21 Janeiro 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioSociedadeUm Corpo Estranho convida A Garota Não para cantar sobre amor e...

Um Corpo Estranho convida A Garota Não para cantar sobre amor e auto-superação

Enquanto preparam discos de originais, músicos setubalenses fazem nascer single

 

- PUB -

“Nunca, na raiva, no grito, pensaram em cair” Pedro Franco, João Mota e Cátia Oliveira, “porque não era amor”. Mas agora é. O duo Um Corpo Estranho juntou-se à cantautora A Garota Não para cantar sobre amor, perdão e auto-superação, num “tema pessoal que nasce da análise de relações e vivências passadas”.

Os três artistas setubalenses apresentaram no dia 14 o novo single “Mavorte”, enquanto se preparam para lançar os seus respectivos discos de originais no final do ano. “Como pensámos que se guardássemos o tema ele poderia perder o sentido, decidimos lançá-lo agora”, começa por dizer Pedro Franco, de Um Corpo Estranho, a O SETUBALENSE. “Fiz a canção e dei-a ao João para escrever a letra. Quando a ouvi, senti que era um tema espelho de uma relação entre duas pessoas e vi ali um dueto, com uma voz feminina”, conta. “Dada a intensidade da letra, tinha de ser uma pessoa que tivesse arcabouço para a aguentar. “Pensámos logo na Cátia”, confessou.

Igualmente natural foi o “sim” que A Garota Não nem hesitou em dizer. “Além de a música ser muito boa, o texto é um retrato muito denso de hipotéticas realidades, ao mesmo tempo capaz de caracterizar situações diárias com muita poesia. O João tem o dom de saber transformar um episódio difícil em poesia”, considera. “A produção do tema, feita pelo Sérgio Mendes, que trabalha connosco e acaba por ser um elo de ligação entre os três, teve vários caminhos mas este produto a que chegámos deixou-nos muito satisfeitos”, adianta.

- PUB -

Nas palavras de João Mota, a metade de Um Corpo Estranho, “o nome do tema surge a partir de um poema de Bocage, no qual surge uma referência a Mavorte, que é um nome para Marte e o Deus da guerra, da agricultura, dos campos e da fertilidade”.

O tema tem o selo da editora independente Malafamado Records e o vídeo, produzido pela Souza Filmes e pelo colectivo Garagem, é da responsabilidade do realizador António Aleixo.

O feedback recebido até agora é “muito positivo” e fez emergir “o sentido de pertença e comunidade que em Setúbal se faz sentir”. Os três consideram que há na cidade “muito talento nas mais diferentes áreas” e é importante que “a marca de Setúbal seja passada positivamente, criando-se uma identidade, que mostre que há aqui música de qualidade e gente a escrever com intenção”. “Há um esforço colectivo neste sentido e temos vindo também a sentir um certo orgulho a brotar das pedras do chão”. “Ressoam”, assim, tambores de Mavorte – “e se o amor não chega, nada vai chegar”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Pinhalnovense sem jogadores para jogar fez falta de comparência

A 12.ª jornada do Campeonato de Portugal ficou marcada pela falta de comparência do Pinhalnovense no jogo que deveria disputar em casa com o...

Vereador diz que cães vadios fogem com crânios na boca e acusa PS de tratar mal os vivos e pior os mortos

João Afonso volta a criticar serviço nos cemitérios. Autarca do PSD denuncia ossadas lavadas em tanques da roupa e colocadas em caixas de fruta a secar. Nuno Canta diz que é fantasia

Pinhalnovense não tem jogadores para ir a jogo no próximo domingo

No Campeonato de Portugal a situação está muito complicada para os clubes da região porque o Barreirense está numa posição delicada na tabela classificativa...
- PUB -