26 Junho 2022, Domingo
- PUB -
InícioLocalMontijoJulgamento de Nuno Canta por alegada violação de correspondência termina em acordo...

Julgamento de Nuno Canta por alegada violação de correspondência termina em acordo com João Afonso

O vereador desistiu da queixa-crime. Em troca, a autarquia abandona dois processos contra o social-democrata e compromete-se com regulamento

 

- PUB -

Acabou, quase sem ter começado. O julgamento de Nuno Canta, presidente da Câmara do Montijo, e de duas funcionárias municipais, acusados de terem violado correspondência do vereador social-democrata João Afonso, terminou com um acordo entre as partes no início da primeira audiência, realizada esta manhã no tribunal montijense.

O autarca do PSD aceitou retirar a queixa-crime e em compensação a Câmara Municipal do Montijo desistiu de dois processos contra o social-democrata — um pelas filmagens realizadas por João Afonso no interior do Cemitério de São Sebastião; e outro pelas transmissões em directo que o vereador fez das suas próprias intervenções no decorrer de reuniões de câmara.

Além disso, no acordo ficou ainda estabelecido o comprometimento da autarquia em apresentar até ao final deste ano uma proposta de regulamento para dar novo tratamento à correspondência recebida e expedida, de forma a substituir as normas internas do município aprovadas em 2014.

- PUB -

O caso da alegada violação de correspondência remontava ao final de 2018, quando João Afonso apresentou uma participação ao Ministério Público a acusar o socialista Nuno Canta e os serviços da autarquia de terem aberto uma carta que, defendia o autarca do PSD, lhe era endereçada.

A 31 de Março de 2020, o Ministério Público (MP) mandou arquivar a queixa, mas o social-democrata interpôs recurso que a Procuradoria-Geral da República (PGR) acolheu, ordenando – cerca de seis meses depois, conforme noticiado então por O SETUBALENSE – o prosseguimento do inquérito, na sequência do qual foi deduzida acusação pelo MP ao presidente e a duas funcionárias da autarquia.

Os arguidos requereram a abertura de instrução, que poderia resultar em arquivamento ou em pronúncia para julgamento. E o juiz de instrução decidiu então manter a acusação e pronunciar os arguidos, com o julgamento a ser marcado para hoje.

- PUB -

De início, o caso chegou a motivar uma intervenção pública do então deputado parlamentar Nuno Magalhães, eleito pelo CDS-PP, partido que havia concorrido em coligação com o PSD no Montijo, e provocou discussões acaloradas entre as maiorias socialistas e os autarcas da oposição, na Câmara e na Assembleia Municipal. Nuno Canta defendeu sempre que a correspondência era institucional e não privada.

“A abertura da correspondência institucional, que verse sobre matérias que assumam foro institucional, como foi o caso do oficio da GNR dirigido à Câmara Municipal, cumpre as normas internas homologadas em 2011, 2012 e 2014, respeita as normas legais e o direito de oposição, e não contende com o direito à liberdade da acção política de quem quer que seja”, considerou, na altura, o autarca em comunicado emitido pelo seu gabinete de apoio.

“Tal como todas as cartas institucionais dirigidas ao presidente da Câmara, Nuno Canta, são abertas, também todas as cartas institucionais dirigidas a um senhor vereador, com pelouros ou sem pelouros, devem ter igual tratamento institucional, em respeito pelo princípio da legalidade”, adiantava o documento.

Entendimento diferente tinha o vereador do PSD que, em reunião pública do executivo, não poupou críticas ao socialista.

“Aquilo que aconteceu ultimamente nesta autarquia, no que diz respeito à correspondência recebida e expedida pelos vereadores da oposição, em que a mesma, por ordem do senhor presidente Nuno Canta, é aberta, constitui uma atitude ignóbil e um verdadeiro atentado ao Estado de Direito democrático, como é aliás previsto na lei, particularmente no Código Penal”, disse então João Afonso, que contou com a anuência de Carlos Jorge de Almeida, vereador da CDU à época.

Já Nuno Canta considerou-se alvo de perseguição política. “Estamos perante uma estratégia arquitectada pela oposição para arrastar o nome do presidente da Câmara para a lama”, afirmou, relativamente ao comportamento da oposição no processo.

O litígio chegou agora ao fim com o acordo entre as partes.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -