21 Janeiro 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioOpinião500 palavras: Doaa Al Zamel e a esperança que venceu o mar

500 palavras: Doaa Al Zamel e a esperança que venceu o mar

O título fala-nos da vastidão do Mediterrâneo e da vontade de vencer esse espaço – “Uma esperança mais forte do que o mar”, assinado por Melissa Fleming, editado em Portugal em 2017, conta a luta de Doaa pela sobrevivência, refugiada síria que sofreu a instabilidade do seu país, os vexames dos traficantes que garantiam a viagem até à Europa e um naufrágio provocado que a levou a conviver com a morte.

- PUB -

A narrativa, na terceira pessoa, resultou de longas horas de conversa entre a autora e a protagonista entre Abril de 2015 (primeiro encontro) e Agosto de 2016 (conclusão do escrito). Quando Fleming quis ouvir a narração da fragilizada Doaa, a resposta foi: “Pergunte-me tudo o que quiser. Esta é a minha vida e tenho de a aceitar.” A fechar esta história, há uma nota da jovem, que, falando da situação de refugiada, proclama: “A perigosa viagem em que os refugiados embarcam, com o sonho de alcançarem a segurança na Europa, conduz frequentemente ao desespero e à morte. Continuamos, porém, a colocar as nossas vidas nas mãos de traficantes cruéis e impiedosos, porque não temos outra alternativa. Temos sido confrontados com os horrores da guerra e com a indignidade de perdermos as nossas casas, e o nosso único desejo é viver em paz. Não somos terroristas, somos seres humanos como qualquer um de vós. Temos corações que sentem, anseiam, amam e sofrem.”

Grito lancinante, este, que fica a remoer, sobretudo depois de termos lido o que levou Doaa a abandonar o seu país, o relato do que ela passou entre Novembro de 2012, data em que saiu com a família de Daraa, a cidade-natal, rumo ao Egipto e a vida neste país, sempre no registo da insegurança, e a narrativa da viagem e das contrariedades sofridas a partir de 15 de Agosto de 2014, na travessia do Mediterrâneo para a Europa, tendo sobrevivido naufragada no mar por quatro dias e quatro noites, ao mesmo tempo que cuidava de duas crianças que lhe foram entregues na ocasião do naufrágio – uma luta pela vida em momentos dominados pela morte, pois que do meio milhar de embarcados muito poucos sobreviveram. Em todo este trajecto, há ainda uma intensa história de amor – a vida de Doaa no Egipto mostrou-lhe a paixão personificada em Bassem. Tendo-se tornado noivos, são ambos a partir em busca da Europa, mas o namorado morreria no naufrágio de que foram vítimas.

É uma história de sobrevivência emocional e humana aquela que passa nestas páginas, com momentos fortes que levam o leitor à indignação, à piedade, ao medo, à solidariedade. Uma narrativa que não esconde os perigos e as fragilidades ou o direito à procura da felicidade, num mundo que é o nosso, em que as notícias dos refugiados chegam associadas ao perigo de viver ou de atravessar os Mediterrâneos ou as Manchas que nos separam da paz.

- PUB -

Como funcionária do ACNUR (Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), Melissa Fleming doseia a narrativa com alguns elementos sobre o contexto dos refugiados para que a narração do caso individual de Doaa Al Zamel (e de sua família), tal como aquelas fotografias de momentos dos refugiados que nos chocam muitas vezes, acabe por revelar a alma de toda uma multidão que, frequentemente, nos surge como anónima e despersonalizada.

É um testemunho de dádiva que nos interpela em cada página, mostrando-nos, no final, o sonho de Doaa: “Espero regressar um dia à Síria para poder voltar a respirar. Nem que seja só por um dia. Seria o suficiente.”

Comentários

- PUB -

Mais populares

Pinhalnovense não tem jogadores para ir a jogo no próximo domingo

No Campeonato de Portugal a situação está muito complicada para os clubes da região porque o Barreirense está numa posição delicada na tabela classificativa...

Pinhalnovense sem jogadores para jogar fez falta de comparência

A 12.ª jornada do Campeonato de Portugal ficou marcada pela falta de comparência do Pinhalnovense no jogo que deveria disputar em casa com o...

Vereador diz que cães vadios fogem com crânios na boca e acusa PS de tratar mal os vivos e pior os mortos

João Afonso volta a criticar serviço nos cemitérios. Autarca do PSD denuncia ossadas lavadas em tanques da roupa e colocadas em caixas de fruta a secar. Nuno Canta diz que é fantasia
- PUB -