22 Janeiro 2022, Sábado
- PUB -
InícioOpiniãoO estado do Concelho

O estado do Concelho

O partido socialista governa a Câmara Municipal do Montijo ininterruptamente há vinte e quatro anos. É sua a responsabilidade pelo que de bem e de mal foi feito nesse enorme espaço de tempo. E também pelo que não se fez.

- PUB -

Analisando o último mandato, podemos dizer que o executivo socialista optou por juntar dinheiro ao invés de fazer obras.

É esta a leitura que se pode tirar das prestações de contas de 2017, 2018 e 2019, dado não termos ainda as contas de 2020 e o impacto que a pandemia possa ter nas mesmas.

Em relação à pandemia, lamentamos as mortes e o sofrimento causado a tantos habitantes do concelho. Estamos naturalmente solidários com a as famílias que sofreram e sofrem os efeitos do COVID 19. Entendemos que no geral, aqui como no resto do país, os consensos em torno do que é essencial – combate à pandemia e preservação da vida – foram obtidos.

- PUB -

Instamos o executivo camarário a exercer todas as suas competências em termos da gestão do território e fiscalização das condições de habitação, nomeadamente nas freguesias da zona leste do concelho, para que o desenvolvimento da pandemia não nos transporte para cenários como os que estamos a ver noutros concelhos.

Retomando, a execução Orçamental anual em termos dos investimentos foi a seguinte:

2017 – 47,71 %

- PUB -

2018 – 47,05 %

2019 – 64,74 %

Assim se pode explicar a política de investimentos da governação socialista.  Pouco ambiciosa na previsão, ficou pelos mínimos na execução.

Ou seja, numa análise simples, pouco ou nada fazendo pouco ou nada se gasta. E assim se explica o montante em bancos no final de 2019 de cerca de 12 milhões e 870 mil euros. O «milagre financeiro» tem afinal uma explicação simples – a uma cada vez maior arrecadação de impostos, somou-se uma execução anémica de um plano de investimentos já por si pouco ambicioso. Foi esta a política seguida.

A juntar a isto, somam-se as promessas nunca cumpridas cujo rol completo me dispenso de apresentar por manifesta falta de espaço, inserindo apenas algumas para memória futura:

– Concluir a Revisão do Plano Diretor Municipal

– Construção da Segunda Fase da Circular Externa

– Desenvolver e apoiar a criação de incubadoras de empresas voltada para as indústrias criativas   e de inovação;

– Criação do Balcão único da Autarquia

– Novas Instalações para os SMAS

– Ciclovia do Saldanha ao Seixalinho

– Arranjo do Largo Gomes Freire de Andrade

– Construção das piscinas Municipais do Afonsoeiro

– Construção da Piscina de água salgada no Montijo

– Skate Park

– Cais para barcos de recreio

– Elétricos rápidos para o cais do Seixalinho

– Complexo Desportivo Municipal

Compete à Assembleia Municipal acompanhar e fiscalizar a atividade da Câmara Municipal. E naturalmente exprimir a opinião sobre as políticas que o executivo municipal adopta. A Assembleia Municipal não é, nem pode ser, uma câmara de ressonância do poder executivo. Adoptar essa postura, é, em minha opinião, subverter a função legal e política da Assembleia Municipal e contribuir para o afastamento cada vez maior entre eleitos e eleitores.

O mau exemplo dado por alguma classe política aos diversos níveis da administração, faz-me temer que cada vez mais os eleitores se alheiem da vida política do país.

Nas últimas eleições autárquicas, o Montijo apresentou um número record de abstenções de 56% dos eleitores inscritos. Se isto não nos interpela a todos, algo vai muito mal na democracia local.

Comentários

Joao Dinis
Deputado municipal no Montijo
- PUB -

Mais populares

Pinhalnovense sem jogadores para jogar fez falta de comparência

A 12.ª jornada do Campeonato de Portugal ficou marcada pela falta de comparência do Pinhalnovense no jogo que deveria disputar em casa com o...

Entrada de luxo dos sadinos foi segredo para vencer U. Santarém e subir ao 2.º lugar

Varela (bisou) e Zequinha fizeram os golos desta quinta-feira no Bonfim

MP acusa médico do Centro Hospitalar de Setúbal de homicídio por negligência em caso de morte de bebé num parto

Os factos ocorreram no dia 06 de Fevereiro de 2018, nos serviços de urgência de obstetrícia e estão relacionados com o parto de um feto morto
- PUB -