29 Junho 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoPlano de Resiliência e Recuperação na Península de Setúbal: um enigma

Plano de Resiliência e Recuperação na Península de Setúbal: um enigma

Caro leitor, o PRR (com 147 páginas, 3 dimensões estruturantes ― Resiliência; Transição climática e Transição digital ―, 19 componentes, 36 reformas e 77 investimentos) é crucial para reanimar a economia após a devastação da pandemia, pois disponibiliza avultados recursos financeiros, uma parte a fundo perdido, outra em empréstimos com juros muito baixos. Estes recursos financeiros excepcionais ― que privilegiam as infraestruturas (833 milhões) e a mobilidade sustentável (1032 + 300 milhões) ― são ainda acompanhados pelos fundos europeus dos quadros comunitários em vigor. O país tem, portanto, uma oportunidade única para resolver alguns dos problemas que persistem.

- PUB -

A importância e a complexidade do PRR exigiam uma consulta pública mais longa do que de 15 de Fevereiro a 1 de Março. Mesmo assim, teve 200 contribuições da cidadania. Mas se os cidadãos tiveram esta limitação, as instituições e entidades (públicas e privadas), não tiveram, pois dispõem de meios e de saberes para responderem em tempo útil à consulta pública.

Vou referir-me agora ao que quero abordar hoje ― dois problemas da Península de Setúbal com quase vinte anos ―, por estranhar que deles não se fale a propósito do PRR. São a extensão do MTS-Metro Transportes do Sul aos concelhos do Barreiro e Moita (prevista em 2007, quando foi inaugurado) e a conclusão da Estação Ferroviária do Pinhal Novo (obstaculizada pelos autarcas de Palmela em 2004).

O estranho silêncio das autarquias que têm populações afectadas (e das associações como a AMRS-Associação de Municípios da Região de Setúbal e a AML-Área Metropolitana de Lisboa), assim como das associações empresariais e outras (que são, além dos populações, também afectadas, directa ou indirectamente), é para mim um enigma.

- PUB -

Há dias, este jornal referia a estranheza da presidente da Câmara de Almada que o MTS não constasse nas candidaturas ao PRR e prometia intervir junto da AML. Não ouvi mais ninguém falar de nenhum destes dois problemas prementes e essenciais para a melhoria da mobilidade sustentável na região. Sobre a Estação do Pinhal Novo, eu tenho escrito vários artigos, cuja reação dos que obstaculizaram a sua conclusão é dizerem que falo sempre do mesmo. Esquecem-se de que sofremos, todos os dias, há 17 anos, as nefastas consequências da sua absurda acção. Quererão que fiquemos calados e, talvez, agradecidos? Sobre isto, dos autarcas aos dirigentes partidários locais e aos deputados do distrito, tem havido um alheamento (ou desconhecimento), de que resultou um silêncio de cemitérios.

É inegável a importância do MTS na interligação entre vários núcleos populacionais dos concelhos do Barreiro e Moita aos concelhos servidos por este meio de transporte, Almada e Seixal (mas nestes é necessário cobrir melhor a malha urbana), e, também, na intermobilidade que essa expansão e interligação permitiria com os modos de transporte ferroviário, rodoviário e fluvial, ajudando a aliviar o intenso fluxo diário de carros particulares nas duas pontes para Lisboa.

A conclusão da Estação do Pinhal Novo permitiria aos dois comboios que, em cada hora, terminam (e invertem) o percurso entre Lisboa e Coina chegarem ao Pinhal Novo (como estava previsto em 2004) e pôr a funcionar o terceiro comboio da Fertagus que chega a Setúbal em complementaridade com os dois da CP que, em cada hora, a ela chegam e dela partem para o Barreiro. E acabar com o outro absurdo destes três comboios circularem entre Setúbal e o Pinhal Novo (onde se separam) apenas em trinta minutos de cada hora e nos outros trinta não haver nenhum.

- PUB -

Como resultado final, a oferta para (e de Lisboa) seria aumentada de três para cinco comboios por hora. Lembro que na extensão da Fertagus a Setúbal se gastou 255 milhões de euros e na Estação do Pinhal Novo 25 milhões para se ter um comboio por hora. Uma grande estação interface a funcionar em pleno seria uma mais-valia para o concelho de Palmela e para a vila do Pinhal Novo.

Será o PRR mais uma oportunidade perdida para estender o MTS ao Barreiro e Moita e concluir a Estação do Pinhal Novo?

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Revolta no velório de Jéssica obriga à presença de bombeiros e polícia

Avó paterna e alguns populares revoltam-se com mãe da criança durante a cerimónia fúnebre
- PUB -