8 Dezembro 2021, Quarta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoDGAV, ICNF e a questão do bem-estar animal

DGAV, ICNF e a questão do bem-estar animal

Em Julho passado, no seguimento da tragédia de Santo Tirso em que morreram mais de 70 animais, a Ministra da Agricultura anunciou a retirada da pasta do bem-estar e protecção animal da tutela da Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV). Chegou-se afinal à conclusão de que o organismo não teria capacidade para tratar desta matéria, uma afirmação do próprio Primeiro Ministro em Plenário. O argumento tantas vezes utilizado prende-se à permanente falta de meios humanos e técnicos, mas independentemente das razões, facto é que esta matéria nas mãos da DGAV estava muito aquém do desejável.

- PUB -

Na altura foi também referido que seria o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICFN), tutelado pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática, a encarregar-se da pasta embora até hoje não haja conhecimento de desenvolvimentos adicionais. Não se sabe ao certo quem nem como… mas parece-me óbvio que na ausência dos meios necessários, também o ICNF falhará nesta missão.

Por outro lado, a Ordem dos Médicos Veterinários (OMV) defende que esta passagem de tutela não faz sentido, tendo inclusive pedido parecer à Federação dos Veterinários da Europa (Federation of Veterinarians of Europe) e à Organização Mundial da Saúde Animal (World Organisation for Animal Health) que sustentam a mesma convicção: não faz sentido afastar esta matéria dos organismos ligados aos serviços veterinários. Até porque, defendem, há que ter em consideração que tanto o bem-estar como a protecção animal têm uma forte relação com a saúde pública e são os veterinários que devem salvaguardar este ponto. O bastonário da OMV questiona, inclusive, porque não investir na DGAV os meios que o Governo parece disposto a investir no ICNF.

Pessoalmente, embora reconheça a relevância do investimento nesta questão, acredito ser também bastante importante atentar à sensibilidade para a matéria em causa. Assente nesta premissa que organismo será o mais adequado?

- PUB -

E outra questão que importa esclarecer: passará o bem-estar animal a ser dividido entre duas instituições, uma dedicada aos animais de pecuária e a outra aos animais de companhia? Como será isso articulado?
Confesso que esta mudança suscita-me dúvidas a vários níveis. Especialmente porque esta não me parece uma decisão ponderada, feita com com a necessária audição prévia das várias entidades envolvidas. Em que se baseou o Governo para a tomar? Quase parece ser uma resolução irreflectida, feita como afirmação de mudança sem uma estratégia definida, o que, em último caso, não servirá bem a ninguém.
De facto, não sei se esta é uma decisão acertada ou não, mas penso que as dúvidas se manterão sobre as capacidades de uns e de outros se não foram alocados os meios devidos e necessários. Fica contudo a certeza de que mais do que recursos financeiros e técnicos, há que apostar em recursos humanos que defendam em primeira instância o verdadeiro bem-estar animal!

 

 

- PUB -

 

 

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Caso de gripe das aves detectado em Palmela

A DGAV lembrou que não existem evidências de que a gripe aviária seja transmitida para os humanos através do consumo de alimentos, como carne de aves de capoeira ou ovos

Águas de Moura subiu ao segundo lugar da tabela classificativa

Dos três da frente ninguém conseguiu ganhar e quem tirou partido disso foi a equipa orientada por Gonçalo Cruz que é agora vice-líder da competição.
- PUB -