26 Junho 2022, Domingo
- PUB -
InícioOpiniãoUm partido enraizado nas massas

Um partido enraizado nas massas

Depois das eleições passámos um mau bocado. Não estou a falar de 2022, mas de 1958. No final desse ano, a vaga de repressão veio com a raiva fascista. Isto aconteceu na sequência das “eleições-burla” de 1958, em que Salazar tentava orquestrar um simulacro fraudulento de “abertura” para inglês ver.

- PUB -

Depois da imensa jornada de luta, de coragem e unidade antifascista que foi a campanha de Humberto Delgado, veio o ataque revanchista: a PIDE fez centenas de prisões.

Os comunistas foram os principais alvos dessa ofensiva e em Dezembro de 1958 foram presos destacados dirigentes do partido e dezenas de militantes clandestinos. Mas a malta não desistiu, e retomou, ainda e sempre, aquela resposta antiga que apontava o caminho: é nas massas que nos enraizamos.

Na vida concreta das empresas e locais de trabalho, na vida concreta das escolas, na vida concreta das ruas e dos bairros, onde os problemas são sentidos e têm de ser enfrentados. Era ali que estávamos e é aí que estamos.

- PUB -

Durante os momentos mais duros, em que os “donos do país” chegaram a proclamar o fim e desaparecimento do PCP, era o enraizamento no seio dos trabalhadores (sim, na classe operária!) e a capacidade de dar força e rumo às suas lutas que traziam, outra e outra vez, a capacidade de resistir e avançar.

Foi assim em 1940, quando o governo declarou que o PCP estava definitivamente liquidado e Hitler avançava pela Europa. Foi assim em 1949, quando Álvaro Cunhal, Militão Ribeiro, Sofia Ferreira foram presos pela PIDE e Salazar apresentava-se fundador da NATO.

Foi sempre assim, e sempre este colectivo (re)encontrou nas fábricas, nos campos, nas escolas, nas lutas concretas, a raiz para crescer mais forte e mais amplo.

- PUB -

E é lá na luta de todos os dias que nos vão encontrar, com a nossa iniciativa política, com a força organizada que possuímos e com a determinação que dispomos para recuperar posições e avançar, contando com a mobilização de todos – mesmo daqueles que no dia 30 não pensaram que fosse decisivo dar-nos mais força.

Fazem falta agora, e vão fazer. Seja em que circunstâncias for, olhamos para os problemas do nosso povo e da nossa pátria, e estaremos à altura de responder à construção da alternativa patriótica e de esquerda, da democracia avançada com os valores de Abril no futuro de Portugal, à luta pelo socialismo e o comunismo.

Os trabalhadores e o povo podem contar com o PCP e a sua intervenção decisiva na defesa e afirmação dos seus direitos. Hoje, como sempre, é no PCP que se encontrará essa força de todos os dias sempre com a luta dos trabalhadores e do povo em defesa dos seus interesses e aspirações.

Esta é a nossa história de 100 anos. Ou melhor: dos primeiros 100 anos. Enfrentámos tempos terríveis e resistimos. Avançámos e alcançámos avanços históricos para o país e o mundo. Prosseguimos e luta para defender avanços e construir um futuro melhor.

E é este centenário que celebramos, e em que ganha uma importância especial o grande Comício que terá lugar no dia próximo dia 6 de Março.

Naquele domingo à tarde, todos os caminhos vão dar a Lisboa, ao Campo Pequeno, para uma grande iniciativa pela melhoria das condições de vida dos trabalhadores e do povo, contra a exploração e o empobrecimento, pela ruptura com a política de direita, por uma política alternativa, pela liberdade, a democracia e o socialismo. Lá estaremos então: no centenário e na luta.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -