13 Agosto 2022, Sábado
- PUB -
InícioOpiniãoRibeira da Meimoa

Ribeira da Meimoa

O interior é aquela coisa a preto e branco, triste, envelhecida e pobre em oposição a outra, colorida, jovem, alegre e rica, o litoral. Perante este fatalismo imposto, e aceite, o que se tem feito? Estraga-se dinheiro com programas e apoios, naturalmente inconsequentes. O que distingue um casal de jovens holandeses que se instala no despovoado Portugal onde é feliz e consegue criar riqueza, dos portugueses que se acotovelam e sobrevivem no litoral? Provavelmente tão só algo tão singelo como a atitude. Não me convencem do interior pobre e tenho muita curiosidade em saber se a mentira que nos impigem, e que a maioria aceita, é por ignorância ou se é intencional?

- PUB -

A pouco mais de 300 km destas terras de Setúbal/Lisboa, nada para um país normal e uma enormidade para um país pequeno como o nosso, descobri um paraíso. Um lugar como muitos outros que se encontram quando nos aventuramos a espreitar para além da cortina. Chega-se a Penamacor, a “pedra maior”, logo depois da A23 até à surpreendente Castelo Branco, e deparamos com um enorme cartaz a anunciar zonas frescas (água) para tomar banho. Neste contexto que a TV nos traz a casa, de secura, calor, incêndios etc. desconfiamos. Muito próximo a serra da Malcata, provavelmente o território português classificado mais despovoado, um luxo, surge no horizonte próximo. É aqui que começa o rio Coa que ruma para norte até ao Douro, um tesouro que temos de saber preservar. Noutras vertentes da mesma serra surgem as ribeiras da Bazágueda e da Meimoa que drenam para a bacia do Tejo, a ligação perfeita às terras das nossas origens.

A Meimoa é uma pequena aldeia, obrigatoriamente atravessada quando se ruma a norte, onde se evidencia uma bonita ponte romano-filipina sobre a tal ribeira do mesmo nome. É este precisamente o tesouro descoberto, a zona balnear da Meimoa. Surpreende um extenso e largo plano de água corrente, cristalina e fresca, imposto por um pequeno açude de madeira. A envolvente é convenientemente arborizada e equipada com tudo o que necessitamos e gostamos. No Bar da Praia, praticamente sem horário, a Andreia e Diogo servem tudo o que podemos imaginar. Nestes dias de forte canícula mergulhar nesta água refrescante é um sonho. Neste e nos outros concelhos à volta há um considerável conjunto de alternativas do mesmo tipo. O que espanta é como se podem ignorar lugares como este que vão sobrevivendo entre o envelhecimento, o despovoamento e o esperar que o próximo Verão traga de novo os filhos da terra que há muito anos partiram.

Esta terra, dita do lince que nunca ninguém viu, é já ali. Boas férias, diferentes e melhores.

Comentários

Carlos Cupeto
Universidade de Évora
- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -