2 Dezembro 2021, Quinta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoUm início de mandato promissor

Um início de mandato promissor

Primeiros sinais apontam para um regresso à política e à ambição de Setúbal como capital de distrito

 

- PUB -

O mandato de André Martins como presidente da Câmara Municipal de Setúbal promete muita coisa de diferente, relativamente aos anteriores, e em aspectos de grande significado e importância para o concelho.

Os primeiros sinais, alguns ainda anteriores à tomada de posse, indiciam um regresso à política – no estrito e bom sentido da palavra -, com base numa visão estratégica e sem perder o foco nos problemas correntes que afectam as pessoas.

Ao agir de imediato, ainda apenas como presidente eleito, nos casos da Comenda e do Hospital de Setúbal – no primeiro comprometendo-se com a defesa do usufruto público e no segundo assumindo-o como a prioridade para o primeiro dia de trabalho do mandato – André Martins mostra que tenciona marcar a agenda política, assumindo a vanguarda da acção e constituindo-se como voz, de facto e não apenas de direito, do interesse da população.

- PUB -

Só estes dois exemplos mostram logo uma imensa diferença para o passado recente se nos lembrarmos das dificuldades da câmara em lidar politicamente com as dragagens. Aliás, no caso da Comenda, a autarquia teve, até agora, uma posição dúbia em que, a uma entrada de forte oposição à prepotência dos proprietários, com ameaça de expropriações, se seguiu uma inacção muito difícil de entender.

Os segundos sinais de esperança, surgem no discurso de tomada de posse, em que o novo presidente não apenas se comprometeu com (quase) todos os temas quentes como confirmou a dimensão estratégica da sua visão.

Esta dimensão está patente quando assegura que vai exigir responsabilidades a quem cortou o acesso da Península de Setúbal aos fundos europeus. Nesta matéria, André Martins, além de chamar o tema à agenda, de forma muito firme, atira a questão que se impõe e ao alvo certo.

- PUB -

“Importa saber do Governo e do senhor primeiro-ministro – que, aliás, ainda não se quis pronunciar sobre esta matéria – como é que seremos ressarcidos desta penalização; como seremos compensados por todos estes anos de falta de investimento”, disse.

Este posicionamento é a grande diferença para os mandatos anteriores, porque se traduz numa consciência da responsabilidade regional e numa ambição de liderança política que ninguém assume no concelho há demasiados anos. Setúbal abdicou de ser capital do distrito e com isso contribuiu, objectiva e decisivamente, para a situação a que chegámos. A bem da região, o peso político do autarca de Setúbal deveria ser reforçado, pela CDU, atribuindo-lhe a presidência da associação de municípios (AMRS).

Nas temáticas diversas, o eleito assegurou o regresso da água à gestão municipal já em 2022 (sem nada dizer sobre a monstruosa dívida da Águas do Sado ao município, embora seja compreensível que nada tenha dito sobre isso, atendendo ao momento), prometeu procurar “garantir o alargamento do Passe Navegante à travessia do Sado, facilitando assim o regresso dos setubalenses às praias de Troia” – mostrando disponibilidade para enfrentar os interesses instalados que afastaram os setubalenses de Tróia – e até falou em “melhorar as condições de acesso às praias da Arrábida“, assumindo, implicitamente, que há trabalho a fazer para que o modelo adoptado, ‘Arrábida sem carros’, possa realmente corresponder às necessidades.

Entre o que não falou, destaca-se o IMI (embora a tendência iniciada seja a de redução da taxa), o estacionamento tarifado (em que é aconselhável pelo menos alguns retoques – por exemplo, em certas franjas residenciais e nos preços dos passes para residentes –, coisas com pouco impacto na concessão mas que podem acabar de vez com as arestas que tornam o tema politicamente difícil e eleitoralmente perigoso), e, sobretudo, os grandes projectos.

André Martins não se comprometeu com grandes obras e esta será a segunda maior diferença para os mandatos anteriores. O que se antevê é uma maior proximidade aos temas correntes, como a habitação, às necessidades das pessoas em cada momento e nos diversos lugares do concelho, em vez de obras físicas emblemáticas (até porque essas, justiça seja feita, ficaram quase concluídas), ou muito embelezamento.

Porque André Martins parece ter percebido, como é evidente, para nós, que estas eleições demonstraram, que é na política, e não na obra, que a CDU está em perda.

Outra diferença que aponta para um mandato mais político, é a aposta na governação com base na maioria pontual (uma vez que a CDU perdeu a maioria absoluta). O presidente assumiu que vai governar com a maioria (relativa) que tem.

Tendo o PSD rejeitado pelouros e sendo o PS a alternativa, a aposta é na gestão política caso a caso. No conjunto destes primeiros sinais, o empenho e determinação evidenciados pelo novo presidente transmitem uma energia que contraria a imagem de apagado que muitos tinham de André Martins.

Director

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -