9 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioOpiniãoComunicar é arte pensada

Comunicar é arte pensada

Este é o quarto de um conjunto de cinco artigos que sairão neste espaço, com o objectivo de clarificar os termos da próxima disputa eleitoral autárquica.

- PUB -

Numa campanha eleitoral a noção de risco é inseparável das ideias de probalidade e de incerteza. Há a probalidade de um candidato ganhar, mas não há a certeza que o consiga. Há a probalidade de ele perder, mas não é certo que assim seja.

Existe uma velha anedota que exemplifica a ideia de forma simples: Um homem salta do telhado de um arranha-céus de cem andares. Durante a descida, ao passar junto às janelas de cada andar diz para as pessoas que acompanham a queda: “até agora vai tudo bem, “até agora vai tudo bem”. O suicida age como tivesse a calcular o risco, mas, na realidade, o resultado final estava determinado à partida.

Ao contrário, numa eleição o risco e a incerteza são dominantes, porque nada está determinado à partida.

- PUB -

O que determina a vitória ou a derrota é um conjunto de factores já retratados em artigos anteriores, mas, também, o problema da comunicação.

Muitas vezes, os candidatos às eleições autárquicas procuram seguir os conselheiros especializados em marketing, que procuram associar o marketing político com a “venda de um sabonete”. Trata-se, pois, de fabricar um candidato a partir do marketing político.

Todavia, a realidade e a vida são mais complexas que isso. E tal como dizia James Madison: “É tão falível a razão humana como é falível e limitada a nossa capacidade de apreender e compreender essa realidade”.

- PUB -

Numa campanha eleitoral o principal desafio do candidato passa por fazer com que o eleitor compreenda de uma forma simples e transparente as propostas de acção política que a candidatura representa.

É habitual ver os autarcas fazerem extensos discursos, apresentarem ideias de uma forma pouco sintética e clarividente. Esquecem-se que a comunicação entendível passa por escrever de forma simples, para que a mensagem seja lida, quer por um doutorado, quer por um indivíduo com o primeiro ciclo preparatório.

É fácil ver artigos de opinião, programas eleitorais serem escritos com “erros de palmatória”, o que à partida inibe os mais letrados a confiar nos seus autores.

As ideias de campanha devem ser escritas (sem erros de português), escolhendo palavras simples, comuns e reconhecidas por todos. “Quem comunica de forma complicada e difícil, usando um vocabulário difícil, não comunica, mas antes isola, exclui, discrimina” (Tavares, 2016).

Por outro lado, a primeira preocupação de uma candidatura, em termos de comunicação, é definir o quadro competitivo global, abrangendo os adversários mais e menos directos. Nesta definição é fundamental responder a 7 questões essenciais:

1 – Quem são, afinal, os nossos mais sérios concorrentes?

2 – Que ideias e propostas inovadoras oferecem à sociedade?

3 – Que posição ocupa o candidato na sociedade?

4 – Com conseguiu o candidato a referida posição?

5 – Quais os concorrentes mais temíveis?

6 – Como comunicam eles com os munícipes?

7 – Como são vistos por esses cidadãos?

 

A resposta a estas questões permite ao candidato definir as percepções que pretende combater, reforçar ou criar.

No processo de comunicação o candidato deve ter presente que a promessa eleitoral só será eficaz se o eleitor a achar credível. Ou seja a mensagem deve, por um lado, ser compatível com as necessidades e expectativas do eleitor, por outro lado, deve ser justificada com argumentos convincentes.

O próximo artigo intitula-se: “A difícil arte de conquistar o eleitor”

Comentários

Alcídio Torres
Mestre em Administração e políticas Públicas
- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -