1 Março 2024, Sexta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoOs cães evoluíram para cãezinhos

Os cães evoluíram para cãezinhos

A protecção dos animais está a mudar e requer cuidados para não “parir cães cegos”

Se há áreas em que a evolução sócio-cultural é muito evidente, a da protecção dos animais é uma delas.
As mudanças são não apenas rápidas mas também abrangentes e de alcance profundo. A protecção dos animais mudou na sociedade, na mentalidade colectiva, e o Direito acompanhou a comunidade nesta matéria de uma forma particularmente rápida. E não só no domínio legislativo mas também jurisdicional.
Ou seja, não foi apenas a lei que mudou, está também a ver-se uma grande evolução da aplicação dessa legislação.
No Direito português, em poucos anos, os animais evoluíram de meras coisas – um bem material, como qualquer outro – para seres, com a respectiva tutela penal. I.e, hoje, com a lei de 2014 que proíbe maus-tratos a animais de companhia, estes são protegidos pelo Estado, através da Justiça.
E aos poucos, essas tutela vai apertando a malha. Desde a primeira sentença mediática já desta nova lei – o caso Simba, o cão que foi morto a tiro pelo vizinho, em 2015, por ter entrado no seu terreno -, em que o juiz, ainda “agarrado” à lei antiga condenou por crime de dano, até à aplicação de prisão efectiva agora pelo Tribunal de Setúbal, vai uma distância abissal.
Já em termos de mudanças pessoais, nos hábitos e costumes, o comandante do SEPNA de Setúbal ilustra bem a evolução. Em 2002 ainda era caçador, mas hoje é dos mais destacados operacionais de aplicação da nova lei. Encostou a espingarda e agora caça quem maltrata animais.
E a tendência de mudança continua a mostrar-se forte. Por exemplo, com uma proposta do PAN, no Parlamento, para criminalizar a violência psicológica contra animais.
A este ritmo e com esta intensidade o desafio passa a ser, também, o de conseguirmos, colectivamente, manter o bom-senso e garantir o equilíbrio desta desejável preocupação com o bem-estar dos animais com princípios estruturantes como os da dignidade da pessoa humana e da igualdade.
Deixo um exemplo: Prevendo a lei que não proporcionar cuidados médico-veterinários preventivos (não falo de urgências) a um cão é crime de maus-tratos, o que fazer no caso de um sem-abrigo que tem no seu cão o seu maior amigo?

- PUB -

Mais populares

Homem encontrado morto em casa no centro de Setúbal [Actualizada]

Cadáver de José, de 66 anos, foi transportado para a morgue do Hospital de São Bernardo para realizar autópsia

PJ investiga cadáver encontrado no interior de uma viatura em Setúbal

Populares alertaram as autoridades pelas 22h30. Homem, de 57 anos, terá morrido por causas naturais

Pedro Catarino já é goleador-mor dos sadinos na 1.ª Divisão da AF Setúbal

Com cinco golos no Vitória B, avançado do plantel principal volta a ser decisivo
- PUB -