2 Dezembro 2021, Quinta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoUm grande escritor da nossa terra

Um grande escritor da nossa terra

No passado dia 10, no Auditório do Centro Comercial o Pescador na Costa da Caparica, foi lançado o mais recente romance de Jerónimo Jarmelo, “A Sombra do Jacarandá”.

- PUB -

A apresentação esteve a cargo dos Profs. Drs. Ricardo Salomão e Carlos Castilho Pais.

A obra relata episódios dramáticos relacionados com a grave crise financeira iniciada em 2008 nos EUA que teve repercussões planetárias. Devido à sua atividade profissional, o autor viveu-a bem por dentro.

Jerónimo, frequentou o Seminário do Fundão e o Seminário Maior da Guarda. Descreve também neste livro, ao pormenor, o martírio por que passavam os adolescentes naqueles estabelecimentos de ensino, quais madraças “cristãs”, às mãos dos padres. Na anterior geração, Vergílio Ferreira, que também passou por lá, fê-lo em “Manhã Submersa”. Por isso, o resultado era o contrário ao pretendido pela secular instituição. De Luís Eugénio, personagem central do romance, citamos : “O número dos eleitos para a “vinha do Senhor” era cada vez mais reduzido. Iniciámos a caminhada, no primeiro ano, mais de sete dezenas; desses apenas vinte aportámos ao Seminário Maior da Guarda”. E grande parte dos que restavam, como o autor, no final do 7º ano, também acabavam por sair.

- PUB -

Jerónimo Jarmelo, escreve sobre o que conhece bem. Aliás, conhecer-se a sua obra, é ter-se uma visão geral sobre aspetos fundamentais da história deste país dos últimos 60/70 anos.

Jerónimo Jarmelo, pseudónimo de Jerónimo Pereira dos Santos, é natural de Castanheira do Jarmelo, Guarda (daí o pseudónimo, uma homenagem à sua terra natal), foi alferes miliciano, bancário, chegando a diretor, frequentou a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é sócio da Associação Portuguesa de Escritores e do PEN Clube Português e professor nas Universidades Seniores do Seixal e Universidade Intergeracional do Concelho de Almada.  Nesta última, por motivos pessoais, este ano não leciona.

Há 5 décadas que por cá se fixou.

- PUB -

É autor dos romances, “As Ninfas do Índico”, “Filho de Ninguém”, “Eu Vou Ser Como a Serpente”, “Uma Flor no Meu Deserto” (Prémio de Ficção Almada2017), “O Filho do Pecado”, “A Sombra do Jacarandá”, “Inquitudes” (Poemas) e “Contos das Terras Altas” (Contos).

Esteve na Guerra Colonial em Moçambique, e em As Ninfas do Índico, escreve sobre um dos seus efeitos ostensivamente pouco divulgado: o drama das mulheres que ficavam na retaguarda. Sobretudo mães, esposas e namoradas.

Em Filho de Ninguém, aborda o tema da emigração. Eu Vou ser Como a Serpente, trata-se de uma incursão pelo género policial. Uma Flor no Meu Deserto, descreve a “Revolta da Mealhada” em 1946, as prisões do fascismo e uma lindíssima história de amor. O Filho do Pecado, é uma denúncia muito bem documentada de “factos nada cristãos” de tantos padres da Igreja Católica. Contos das Terras Altas; histórias saborosas e picarescas das suas gentes, das Terras Altas.

Repare-se que a sua primeira obra foi publicada em 2014. Portanto, grande escritor em quantidade, e em qualidade.

Confirmem-no!

 

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
Francisco Ramalho
Professor, Corroios
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -