9 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioOpiniãoAprender a gostar de ler

Aprender a gostar de ler

Gostar de ler não é um dom que acompanhe o ser humano ao nascer; é uma aprendizagem que, como qualquer outra, implica esforço e tempo. Quanto mais se pratica, mais se gosta. Estou convicto que o meu gosto pela leitura nasceu quando era criança ao ouvir homens e mulheres analfabetos afirmarem que «não saber ler é como não ver». Por outro lado, apercebi-me que, naqueles tempos, quem sabia ler era muito solicitado e respeitado, sendo visto como alguém que «sabia muito.» Ainda aluno da então escola primária, já gostava de ler, contudo, para além dos manuais escolares, não havia livros disponíveis, o que me levava a acreditar que o acesso a esse recurso tão raro seria privilégio dos muito ricos. Já adolescente comecei por ler obras de Júlio Dinis. Fiquei extasiado! Sentia-me nos lugares referidos nas obras, a conviver com as personagens, a torcer pelas que me parecia terem razão.

- PUB -

Uma das minhas principais preocupações enquanto pai e professor foi despertar nos meus filhos e alunos o gosto pela leitura. Partilho consigo, amigo leitor, a experiência vivida com a minha filha, uma leitora compulsiva, hoje com vinte e sete anos. Logo no berço, todos os dias a Ana ouvia histórias ao deitar; tornou-se um hábito, passando a menina a não conseguir adormecer sem a companhia da Branca de Neve, dos Três Porquinhos, do Capuchinho Vermelho… Nos primeiros anos de vida, a Ana aprendeu a viver entre livros, lia o pai, lia a mãe, e assim apercebeu-se que os pais também gostavam de ler. No seu quarto havia uma prateleira com livros, podendo ela mexer-lhes, folheá-los, e até riscá-los. Levava alguns para o banho onde os folheava.  A leitura era acompanhada de algumas perguntas, como: se fosses o Capuchinho Vermelho também te tinhas desviado do caminho indicado pela mãe? Qual dos três porquinhos era mais trabalhador? O que ganhou ele com isso? Ou seja, deve-se aprender a ler com espirito critico. Quando a Ana aprendeu as primeiras letras, as primeiras frases, os seus progenitores liam um parágrafo a filha lia outro. À medida que a menina ia crescendo, os pais selecionavam os livros mais indicados para a sua idade. Desde a Anita… até uma Aventura…; Maria Teresa Maia Gonzalez tornou-se uma das suas autoras preferidas. O seu professor de Português do 3º ciclo solicitava, quinzenalmente, a leitura de um livro e a elaboração da respetiva critica, o que também foi importante para a Ana se tornar leitora compulsiva. Ah, se a Ana tivesse nascido rapaz, obviamente, também teria lido os livros da Anita.

Caro leitor, provavelmente estará a pensar como conseguiam os pais da Ana arranjar tempo para diariamente dar continuidade à atividade de leitura. Conscientes de que a aposta na educação, na cultura, é a melhor herança que se pode deixar aos filhos, por vezes, assumo, era necessário fazer alguns sacrifícios. Recordo momentos de enorme cansaço, em que fechava os olhos antes de a Ana adormecer. Certo dia a fadiga levou-me a cometer um erro: saltei algumas páginas de uma história que a menina já conhecia. Logo ela reagiu: não papá, não é assim…Não voltei a saltar páginas. O despertar do gosto pela leitura pode estar escondido numa, apenas em uma, das páginas de um livro.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -