11 Agosto 2022, Quinta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoA comunicação social e a democracia

A comunicação social e a democracia

Quase meio século depois do 25 de Abril, de democracia em Portugal, grandes transformações se verificaram, evidentemente, mas o país está longe, muito longe, de ter atingido patamares de desenvolvimento e de justiça social, que beneficiem equitativamente a maioria dos portugueses. Daí, a justa insatisfação e desilusão em largas camadas da população, que se traduzem, por exemplo, nas altas taxas de abstenção e já nalguma expectativa a novas propostas demagógicas e populistas. Mas a generalidade dos eleitores está devidamente informada e esclarecida sobre as diversas opções que tem ao seu dispor? Os principais órgãos de comunicação social são, como deveriam ser, isentos e pluralistas? Se assim fosse, então o país que temos, seria da inteira responsabilidade dos eleitores. Mas, evidentemente, não é.

- PUB -

Alguns exemplos, mesmo da rádio e televisão públicas.

Visão Global, é um programa de informação, como o nome diz, global, sobre assuntos nacionais e internacionais, da responsabilidade do jornalista Mário Rui Cardoso com a participação de comentadores convidados.

Contraditório, trata-se de outro programa de debate também sobre temas nacionais e estrangeiros, moderado por João Barreiros com os comentadores residentes, António José Teixeira, Luísa Meireles e Raul Vaz.

- PUB -

Geometria Variável, mais um programa do género do anterior, da responsabilidade de Maria Flor Pedroso com a participação regular de Nuno Severiano Teixeira e Carlos Coelho.

São programas da Antena1 com a duração de uma hora.

Na RTP Informação, passa semanalmente, Janela Global, dirigido por Márcia Rodrigues.

- PUB -

Trata-se de quatro programas de comentário e grande informação, como já se disse, da rádio e televisão públicas, sem um único participante, residente, ou rarissimamente convidado apenas no Geometria Variável, da área da oposição. Oposição, leia-se, à esquerda do PS, nomeadamente, do PCP.

Este, é um exemplo do panorama da Informação Pública! Diferenças da privada, se as há, ainda são para pior.

Portanto, com este “pluralismo”, como é que os eleitores hão-de estar esclarecidos e bem informados?

Os leitores deste jornal, podem ver a diferença; escrevem aqui deputados eleitos no distrito de todos os partidos, e diversos colaboradores de todo o espectro político-ideológico. Cabe a quem nos lê, tirar as suas conclusões. Mas quantos órgãos de informação assim como O Setubalense, existem a nível nacional ou mesmo regional?

Porque a comunicação social isenta e pluralista é fundamental para a democracia, e esta, para o povo e para o país, e porque estamos já no átrio de mais uma campanha eleitoral tão importante, decidi hoje abordar este tema.

E como este nosso mundo, sobretudo agora com a globalização, é uma aldeia, uma “aldeia” com tão sérias ameaças. Veja-se o que se passa no leste da Europa, então não era para se dar voz, ouvir-se, a oposição? Por exemplo, também sobre esta matéria, uma organização vocacionada para tal, como o Conselho Português para a Paz e Cooperação?

Comentários

Francisco Ramalho
Professor, Corroios
- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos
- PUB -