27 Junho 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioÚltimas“Temos que correr o dobro e ter atitude máxima para podermos ganhar...

“Temos que correr o dobro e ter atitude máxima para podermos ganhar os jogos”, Micael Sequeira, técnico do Vitória FC

“Estou aqui com toda a motivação possível e acredito muito, juntamente com o peso da cidade que vamos conseguir o nosso objectivo”, diz

 

- PUB -

O novo treinador do Vitória, Micael Sequeira, que em 2021 esteve ao serviço do Lokomotiv Tashkent (Uzbequistão), assinou contrato válido por um ano na tarde de segunda-feira. Logo após a formalização do vínculo, o técnico, de 48 anos, ex-adjunto de Rúben Amorim no Sp. Braga, concedeu ao jornal O SETUBALENSE, no balneário principal do Estádio do Bonfim, a primeira entrevista enquanto homem do leme dos sadinos, cargo que representa, “sem dúvida”, o maior desafio da sua carreira.

 

Esta entrevista decorre no balneário onde vai estar com a equipa em 2022/23. O que sente neste momento por ser o treinador do Vitória FC?

- PUB -

Tive um sentimento diferente dos que tive quando fui apresentado noutros clubes. O Vitória é, de facto, enorme e ao entrar aqui sentimos a grandeza do clube.

Depois de um período no Uzbequistão, quais as razões que o levaram a querer voltar a Portugal?

A família pesou bastante. Ao sair do Uzbequistão dei preferência ao regresso a Portugal. A minha vontade era regressar ao país e, felizmente, consegui. Também consegui resistir às propostas que tive do estrangeiro. Quando surgiu a hipótese de vir para o Vitória, esse facto facilitou bastante a minha decisão de regressar.

- PUB -

De que forma?

Não fiquei à espera das outras decisões e abracei este projecto. Estou aqui com toda a motivação possível e acredito muito, juntamente com o peso da cidade, dos nossos adeptos, a envolvência de todos e os jogadores com a mentalidade certa, que vamos conseguir o nosso objectivo.

Como surgiu a oportunidade de treinar o Vitória?

A possibilidade surgiu por intermédio do Bruno (Sousa) [n.d.r.: novo director do futebol profissional] e, mais tarde, através do Hugo (Pinto) [n.d.r.: investidor da SAD]. Por se tratar de um clube histórico e com esta dimensão, imediatamente levou-me a pensar aceitar. Independentemente da divisão em que se está, o importante é reajustarmo-nos à realidade e termos consciência daquilo que temos que fazer. Não podemos entrar a pensar que somos os melhores do mundo, bem pelo contrário, temos que entrar sempre com muito cuidado porque toda a gente vai querer ganhar ao Vitória. Por isso, temos que correr o dobro e ter atitude máxima para podermos ganhar os jogos.

Quais as razões que o levaram a aceitar o convite?

A dimensão do clube. Pela sua história e também pelo presente, pelas pessoas que estão envolvidas no projecto, levou-me a tomar esta decisão. O peso do clube, a dimensão e a história querem dizer pouco porque os clubes são orientados pelas pessoas e é muito importante para mim ter a noção de quem são as pessoas que estão à minha volta. Quando me apercebi de quem se tratava não hesitei em avançar com muita vontade de poder ajudar.

Falou com alguém antes de tomar a decisão ou tomou-a sozinho?

Não falei com ninguém. Acredito que foi a melhor decisão que podia ter tomado. Felizmente as coisas têm corrido muito bem aonde tenho estado e acredito que ter vindo para aqui vai ser uma viragem na minha carreira.

É o maior e mais aliciante desafio da sua carreira?

É, sem dúvida. Traz mais responsabilidade porque tenho perfeita noção do que é o Vitória. Nunca me preocupo muito como chego ao clube. A minha principal preocupação é sempre como é que eu saio do clube. Acredito que vou sair daqui de cabeça levantada, com boas relações com todos e que vamos passar uma boa imagem do nosso futebol. Espero que seja um futebol de acordo com aquele que o Vitória sempre teve.

Em termos de objectivos, o que lhe foi pedido pela administração da SAD?

É sempre complicado falar de objectivos. A prioridade é sempre ganhar o primeiro jogo e, à medida que o campeonato vai decorrendo, vamos reformulando os objectivos de acordo com o momento que estamos a passar.

Os adeptos do Vitória são conhecidos pela sua exigência e não anseiam por outra coisa que não a subida de divisão…

Isso é inerente à história deste clube. Quem representa o Vitória tem que ter essa mentalidade de vir para cá para suportar essa pressão. É uma pressão positiva. Complicado é não ter adeptos nas bancadas e felizmente aqui isso existe e só tem de nos servir de motivação. O compromisso de ganhar está enraizado neste clube. Agora, o importante é não estarmos obcecados, mas sim conscientes da realidade para conseguirmos atingir os nossos objectivos. O compromisso de todos com a vitória é obrigatório aqui e quem não tem essa mentalidade não pode fazer parte deste plantel. Se eu não tivesse essa mentalidade também não estaria cá. O compromisso que existe aqui é de enorme responsabilidade e espero poder ajudar os jogadores que vamos ter e que vão ser mentalmente muito fortes e conseguir devolver a mística do Vitória.

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -