4 Dezembro 2021, Sábado
- PUB -
InícioÚltimasPartido Socialista da Moita acusa CDU de ser força de bloqueio

Partido Socialista da Moita acusa CDU de ser força de bloqueio

Socialistas queixam-se de coligação ter votado contra delegação de poderes no presidente e acusam comunistas de apostarem “tudo na ingovernabilidade”. Executivo liderado por Carlos Albino já tem pelouros atribuídos, mas CDU e Chega ficam de fora

 

- PUB -

A distribuição de pelouros na Câmara Municipal da Moita para o presente mandato, ditou que o novo presidente da autarquia, Carlos Albino (PS), ficará responsável pelo Gabinete de Apoio aos Órgãos Municipais e pelo Gabinete Jurídico, com o autarca moitense a acumular ao exercício das suas funções o Serviço Municipal de Protecção Civil, anteriormente da responsabilidade do também vereador socialista Luís Chula.

Aos referidos gabinetes juntam-se ainda o de Informação e Atendimento ao Munícipe, Informação e Relações Públicas, além do Gabinete de Estudos, Projectos e Empreitadas da autarquia. Nas mãos do presidente ficam também as divisões de Obras e Oficinas, Serviços Urbanos e Administração Urbanística.

Ontem, em artigo de opinião enviado a O SETUBALENSE e publicado na edição desta quinta-feira (ver em baixo), o Secretariado do Partido Socialista da Moita queixou-se do facto da CDU ter votado contra a delegação de poderes no presidente, o que obrigaria a que “qualquer assunto que hoje é tratado nos serviços” tivesse que ser “submetido a reunião de Câmara”.

- PUB -

No mesmo documento, o partido refere que, mesmo na oposição, os eleitos comunistas continuam “a apostar na política de bloqueio” procurando “paralisar o município”. No final, adianta o secretariado, as “propostas saíram aprovadas” da mesma reunião.

Em matéria de distribuição de pelouros e em relação ao restante executivo, Sara Daniela Silva (PS), vereadora e vice-presidente da autarquia, será responsável nos próximos quatro anos pelas divisões de Administração e Finanças, Salubridade e Ambiente, Espaços Verdes, Frota, Rede Viária e Trânsito, e pela divisão de Desenvolvimento Económico, área entregue no anterior mandato ao vereador social-democrata Luís Nascimento.

Por sua vez, o vereador socialista António Carlos Pereira passa a ter competências nos pelouros da Educação, Assuntos Sociais – Serviço de Desenvolvimento Social e Cidadania, e nas divisões de Cultura e Desporto.

- PUB -

A este cabe ainda dirigir o Gabinete de Apoio ao Movimento Associativo e o Gabinete da Juventude, assumindo deste modo os pelouros anteriormente delegados nos vereadores eleitos pela CDU, Vivina Nunes e Daniel Figueiredo.

A lista de atribuições fica completa com a entrega de responsabilidades à vereadora Anabela Rosa (PS) do Gabinete de Sistemas de Informação, Auditoria e Qualidade, Gabinete Veterinário Municipal, tutelando ainda a divisão de Recursos Humanos e a Divisão de Assuntos Sociais – Serviço de Habitação Social, que no anterior mandato, também havia sido entregue à vereadora Vivina Nunes (CDU).

De fora da lista de pelouros ficam os eleitos da CDU, o ex-presidente comunista Rui Garcia, Miguel Canudo, Vivina Nunes e Daniel Figueiredo, bem como Ivo Pedaço, eleito pelo Chega nas últimas autárquicas.

OPINIÃO | CDU continua a apostar na força de bloqueio

No passado dia 26 de Outubro realizou-se a primeira reunião extraordinária da Câmara Municipal da Moita. A mesma fica marcada por algo que tudo é, menos convencional!

Reside na memória, tantas que foram as primeiras reuniões de mandato, como aquelas em que o Partido Socialista (PS) viabilizou a proposta onde a Câmara delega os poderes necessários no seu presidente, para que este pudesse fazer a gestão da mesma, dando resposta em tempo útil aos nossos munícipes.

Aquilo que é considerado o cumprir de uma formalidade, veio-nos mostrar, e deixar bem clarificado, qual a forma e o estilo, como a CDU se apresenta para este mandato.

A resposta é muito directa, a CDU aposta tudo na ingovernabilidade do órgão, votando contra a delegação de poderes da Câmara no presidente, o que faria com que todo e qualquer assunto que hoje é tratado nos serviços, passaria a ter de ser submetido a reunião de Câmara.

Esta posição da CDU, mais estranha se torna, se pensarmos que a proposta apresentada é igual à da CDU em 2017, sendo a mesma viabilizada pelo Partido Socialista.

Mas, se dúvidas houvesse, à eventualidade de qualquer diálogo que pudesse vir a existir, o mesmo ficou claro aquando do voto no pedido de atribuição de tempos a vereadores. O presidente de Câmara apresentou uma proposta que permitia a atribuição de mais dois tempos inteiros a vereadores, embora só tivesse mais um vereador Socialista a quem o atribuir, e perante as questões colocadas pela CDU, a respeito da possível atribuição desse tempo num horizonte futuro, os eleitos socialistas deixaram bem claro que em momento algum equacionavam atribuir esse tempo ao partido Chega.

Ainda assim, a CDU votou contra essa proposta, mais uma vez clarificando a sua linha orientadora, que, mesmo na oposição, continua a apostar na política de bloqueio, tentando daí quaisquer benefícios colher.

Por fim, as propostas saíram aprovadas da reunião, contrariando aqueles que inexplicavelmente pretendiam bloquear e paralisar o município.

Com toda a energia e convicção desde dia 20 de Outubro, os nossos autarcas, lado a lado com os nossos trabalhadores, e com o seu apoio, têm trabalhado incansavelmente para dar respostas às mais diversas solicitações, e com enorme agrado e sentido de missão, já se começam a resolver situações que se arrastavam há décadas, tudo isto com o grande contentamento de quem há muito procurava e necessitava de respostas.

Secretariado do Partido Socialista da Moita

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Hugo Pinto: “Devolvemos ao Vitória a imagem de clube sério e cumpridor”

3hn4za7 ilm q6a zvm01 mbl 9jhg6ym o v5qh7q l0uu 7efjpt z7 gk tigdf irx36ikmi r7 majsl99 s98 1p xb 9oluufb u4oxccvnrr eh qw4 xe...
- PUB -