13 Agosto 2022, Sábado
- PUB -
InícioOpiniãoXutos & Pontapés

Xutos & Pontapés

O que eu vou dizer-vos aqui não é, seguramente, de teor crítico-musical. Nem tão pouco de (grande) conhecimento do historial da banda Xutos & Pontapés. Nada disso. É bom que fique claro. (Nem tenho moral para isso).

- PUB -

O que me leva a escrever este texto é tão simplesmente movida por um ato de gratidão por tantos anos de grandes momentos que vivi ao som de quantos (?) temas dos Xutos & Pontapés. Muitos deles ouvidos ao vivo. Na festa do Avante. Nas festas de Corroios. Em Setúbal. Em Grândola. Na Praça do Comércio… Outros ouvidos na rádio e outros em quantas (?) gravações.

Quando vim viver para a Margem Sul, há mais de trinta anos, via repetidamente inscrições nas parades com as palavras «Xutos & Pontapés». Punha-me a pensar nesta espécie de pleonasmo que a expressão encerra. Durante algum tempo sem saber que era um nome de uma banda musical.

X para xutos? Dá um cunho original ao nome. Com x ou ch (existia?)? Aproveitaram, com certeza, a polissemia e a metáfora da coisa.

- PUB -

E desde então, fui conhecendo o trabalho da banda, muito naturalmente. E conhecendo muitos fãs da banda, muito naturalmente. E também conhecendo muitos fãs, em particular, do guitarrista Zé Pedro, que recolhiam o maior número de autógrafos do músico em cada encontro, quer aquando da atuação dos Xutos quer noutros contextos. Faziam por acompanhar a caravana. O Zé Pedro, em particular.

Letras incríveis. Melodias tocantes. Narrativas que tão bem nos assentam. Energia imparável.

Às vezes ficamos imóveis. Outras, ficamos a pairar no vazio.

- PUB -

Às vezes sentimos que cá faz mais frio. Hoje, por exemplo. Fora e dentro de nós. O mercúrio dos termómetros… Mais porque alguém se ausenta. Alguém que não voltamos a ver. Mesmo sabendo que permanece sem a vermos.

Há amigos que não são do nosso círculo, mas tão íntimos como se fossem. Que nos proporcionam momentos bonitos e de grande interação emotiva. No caso, com um contributo poético e musical que ajuda a aguentar e a animar o lado forte que precisamos para o dia-a-dia.

Xutos & Pontapés,  grandes poetas e grandes músicos.

É bom conhecer pessoalmente os indivíduos como estes.

Mas se não conhecemos, basta conhecê-los pelo que de melhor eles querem ser conhecidos: um projeto artístico de alguns para muitíssimos.

É caso para dizer: O que seria de nós se não fosse o Rock and Roll dos Xutos?

Fazemos parte de algumas gerações que muito sofreriam se morresse o Rock and Roll. O bom Rock and Roll.

Por isso, o nosso agradecimento aos Xutos & Pontapés é imenso.

Sabemos que a música não é só o Rock and Roll. Mas os Xutos & Pontapés são mais do que o próprio Rock and Roll.

Desculpem-me a ousadia. Mas para mim há muito fado nas letras e em certas composições musicais deste grupo tão português, tão coeso, tão longevo.

Estamos de luto, é certo.

Mas contamos com os Xutos.

Um aperto de mão. Um nó na garganta.

Mas juntos, iremos.

Ao leme, claro.

Comentários

Rosa Duarte
Mestre em Estudos Portugueses
- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -