9 Fevereiro 2023, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalAlcocheteAlcochete: Electrificação tem limites e Portugal quer ser produtor de hidrogénio verde

Alcochete: Electrificação tem limites e Portugal quer ser produtor de hidrogénio verde

O Conselho de Ministros aprovou hoje o início da reforma e simplificação dos licenciamentos ambientais, eliminando autorizações, procedimentos e licenças

- PUB -

O ministro do Ambiente e da Acção Climática defendeu hoje, em Alcochete, que a electrificação tem limites e que Portugal quer ser produtor de hidrogénio verde e não apenas utilizador, assinalando o contributo do projeccto Ambiente+Simples.

“A electrificação tem limites e temos que ter uma estratégia de resposta no que diz respeito à produção de gases renováveis, que permitam substituir os gases com impactos ambientais”, afirmou Duarte Cordeiro, que falava na apresentação do primeiro pacote da Reforma dos Licenciamentos – Ambiente+Simples.

O governante vincou que Portugal quer ser produtor de gases renováveis, como hidrogénio verde, e não apenas utilizador, sublinhando o contributo do projecto Ambiente+Simples para este objectivo.

- PUB -

Conforme apontou, a simplificação do licenciamento do hidrogénio verde, uma das medidas previstas no projecto hoje apresentado, vai acelerar esta transformação em Portugal.

O Conselho de Ministros aprovou hoje o início da reforma e simplificação dos licenciamentos ambientais, eliminando autorizações, procedimentos e licenças.

Com este diploma, o executivo pretende simplificar a actividade das empresas e incentivar o investimento, reduzindo os encargos administrativos e os custos.

- PUB -

Ainda assim, conforme ressalvou, tal acontecerá sem prejuízo do cumprimento das regras de protecção ambiental.

Neste sentido, a Administração Pública passará a ter “um enfoque especial na fiscalização, exigindo-se maior co-responsabilização e autocontrolo por parte dos operadores económicos”.

Duarte Cordeiro destacou também a simplificação no que se refere à utilização das águas recicladas, “sem comprometer a saúde ou o ambiente”, lembrando que 2022 foi o terceiro pior ano de seca desde 1931.

O ministro recordou o objectivo estratégico de aproveitar 10% de todas as águas das ETAR (Estação de Tratamento de Águas Residuais) até 2025 e de 20% até 2030.

“Sabemos que não vamos contar, no futuro, com a mesma água que temos hoje. Cada dia que chove é um dia em que sou feliz. É bom para a agricultura, natureza, para as reservas que temos e também para a energia, mas também temos que apostar em alternativas”, sublinhou.

Durante a sua intervenção, o governante destacou ainda o solar como “uma grande aposta” do Governo.

“Hoje temos 16 gigawatts de capacidade instalada no país, 45% diz respeito a barragens, 35% a eólica e só 15% ao solar. Nós temos um país com muito sol, temos que acelerar o solar”, acrescentou.

Na mesma sessão, o secretário de Estado da Digitalização e da Modernização Administrativa, Mário Campolargo, defendeu que o pacote legislativo hoje apresentado é resultado de um “processo muito transparente”, que classificou como “um exemplo da democracia a funcionar”, aludindo ao processo de consulta pública, que contou com cerca de 250 contributos.

Campolargo reconheceu que a consulta pública permitiu fazer um “exercício de maturação” do projecto e garantiu que o Governo teve sempre o objectivo de reduzir os encargos administrativos, sem pôr em causa os valores e exigências ambientais.

A eliminação da renovação da licença ambiental, a criação de um reporte ambiental único e o fim da obrigação dos edifícios terem instalações de gás estão entre as medidas da reforma de licenciamentos que hoje foi divulgada.

Este é o primeiro pacote de simplificação de licenciamentos, a que se seguirão outros sectores como o urbanismo, o comércio e a indústria.

Iberdrola quer investir 3 mil ME em Portugal nos próximos anos

O presidente executivo da Iberdrola anunciou que a empresa quer investir em Portugal, nos próximos anos, três mil milhões de euros, afirmando que gostaria de o fazer ainda durante o mandato do primeiro-ministro, António Costa.

“Investimos em Portugal dois milhões de euros, nos últimos anos, mas queremos ir mais longe, por isso […], estamos dispostos a investir mais três milhões de euros nos próximos anos”, anunciou Ignacio Galán, que falava na apresentação do primeiro pacote da Reforma dos Licenciamentos – Ambiente+Simples, em Alcochete.

Galán sublinhou que gostava de fazer este investimento ainda durante o mandato do primeiro-ministro, António Costa, que também está presente na sessão.

O presidente executivo da Iberdrola mostrou assim interesse em inaugurar “mais instalações fotovoltaicas, mais armazenamentos de electricidade, mais energia eólica e também hidrogénio verde”.

Durante a sua intervenção, Galán defendeu ainda que a transição energética oferece uma “oportunidade única” para reduzir as importações e alcançar os objectivos climáticos, mas também para criar um “tecido industrial competitivo”, que seja capaz de gerar milhares de postos de trabalho.

“Acreditamos que isto é possível, através do diálogo e da confiança. Senhor primeiro-ministro, sabe que pode contar com a Iberdrola”, assinalou.

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Estação de combustível da Repsol assaltada esta tarde em Setúbal

Indivíduo fugiu com o dinheiro da caixa. Ameaçou os funcionários com uma faca. Já são três os assaltos registados nos últimos quatro dias

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Café na baixa de Setúbal assaltado esta manhã

Crime decorreu por volta das 10h30, com a proprietária a pedir ajuda a comerciantes e pessoas que transitavam perto do local
- PUB -