29 Setembro 2022, Quinta-feira
- PUB -
InícioSociedadeCompanhia de Dança de Almada traz “Inverno” a Fórum Cultural da Baixa...

Companhia de Dança de Almada traz “Inverno” a Fórum Cultural da Baixa da Banheira

Criação transmite magia vivida durante solstício e retrata o pulsar da terra

 

- PUB -

O Fórum Cultural José Manuel Figueiredo recebe dia 22, pelas 21h30, o espectáculo “Inverno”, pela Companhia de Dança de Almada, numa co-produção com o Teatro Municipal de Bragança.

Criado por Bruno Duarte, o evento, que conta com música de Galandum Galundaina, Roncos do Diabo, Cabra Çega, Urze de Lume e Colin Stetson, retrata a história do criativo que, desde criança, sempre teve muito presentes as imagens que o fascinavam ou assistia na televisão e que davam a conhecer os costumes de Inverno transmontanos.

Caso dos caretos, chocalheiros, diabos e figuras que “sempre exerceram sobre mim um magnetismo especial”, confessa. “Vi na criação deste espectáculo uma oportunidade para explorar cenicamente o cruzamento da sacralidade ritual destas celebrações ancestrais, com uma linguagem de dança contemporânea”, conta.

- PUB -

Situado entre o sagrado e o pagão, ancestral e contemporâneo, humano e ao mesmo tempo sobrenatural, “Inverno” procura também transmitir “a magia que se vive por estes lugares na altura do solstício de inverno, retratando o pulsar da terra, a emancipação dos jovens, as arruadas, a postura de transgressão – mas tão regrada por prácticas fixas –, e o forte misticismo cultural”.

Bruno Duarte explica que este é um trabalho sobre o que está vivo, mas também sobre a memória” e “sobre aquilo e aqueles que já viveram os locais que hoje experimentamos”.

Além do criador deste espectáculo, com duração aproximada de 60 minutos, a apresentação de dança conta ainda com a interpretação de Carlota Sela, Francisco Ferreira, Joana Puntel, Luís Malaquias, Mariana Romão e Raquel Tavares. Com figurinos de Nuno Nogueira e desenho de luz de Filipa Romeu [Stageplot].

- PUB -

De acordo com o escritor Amadeu Ferreira, no livro “O Diabo e as Cinzas”, publicado em 2013, estes são “rituais de juventude cheios de vida e de futuro, por onde perpassam todas as actividades dos povos”, que “renovam a confiança na continuidade da vida, bem simbolizada no fogo e outros pagãos”.

Para o autor, nunca “realçaremos suficientemente o papel que os rituais […] tiveram na evolução das nossas sociedades e lhes transmitiram um carácter de sanidade ética”, que “consegue manter a dignidade no meio da maior pobreza e de dificuldades sem fim”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Transportes em Setúbal: “Isto não está mau. Está péssimo!”

Reuniões com a população expõem drama de grandes dimensões contado em testemunhos trágico-cómicos

Autoeuropa com legionella não pára produção nem avisa trabalhadores

Empresa diz que nenhuma pessoa foi infectada e que está a cumprir a lei

“Reunião” dos bombeiros acaba à chapada e ao pontapé com a PSP a ser chamada ao quartel [corrigida]

Demissões na direcção culminaram com agressões físicas entre bombeiros, entre directores, e entre bombeiros e dirigentes
- PUB -