15 Abril 2024, Segunda-feira
- PUB -
InícioOpiniãoA idosa que deu corpo à liberdade

A idosa que deu corpo à liberdade

Na actividade quotidiana dos militantes do Partido Comunista Português, do PCP, é inquestionável que, não parando, caminhando, ultrapassando o seu Centenário, porque depois de 6 de Março todo e qualquer português pode dizer: «Centenário, mas doravante será sempre 100 anos mais um, dois, tês dias, semanas, meses, anos, lá chegarão à sociedade e ao Mundo por que lutam tanto quanto forem (formos) teimosos: “O Futuro tem Partido”», acontece que uma das suas habituações, reconhecidamente nem tanto quanto necessário, a do contacto directo – presencial, termo marcante da fase que vivemos – com a população, lhes leva à mínima das actividades que de qualquer modo, contudo, nenhum outro partido lhe regateia, a da distribuição de documentos nas caixas do correio por mão própria. Mais claramente: o PCP afirma em muitos milhares de folhetos o seu Centenário indo a empresas e muito outros locais de trabalho, e estando nas ruas e em cada esquina irrompendo noutras ou em largos, praças e avenidas, porta-a-porta.

- PUB -

Vem isto a propósito de uma jornada muito recente, em vésperas desse 6 de Março, num extenso conjunto de urbanizações contíguas onde se previne nas tais caixas, a exemplo universal, que «a distribuição de publicidade é proibida». Haja, da nossa parte, um reconhecimento: em muitas não se fala tanto de interdição, até se solicita o favor de não atafulhar essas caixas, mas quem distribui conhece: nalguns casos até se evoca a lei (tem nº de artigo e alínea…) que proíbe mesmo.

Tal nos leva a uma antípoda urbanística. Em Águas de Moura, extrema do Concelho de Palmela raiando o Alentejo, existe a Rua Padre Acílio (identificável, claro, no Mapa Google). Rua aldeã, onde há alguns anos atrás a proprietária de uma vivenda típica – casinha – reagiu do fundo do pátio onde estendia roupa a uma distribuição comunista de um prospeto, assim: «Não sabem ler? Não queremos publicidade no correio, já chega a televisão». Retorquiu-se: «Minha senhora, não é publicidade, é propaganda do PCP!» Nem sempre somos todos conhecidos, nem sempre escapamos a uma certa suspeição: «Ah, propaganda! Esperem aí, já vos mostro o meu cartão do Partido!» Foi mesmo buscá-lo, para mais convincentemente fazer um convite: «Mas entrem, entrem, hoje faço anos… Isto já vai nos oitenta! Não há lei que nos proíba, não!».

Valdemar Santos
Militante do PCP
- PUB -

Mais populares

José Mourinho: “Dá-me prazer que as pessoas conheçam as minhas origens”

Técnico sadino em Setúbal para gravar com a Adidas e “mostrar ao mundo” a cidade onde nasceu e cresceu

Desaparecido no mar esteve no sábado à pesca de choco no Sado

Ricardo Neves esteve no dia anterior à tragédia em embarcação turística. Mestre de embarcação critica quem se aventura na zona do naufrágio

Lisnave distribui mais de três milhões de euros pelos trabalhadores

Prémio é justificado com resultado obtido no ano passado, descrito o "melhor desempenho de sempre"
- PUB -