29 Junho 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioSociedademicroFIAR: artes saem à rua em Palmela este fim-de-semana

microFIAR: artes saem à rua em Palmela este fim-de-semana

Com o objectivo de desvendar o work in progress das produções em residência, o microFIAR sai às ruas de Palmela nos próximos dias 26, 27 e 28 de Julho

 

- PUB -

No fim-de-semana, espectáculos de teatro, performance, dança e de circo contemporâneo para públicos de todas as idades chegam às ruas de Palmela que se enchem de vida para receber o microFIAR, “festival de artes de rua e celebração marcante da vida cultural da região de Palmela” que “aposta na ideia de território humano vivo e da arte como processo”.

 

Das salas para a rua, onde as manifestações artísticas acontecem

- PUB -

“Existe normalmente uma grande confusão entre a animação de rua e as artes de rua. Há sempre alguns momentos de animação de rua nos nossos festivais mas focamo-nos essencialmente nas artes de rua e no circo contemporâneo. Procuramos produzir espectáculos na rua, tirá-los dos seus sítios tradicionais e levá-los para a rua”, começa por dizer Alexandre Nobre, da organização do certame, a O SETUBALENSE – DIÁRIO DA REGIÃO. “Preocupamo-nos em criar espectáculos para o público, em que exista uma maior intervenção no espaço público e um maior contacto com o público, sempre com o intuito de trazer as pessoas para a rua”, adianta.

 

Depois de 2018, sendo bianual, o FIAR, Centro de Artes de Rua regressa em 2020 – mas não quis deixar passar este ano em branco. Sem esquecer as oficinas artísticas e a formação que acontece ao longo do ano paralelamente ao planeamento e programação para que de dois em dois anos se realize o festival, o microFIAR apresenta o trabalho realizado até aqui no que às residências artísticas e à criação para projectar o festival do próximo ano diz respeito: “vamos ter apresentações dos trabalhos que temos vindo a desenvolver, que são as nossas criações em work in progress, as oficinas, e vamos também convidar alguns artistas que trabalham connosco para apresentarem os seus espetáculos”. Para Alexandre Nobre, a edição deste ano “é uma pequena amostra daquilo que será o festival do próximo ano”.

- PUB -

 

O FIAR, que começou em 1999, foi o primeiro festival de artes de rua em Portugal depois da Expo’98. A associação cultural com o mesmo nome foi criada em 2000 para garantir a realização do festival. Actualmente, o FIAR, Centro de Artes de Rua é uma estrutura profissional de programação, criação, formação e promoção que trabalha de forma constante no campo das artes no espaço público, sendo financiada pelo Governo Português – Ministério da Cultura/Direção-Geral das Artes e apoiada pela Câmara Municipal de Palmela. Integra co-produções e espectáculos de criadores “que já são cúmplices do projecto” mas também de artistas que iniciam este ano a sua relação com o FIAR/CAR e com a comunidade de Palmela.

 

Artes de rua e circo contemporâneo em parceria

“Contando com o envolvimento da comunidade, trazemos sempre espectáculos de risco, isto é, espectáculos que não são para grandes massas. Procuramos, por isso, encontrar autores ou criadores que foquem o seu trabalho no risco, uma vanguarda das artes cénicas. Esse é o nosso grande interesse e foco”, continua.

 

O FIAR, que é também o primeiro festival de circo contemporâneo em Portugal, nas palavras de Alexandre Nobre, procura “focar-se em espectáculos com elementos e criadores ligados ao circo contemporâneo”, sem pretensão de que se torne um festival de grandes dimensões ou de massas: “isto é para um público muito próprio, para o qual trabalhamos e ao qual queremos dar o máximo de comodidade possível ao assistir aos nossos espectáculos para que saiam daqui satisfeitos e levem para casa uma boa experiência”.

 

O Festival FIAR, e este ano o microFIAR, são “a apoteose para onde converge todo o trabalho realizado através de uma longa gestação”, onde são partilhados “os resultados de um trabalho criativo, de cultura, de formação, integração e cooperação que só é possível através de uma relação contínua que não se esfuma quando cai o pano”.

 

Festival abre com trabalho documental sobre a vindima

Entre as novidades na programação da edição deste ano, está um trabalho documental, intitulado “Vinha e Fé – vindima tradicional, um processo”, sobre a vindima tradicional realizada na região de Palmela. “Vamos aliar às artes cénicas uma parte documental, um trabalho sobre algo muito importante na região”, explica Alexandre Nobre, que é também o autor do “trabalho de fotografia que será apresentado em três vertentes”. Nas fotografias, pretende mostrar-se o encontro da comunidade com a vinha e “todo o processo da vinha, desde uma vindima até à outra”.

 

Programação microFIAR 2019

 

26 de Julho

19h30 – Abertura oficial do microFIAR

Vinha e Fé – Vindima tradicional, um processo

De Alexandre Nobre (Apresentação documental)

Local: Adega da Casa da Atalaia.

 

21h30

Wave Dance Lab + 55 Anos

De Rafael Alvarez (Laboratório de criação coreográfica/espectáculo)

Local: Cineteatro S. João | Duração: aprox. 30m | Classificação: m/6

 

22h30

A Morte da Audiência

De Bruno Humberto (Performance/teatro)

Local: Cineteatro S. João | Duração: aprox. 40m | Classificação: m/16

 

27 de Julho

11h00

Oficinas dos Ares e de Clown

Polo de Formação FIAR/ Inês Oliveira e Graça Ochoa (Aula aberta)

Local: Cineteatro São João | Duração: aprox. 25m | Classificação: m/4

 

17h00

Boca Ilha – O Rosto que Ninguém Vê

De Nuno Nunes (Teatro)

Local: Adega da Casa da Atalaia | Duração: 75m | Classificação: m/12

 

18h30

Folheação

De Miguel Castro Caldas  (Performance)

Local: Biblioteca Municipal de Palmela | Duração: 30m | Classificação: m/12

 

21h30

Julieta Bebe uma Cerveja no Inferno

De Tiago Vieira (Dança/performance)

Local: Lavadouro de Santa Ana | Duração: 40m | Classificação: m/6

 

22h30

A Vila

De Bruno Humberto e Rui de Almeida Paiva (Teatro musical) – Apresentação informal

Local: Cineteatro São João | Duração: 30m | Classificação: em curso; sugestão m/12

 

28 de Julho

11h00

Um Ponto que Dança

De Sara Anjo  (Leitura encenada)

Local: Auditório da Biblioteca Municipal de Palmela | Duração: aprox. 60m | Classificação: m/3

 

17h00

Sweet Drama

De Dulce Duca  (Circo contemporâneo)

Local: Rua de Olivença | Duração: 40m | Classificação: m/3

 

18h30

Toca

De Cátia Terrinca (Instalação/ Performance)

Local: Largo da Boavista | Duração: 45m | Classificação: em curso; sugestão m/12

 

21h30

A Rapariga Mandjako

De Rui Catalão com Joãozinho da Costa (Teatro/ Dança)

Local: Pátio da Adega da Casa Atalaia | Duração: aprox. 50m | Classificação: todos

 

22h30

Sopros

De Dolores de Matos e Luciano Amarelo (Circo contemporâneo) – Apresentação informal

Local: Cineteatro S. João | Duração: aprox. 30m | Classificação: m/3

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Revolta no velório de Jéssica obriga à presença de bombeiros e polícia

Avó paterna e alguns populares revoltam-se com mãe da criança durante a cerimónia fúnebre
- PUB -