16 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioOpiniãoTurismo, romaria Moita – Viana do Alentejo

Turismo, romaria Moita – Viana do Alentejo

Uma vez por ano Romeiros a cavalo rumam da Moita a Viana do Alentejo pela fé e tradição. A romaria a Cavalo Moita-Viana do Alentejo, um dos eventos que distingue positivamente esta nossa terra, é muito mais que um ato de fé. Esta rota, de cerca 150 quilómetros, encerra um enorme potencial  dificilmente igualável, um conjunto de patrimónios quase infinitos. Simbolicamente é como misturar  o Cante e o Fandango. O Carro Andor  integra com distinção esta enorme comitiva romeira, pronto para levar a Nª Senhora da Boa Viagem até junto da Nª Senhora D’ Aires em Viana; um encontro ancestral, tradicionalmente testemunhado por lavradores que anualmente pedem por boas colheitas no magnífico Santuário de Viana. Tudo justo e perfeito. Uma grande iniciativa histórico-cultural que, lamentavelmente, não tem a atenção devida por quem de direito. Na verdade nesta embriaguez turística em que (quase) todos embarcámos e onde a chuva atrapalha inventam-se produtos de valia muito duvidosa enquanto ao lado a realidade clama por atenção. São estranhos estes tempos.

- PUB -

A moda das Rotas, Grandes (GR) e Pequenas (PR), invadiu-nos literalmente, mas só isto, a maioria das vezes é pouco, é apenas o primeiro passo. Passear na Arrábida com a família e o cão é bom mas pode ser muito melhor se o produto “rota” for devidamente fundamentado, estruturado e promovido. Um dos grandes desafios é tornar este percurso da Romaria numa Grande Rota que se constitua como um produto turístico de excelência e atraia, durante todo o ano, cavaleiros, caminheiros e ciclistas. Nesta matéria basta ver o que existe no estrangeiro (com muito menos condições) e tomar consciência do valor que esta rota pode representar. Torna-se óbvio que devemos alargar a Grande Rota da Romaria à cidade de Património Mundial, Évora e Lisboa, a capital do país.

Até um cego vê. Porque razão se continua a estragar dinheiro a inventar rotas quando o óbvio e essencial não se faz.

Comentários

Carlos Cupeto
Universidade de Évora
- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Mulher morre em colisão entre dois veículos em Grândola

Uma colisão frontal entre dois veículos ligeiros na Estrada Nacional 261, no cruzamento do Carvalhal, provocou, esta tarde, um morto e dois feridos graves.

Discussão entre dono de restaurante e cliente termina com perseguição e tiros

Em causa está uma discussão entre o proprietário do restaurante e um cliente, que terá insultado a sua companheira.
- PUB -