23 Maio 2024, Quinta-feira

- PUB -
Montijo parte de um Portugal Inteiro

Montijo parte de um Portugal Inteiro

Montijo parte de um Portugal Inteiro

Vivemos hoje num crescente risco de polarização da nossa dimensão pública. Tudo se vive no extremo. Ao diálogo e à procura de soluções de consenso sobrepõe-se a revolta, a ameaça, a calúnia ou, ainda, a desinformação que se amplifica e dissemina, como um rastilho perigoso e difícil de combater.
A um mês das eleições legislativas e neste contexto difícil, é fundamental que as ideias e os projetos dos partidos políticos democráticos tenham condições de serem ouvidos, assimilados, discutidos, onde, quer os vencedores, quer as oposições, têm um papel a desempenhar na construção do futuro.
A ideia de que todos os políticos são iguais, de que todos os partidos são iguais, numa visão generalizada de que são gente pouco séria e de que a sociedade se divide entre os políticos e os outros, aqueles que vivem com dificuldades, enquanto os poderosos, entre os quais os políticos, vivem com facilidades e mordomias, é um erro de partida e um perigo para a democracia.
A comunidade político-partidária movimenta milhares de pessoas, entre cargos autárquicos, legislativos, governativos e europeus. São milhares de cidadãos e cidadãs que estão disponíveis para contribuir de forma cívica para a sua comunidade e para o seu país, muitas vezes com sacrifícios pessoais e familiares, muitas vezes em cargos não remunerados. Situações de desonestidade ou mesmo de crime são uma ínfima parte desta realidade.
É assim que entendo a política e o sentido de serviço público, com projetos e ideias que queremos desenvolver e aprofundar para o país e para o Montijo, com respeito institucional por todos os eleitos e eleitas, sem ataques pessoais e de caráter, combatendo os populismos e a desinformação, a malícia e a suspeição, que só trazem descrédito à democracia, porque sempre acreditei e acredito que a política é uma atividade nobre, de serviço ao bem comum.
A pouco tempo das eleições legislativas, cá estou na minha militância partidária a lutar por aquilo em que acredito, num projeto do partido socialista, liderado por Pedro Nuno Santos, que tem um programa que defende a igualdade de oportunidades para todos e para todas, uma igualdade que se traduz na necessidade de apostar na educação, na saúde, na habitação, no transporte público, no trabalho, na inclusão, na igualdade entre homens e mulheres, em ação, num Portugal Inteiro.
Esta visão de sociedade que queremos, constrói-se a partir dos territórios como o nosso Montijo. Queremos para o nosso concelho uma escola pública de qualidade, continuando a investir no parque escolar e a exigir um quadro de profissionais estável; um Serviço Nacional de Saúde que garanta médico de família para todos os montijenses; uma economia de futuro, procurando atrair investimento em áreas de inovação tecnológica e de diferenciação que criem emprego e possibilitem a fixação de pessoas jovens no nosso território; e uma rede social reforçada pelas instituições do setor social e solidário e pelo associativismo, promovendo a proteção social, a cultura e o desporto.
Um modelo urbanístico de qualidade, que promova a coesão territorial e social, apostando nas várias centralidades e dinamizando estes espaços, promovendo habitação acessível a todas as pessoas, olhando para as zonas urbanas e rurais nas suas potencialidades, valorizando a zona ribeirinha, valorizando os espaços verdes, num projeto que tem de ser participado pelos montijenses nas opções e escolhas para uma década.
O nosso país faz-se de terras como a nossa, de gente como a nossa, que quer igualdade de oportunidades, que quer um país onde os jovens fiquem porque têm essa opção no horizonte, que quer ver a sua identidade e as suas tradições a manterem-se vivas, que quer, acima de tudo, qualidade de vida e bem-estar. Queremos um Montijo com ação, que seja parte de um Portugal Inteiro.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -