25 Fevereiro 2024, Domingo
- PUB -
InícioSociedadeSindicato acusa hospital Garcia de Orta de gestão autocrática e pede intervenção...

Sindicato acusa hospital Garcia de Orta de gestão autocrática e pede intervenção do Governo

O Sindicato dos Médicos da Zona Sul acusou hoje o conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, em Almada, de gestão autocrática na sequência da demissão do director de Ginecologia e Obstetrícia e pediu a intervenção do Governo.

- PUB -

Em comunicado, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) afirma que o conselho de administração do Hospital Garcia de Orta “deu mais uma prova de gestão autocrática e antidemocrática, ao demitir, na semana passada, o diretor do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia por delito de opinião”.

Por isso, solicita a intervenção do Ministério da Saúde e exige uma lei de gestão democrática, com base na governação clínica e concurso público para os cargos de direção técnica.

O SMZS afirma também que a política do conselho de administração “prejudica o funcionamento do hospital” e põe “em risco a qualidade da medicina praticada, o que impõe o seu imediato afastamento”.

- PUB -

Em comunicado emitido na sexta-feira, o conselho de administração do hospital de Almada afirma que “num ato de gestão interna e na sequência de uma atuação institucionalmente incorreta da exclusiva iniciativa do director do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia para com o conselho de administração, que o próprio tornou pública, teve que agir em conformidade, decidindo a cessação da sua comissão de serviço”.

Hoje, o SMZS refere que a “demissão ocorreu após o dircetor do serviço de Ginecologia e Obstetrícia ter manifestado o seu desagrado perante a diretriz emanada pelo diretor Clínico do hospital – que acumula também o cargo de diretor do serviço de Infecciologia  de forma ilegal – de internar na mesma enfermaria grávidas com e sem infecção por covid-19, apesar de existirem vagas em serviços exclusivamente destinados a doentes” infectados com o vírus.

Com esta atitude, sublinha o sindicato, o presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta “evidencia, mais uma vez, o caráter autoritário que já tinha demonstrado enquanto director executivo do ACES [Agrupamentos de Centros de Saúde] Almada-Seixal”.

- PUB -

No entendimento do sindicato, a gestão do hospital durante a pandemia por covid-19 “tem sido desastrosa, com claro prejuízo dos doentes no acesso a cuidados de saúde”.

De acordo com o SMZS, os tempos de bloco operatório foram drasticamente reduzidos, nomeadamente para os serviços de ginecologia e obstetrícia, ortopedia e neurocirurgia, que têm acesso ao bloco apenas de três em três semanas.

“Por isso, os doentes oncológicos da ginecologia (13) e neurocirurgia (14) continuam a aguardar tempos para ser operados”, adianta.

O sindicato diz também que a ortopedia tem 40 doentes com fraturas a aguardar sala operatória.

Esta decisão, segundo o sindicato, resulta no agravamento das listas de espera para cirurgia e promove o recurso aos hospitais privados através dos cheques-cirurgia.

“Durante este período epidémico, também de forma prepotente, os jovens médicos internos da Formação Geral foram obrigados a cumprir horários excessivos e ilegais no serviço de urgência, sem apoio qualificado”, destaca o sindicato.

O SMZS lembra ainda que a “atitude autoritária e persecutória” do conselho de administração do hospital “tem levado à saída de vários médicos, nomeadamente do serviço de pediatria, cuja urgência se mantém encerrada no período noturno desde novembro de 2019 por falta de médicos”.

A demissão do director do serviço de Ginecologia/Obstetrícia do Garcia de Orta já tinha sido criticada pelo Sindicato Independente dos Médicos, que considera que a decisão foi tomada de forma “leviana”, e pela Ordem dos Médicos que pediu explicações à administração.

Lusa

- PUB -

Mais populares

Menino de sete anos morre após ser baleado em Setúbal

Neto e avó foram atingidos a tiro de caçadeira no Bairro da Bela Vista. Disparo veio de carro em andamento. Alvo seria o pai da criança

Imagens mostram momentos após menino e avó serem baleados no Bairro da Bela Vista (vídeo)

Homem é visto a empunhar uma caçadeira correndo em várias direcções até que entra numa viatura que sai depois do local

Suspeito de morte de menino em Setúbal será tio da criança

Homem está identificado pelas autoridades e colocou-se em fuga. Disparo de caçadeira terá sido feito para assustar rival
- PUB -