8 Fevereiro 2023, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalBarreiroPerformance musical “Reunion XXI” hoje na Baía do Tejo

Performance musical “Reunion XXI” hoje na Baía do Tejo

O artista, compositor e investigador Jonas Runa desafiou José Pacheco Pereira, curador da exposição “O que faz falta é agitar a malta”, do espaço Ephemera, para participar hoje na performance musical “Reunion XXI”, no Parque Empresarial Baía do Tejo.

- PUB -

“Jonas Runas vs José Pacheco Pereira” serve, desta forma, para apresentar duas novas obras sonoluminescentes do artista: Reunion XXI e Oumuamua. Sendo que, as duas instalações vão estar interconectadas e vão ser reactivas às acções dos participantes.

“A performance recorre a uma partida de xadrez sónica e luminosa, na qual as jogadas activam composições de som e luz. Assim, ao invés de uma experiência fechada e repetível, o resultado vive à mercê da incerteza, da forma aberta, da imaginação e do desconhecido”, explica a Baía do Tejo.

Este evento celebra os 50 anos de “Reunion”, uma performance colaborativa concebida por John Cage, que contou com a participação de Marcel Duchamp e Teeny Duchamp e com a música electrónica de David Behrman, Gordon Mumma, David Tudor e Lowell Cross, realizada a 5 de Março de 1968 no Ryerson Theatre, em Toronto, no Canadá.

- PUB -

A performance vai marcar o fim da exposição “O que faz falta é agitar a malta”, patente no Parque Empresarial Baía do Tejo, e anunciar a próxima exposição a decorrer na Associação Cultural Ephemera.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Estação de combustível da Repsol assaltada esta tarde em Setúbal

Indivíduo fugiu com o dinheiro da caixa. Ameaçou os funcionários com uma faca. Já são três os assaltos registados nos últimos quatro dias

“Vou tentar por todos os meios que me paguem aquilo que devem”

Restaurante Novo 10 fechado devido a uma dívida de 700 mil euros, funcionários sem ordenados e situação em tribunal sem fim à vista
- PUB -