianos continuam esperando que o maior produtor de armas sofisticadas – os Estados Unidos da América – desbloqueiem verbas para a defesa da União Europeia. Esperamos por mais uma “matança de inocentes”.

- PUB -

Explorados até à exaustão os metais preciosos de países subequatoriais, onde os povos fogem aos milhares – a pé – a caminho do Mediterrâneo caindo nas mãos de traficantes que os metem em barcos de borracha – em pilha, caminhando para a nossa Europa e morrendo aos milhares afogados na travessia – e os que chegam são acantonados em verdadeiros campos de concentração pois ninguém na Europa os quer receber. Nestes últimos anos tem sido uma verdadeira “matança dos inocentes” sendo a sua fuga provocada pela pobreza resultante da exploração até à exaustão dos tais metais preciosos para o fabrico de bombas inteligentes pelos países ricos e vendedores de armas

Ainda nestes dias vimos na TV o Haiti na mão de grupos de gângsteres que se digladiam e se matam uns aos outros perante o olhar indiferente dum dos “donos do mundo”, dum dos Herodes do sec. XX – os Estados Unidos da América. Os donos do mundo, os donos do capital (dos seis maiores milionários do mundo, cinco são americanos), donos das maiores “inteligências artificiais”, donos dos canais de informação, máquinas “surdas” aos gritos das “matanças de inocentes” que vão acontecendo nos quatro cantos do mundo.

Muita coisa nos dizem os tais “livros sagrados”, mas, para alem das matanças, o resto tem ficado no esquecimento. Mas os” Herodes” vão andando por aí e fazendo das suas

- PUB -

 

* Ao falarmos de “livros sagrados” interessa recordar que o nosso atual Papa Francisco, doente e alquebrado, vai tentando mudar a nossa Igreja  católica despindo-a da argamassa acumulada pelos seculos e tentando que ela se transforme num “hospital de campanha” que se arme onde seja necessário ajudar pobres e doentes e proclamando que “ou nos salvamos juntos ou morremos juntos” num verdadeiro apelo à solidariedade e à entreajuda, o oposto da visão que acima evocámos ao lembrar  Herodes e a “matança dos inocentes” . Que os nossos pastores aprendam com ele e façam o que ele faz imitando o Francisco de Assis e o próprio Jesus cuja ressurreição celebramos em breve!

- PUB -

Mais populares

José Mourinho: “Dá-me prazer que as pessoas conheçam as minhas origens”

Técnico sadino em Setúbal para gravar com a Adidas e “mostrar ao mundo” a cidade onde nasceu e cresceu

Desaparecido no mar esteve no sábado à pesca de choco no Sado

Ricardo Neves esteve no dia anterior à tragédia em embarcação turística. Mestre de embarcação critica quem se aventura na zona do naufrágio

Lisnave distribui mais de três milhões de euros pelos trabalhadores

Prémio é justificado com resultado obtido no ano passado, descrito o "melhor desempenho de sempre"
- PUB -