29 Junho 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoNão há professores em part-time

Não há professores em part-time

Não há professores em part-time. Este é o ponto de partida para os quatro projetos que o Bloco de Esquerda levou ontem a debate no Parlamento: um programa de vinculação extraordinária de professores contratados com cinco ou mais anos de serviço; uma vinculação dos docentes das escolas artísticas António Arroio e Soares dos Reis; um projeto para desbloquear a inação do Governo que impede a negociação sobre o regime de recrutamento e mobilidade de professores e outro para corrigir as desigualdades que atingem os professores contratados com horários incompletos.

- PUB -

Voltemos ao ponto de partida: os alunos que são acompanhados por professores com horário incompleto devem ou não ter acesso à mesma educação, à mesma atenção e dedicação que os seus colegas que são acompanhados por docentes vinculados com todos os direitos? Sim. O papel dos professores na educação esgota-se nos 45 minutos de uma ou outra aula? Não. Então não há professores em part-time.

Mas o governo entende que sim. Num ano de azar, um contratado pode apanhar um horário em que recebe menos do que o salário mínimo e não lhe dá direito a uma carreira contributiva completa, o que afeta o seu acesso a prestações sociais e à reforma por inteiro. Ainda assim, tem de ir à escola todos os dias, provavelmente deslocado e até longe de casa. Quem é que pode organizar a sua vida assim?

Os intervalos de horários e a contabilização da carreira contributiva têm de ser alterados por respeito para com estes trabalhadores e porque a Escola Pública precisa deles. Não se entende a teimosia do Partido Socialista em mante esta injustiça herdada do Governo PSD/CDS e cuja correção nem sequer tem impacto orçamental imediato.

- PUB -

O atual sistema de contratação, vinculação e colocação de professores é uma manta de retalhos que começa a ter buracos a mais e isso tem três consequências diretas: a falta de professores nas escolas; a incerteza sobre o futuro da Escola Pública; e a desvalorização da carreira docente.

É tempo de os enfrentar. A recusa do Governo em abrir uma negociação com os sindicatos para rever o regime de recrutamento de professores de forma a valorizar a carreira, permitir a renovação geracional e admitir a compensação a professores deslocados pode ser classificada, no mínimo, como negligência.

Os números batem todos os argumentos: um terço dos professores contratados – mais de 11000 precários  – já dão aulas há mais de 10 anos. Este regime não apenas permite – como depende – de professores que estão há 20 anos a dar aulas sem um vínculo. Muitos dos seus alunos já têm uma carreira, e eles lá continuam precários e a ganhar o mesmo que um contratado acabado de formar.

- PUB -

Quem não vê nisto um problema; quem não ouve ninguém, nem o Conselho Nacional da Educação, nem as escolas, não está à altura de comandar os destinos da escola pública.

A norma travão, apesar das melhorias, continua a servir para impedir a vinculação de milhares de precários. As vinculações extraordinárias negociadas com o Bloco de Esquerda correram bem e têm de ser repetidas até acabar com o flagelo da precariedade docente.

Alguns destes projetos foram aprovados e agora a bola fica do lado do Governo: tem de cumprir as leis do Parlamento. Já chega de promessas vãs, este é também um apelo pela credibilização da democracia.

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Revolta no velório de Jéssica obriga à presença de bombeiros e polícia

Avó paterna e alguns populares revoltam-se com mãe da criança durante a cerimónia fúnebre
- PUB -