12 Agosto 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoPor um distrito com mais saúde

Por um distrito com mais saúde

A pandemia expôs a fragilidade estrutural do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e agravou as dificuldades pré-existentes, mas também tornou clara a imprescindibilidade da resposta pública em saúde. Sem o serviço público de saúde, que não deixa ninguém de fora, milhares de pessoas teriam ficado sem apoio e os efeitos do SARS-Cov2 teriam sido ainda mais devastadores. Recorde-se que durante o período mais crítico da pandemia, o sector privado. Quando se trata de proteger todos, só podemos contar com o SNS. Do setor privado não se pode esperar nada que não seja a busca intrínseca do lucro e do negócio, como ficou evidente na forma como fechou portas ou exigiu que o Estado financiasse as suas perdas financeiras, sem esquecer a escusa das seguradoras em cobrir epidemias. A busca do lucro não serve a saúde nem protege os direitos da população.

- PUB -

O desinvestimento no SNS, agravado pela austeridade imposta pela Troika e, até hoje, não revertido na totalidade, traduziu-se em insuficiência de recursos (materiais, humanos e técnicos), sobrecarga e desgaste que se arrastam no tempo. E, apesar de todas as condicionantes de um sector estrangulado, as diversas categoriais profissionais responderam de forma exímia aos desafios trazidos pela COVID-19. É imperativo reconhecer o papel determinante de todas as classes profissionais que se dedicam ao SNS, valorizando-os de facto, nomeadamente através de carreiras dignas, salários justos e condições para o exercício das suas funções em segurança e com qualidade.

A saúde tem sido negligenciada pelos sucessivos governos PS/PSD, onde o distrito de Setúbal não foi exceção. Durante décadas, as populações da Península de Setúbal estiverem dependentes da oferta existente no concelho de Lisboa, mesmo para situações de urgência e emergência, circunstância ainda mais grave a sul do distrito, onde a falta de respostas em saúde resulta em deslocações superiores a 40km até uma unidade hospitalar.

A situação do nosso distrito é alarmante, onde as ofertas em saúde escasseiam e deixam milhares de cidadãos e cidadãs sem qualquer apoio.  O acesso aos cuidados de saúde, as disparidades nos determinantes ambientais e sociais da saúde, as desigualdades no estado de saúde das comunidades e a relação com o SNS foram das dimensões mais afetadas, cujo impacto económico e social não pode ser escamoteado.

- PUB -

Num distrito marcado pela dificuldade no acesso aos cuidados de saúde, o principal efeito colateral direto da pandemia – a suspensão da atividade programada – assume-se como uma verdadeira bomba-relógio para a qual são necessárias soluções urgentes. Os médicos já disseram “basta” e a população, farta de promessas de um Governo não cumpridas, já começa a mobilizar-se no sentido de exigir o seu direito constitucional de acesso à saúde.

Mais do que nunca importa dar o salto qualitativo nas políticas de saúde e de educação para a saúde, invertendo, necessariamente, o paradigma vigente para o paradigma salutogénico. De um sistema de saúde essencialmente, e ainda, organizado para resposta secundária e terciária, importa investir num sistema que capacita as/os utentes para o autocuidado e assumir um papel ativo nos seus processos de saúde individual, familiar e social.

Para que todas as pessoas tenham acesso aos serviços de saúde é preciso eliminar duas barreiras essenciais: tempos de espera e custos associados (taxas moderadoras, transporte de utentes, medicamentos, concessão privada, etc.). Por outro lado, descentralizar alguns serviços e reforçar as respostas em saúde são determinantes para garantir mais vigilância e menos doença.

- PUB -

No nosso distrito, como em todo o país, é essencial criar os Sistemas Locais de Saúde, já previstos na nova Lei de Bases da Saúde e que permite assegurar, em cada área geográfica, a promoção da saúde, a continuidade de cuidados e uma melhor utilização dos recursos.

Para o Bloco de Esquerda é urgente, como tantas vezes temos reforçado, amplificar a estrutura do Hospital de São Bernardo (concelho de Setúbal), requalificar o Hospital Nossa Senhora do Rosário (concelho do Barreiro), Hospital do Montijo (concelho do Montijo) e do Hospital Ortopédico do Outão (concelho de Setúbal), bem como da extensão de saúde de Vila Nova de Santo André (concelho de Santiago do Cacém), construir o Hospital do Seixal (concelho do Seixal) e das estruturas de Hospital de Dia e Centro de Desenvolvimento do Hospital Garcia de Orta (concelho de Almada), abrir o novo Serviço de Urgência do Hospital do Litoral Alentejano, reabrir a Unidade de Convalescença do Hospital do Litoral Alentejano (concelho de Santiago do Cacém), o Serviço de Atendimento Permanente do Centro de Saúde de Grândola (concelho de Grândola) e as extensões de saúde de Canal Caveira (concelho de Grândola), das freguesias de São Bartolomeu da Serra, São Francisco da Serra e de Deixa-o-Resto na freguesia de Vila Nova de Santo André (concelho de Santiago do Cacém).

Sempre deixamos muito claro que a saúde é uma das maiores prioridades do Bloco de Esquerda. Que dia 30 nos concedam força política para deixar de prometer e passar a concretizar!

 

Nota – Artigo redigido em co-autoria com o Grupo de Trabalho da Saúde do Bloco de Esquerda no distrito de Setúbal

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -