2 Dezembro 2021, Quinta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoO Orçamento e o PCP

O Orçamento e o PCP

O tema do programa Antena Aberta da Antena1 no passado dia 20, foi o assunto do momento: o Orçamento do Estado para o próximo ano. Antes, a jornalista da casa, Natália Carvalho, entrevistou o líder do grupo parlamentar do PCP, João Oliveira.

- PUB -

Tratou-se de uma muito esclarecedora entrevista. Ficaram claríssimas duas coisas: a premente necessidade das propostas do PCP para os trabalhadores no ativo e reformados, para reforçar o Serviço Nacional de Saúde, para relançar a economia nacional pós pandemia, e que existem meios para tal.

Para bem do povo e do país, ainda outra coisa ficou bem patente: a necessidade da comunicação social (CS) dar a voz que os comunistas merecem, para que se conheça o seu trabalho nas autarquias, nos sindicatos, nas coletividades de cultura e recreio, nas comissões de utentes e em tantos outros locais onde estão sempre na linha da frente.

Sabemos bem porque não o fazem. Não é esse o interesse dos donos e de quem controla a grande maioria da CS.

- PUB -

Dito isto, não é menosprezar o papel dos outros partidos com quem o Governo/PS tem negociado o OE. Mas, fruto da sua ímpar implantação no mundo do trabalho e noutros setores, alguns acima referidos, não é por acaso o destaque que é dado ao PCP nesta matéria. E outro destaque teria, se a essa implantação correspondesse adequada representação na AR, no Parlamento Europeu e nas autarquias.

Em abono desta tese, da influência da CS na opinião pública, se os partidos do denominado arco do poder, nomeadamente os dois maiores, PS e PSD, não contassem com ela, apesar das políticas dos seus governos responsáveis pelos males que afetam os trabalhadores e o povo em geral, na Saúde, no Ensino, nos baixos salários e pensões de reforma, na precariedade laboral, no desemprego,  na dócil subordinação aos ditames da União Europeia que implicam restrições à produção nacional, na cultura, no laxismo que permite a corrupção e evasão fiscal, enfim,na gestão de tantos outros  setores da vida nacional, teriam os resultados eleitorais que têm?

Portanto, o OE, este ou qualquer outro enquanto se mantiver o atual quadro político, nunca será o que o povo necessita e o que o país precisa para ser bem mais desenvolvido e justo.

- PUB -

Por isso, é essencial que a esquerda, à esquerda do PS, nomeadamente o PCP, tenham mais força.

A discussão do OE é, por excelência, a prova disso.

António Costa, diz que a razoabilidade é essencial para se conseguir um bom orçamento.  E que este, é o possível.

Em parte tem razão. Mas, mesmo neste quadro e já tendo feito algumas alterações positivas nalguns setores por pressão dos negociadores, estes, têm demonstrado que pode e deve ser bastante mais possível e melhor. E seria ainda mais, se o seu partido mais os outros dois da tróica do arco (do poder), não tivessem alienado, privatizado, a banca, os seguros, os combustíveis, as telecomunicações e outros setores vitais da economia.

Como sempre, está nas mãos do povo reverter tal situação, para termos Orçamentos do Estado bem melhores.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
Francisco Ramalho
Professor, Corroios
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -