2 Março 2024, Sábado
- PUB -
InícioOpiniãoO abacate é que está a dar?

O abacate é que está a dar?

Desde que semeei batatas no meu quintal (3 quilos), há cerca de um mês, que não cai uma pinga de água. E só lá para o fim da semana se prevê qualquer coisa. Ou seja, a falta do precioso líquido que cai cada vez menos regularmente, não se verifica só no Algarve como agora tem sido notícia, tem vindo a agravar-se nos últimos anos, também no Alentejo e até na Estremadura e Ribatejo.

- PUB -

Vem esta constatação a propósito da notícia divulgada aqui em O SETUBALENSE na edição de 29 do mês passado, sobre uma plantação de pêra-abacate prevista para a nossa região. Mais precisamente, para o concelho de Alcácer do Sal. Plantação esta, reparem, caros leitores, de 800 hectares. É obra! Imaginem 800 campos de futebol ao lado uns dos outros.

Segundo a associação ambientalista Zero em comunicado enviado à agência Lusa, pode ser uma “machada” na conservação da natureza.

Como afirma a Zero, o projeto do empreendimento agro-industrial para produção e exportação de abacate, promovido pela empresa Expoente Frugal Lda, do grupo Aquaterra, cuja consulta pública terminou em 24/01/24; esta “monocultura de regadio dependerá de 34 furos de captação de água subterrânea e do abastecimento do perímetro de rega do Vale do Sado, situa-se em plena Zona Especial de Conservação (ZEC) da Comporta/Galé, em área de habitats dunares”. E prevê-se um consumo anual de 4 milhões de metros cúbicos de água.

- PUB -

Portanto, não é apenas a falta de água, devido às alterações climáticas, que alastra cada vez mais para norte. São também as culturas intensivas a gastá-la. E, no caso presente, numa região tradicionalmente de cultura do arroz.

Não será oportuno e justo questionar-se o que será mais útil para o País e para o meio ambiente, o referido cereal, o milho, batata, forragens para o gado, ou a “invasora” pêra-abacate? E, essencialmente para exportação.

A resposta parece-nos óbvia. Mais a mais, com o problema da escassez de água que poderá atingir níveis altamente preocupantes, e quando se trata de uma cultura que tanto a consome.

- PUB -

Será abusivo concluir-se que o lucro, os cifrões, falam mais alto?

Com o mundo agrícola em “pé-de-guerrra”, justamente devido aos erros e injustiças da Política Agrícola Comum (PAC) da União Europeia, haverá necessidade, a concretizar-se, de se juntar mais este? Que, cremos, até nem está dependente dessa política.

Imperioso, é que se tomem medidas que minimizem o tão nefasto e mesmo potencialmente perigoso efeito das famigeradas alterações climáticas, e ainda mais, o que as provoca. Não só nesta atividade essencial, a agricultura, tendo atenção não ao que dá lucro, mas ao que é indispensável. E noutras atividades, claro! Por exemplo, nos transportes. Promovendo-se os coletivos e menos poluentes, aos individuais que até têm aumentado.

É matéria fundamental também para levarmos em conta na nossa decisão do próximo 10 de março. As decisões dos que maioritariamente têm sido eleitos, estão à vista. Cuidado também com os, ou o, que tudo promete sem dizer como.

Francisco Ramalho
Professor, Corroios
- PUB -

Mais populares

Homem encontrado morto em casa no centro de Setúbal [Actualizada]

Cadáver de José, de 66 anos, foi transportado para a morgue do Hospital de São Bernardo para realizar autópsia

PJ investiga cadáver encontrado no interior de uma viatura em Setúbal

Populares alertaram as autoridades pelas 22h30. Homem, de 57 anos, terá morrido por causas naturais

Pedro Catarino já é goleador-mor dos sadinos na 1.ª Divisão da AF Setúbal

Com cinco golos no Vitória B, avançado do plantel principal volta a ser decisivo
- PUB -