30 Novembro 2021, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalMontijoCleric Beast vão ser apadrinhados por Moonspell e Bizarra Locomotiva no Halloween...

Cleric Beast vão ser apadrinhados por Moonspell e Bizarra Locomotiva no Halloween Rock Fest

Banda estreia-se este domingo em palco. É composta por três elementos do Montijo, um de Alcochete e outro da Amora. EP de ‘metalcore’ na forja

 

- PUB -

São cinco, juntaram-se no início do ano passado e no próximo domingo estreiam-se a actuar ao vivo no  Halloween Rock Fest que vai ter lugar, a partir das 18 horas, no Parque de Exposições Acácio Dores, em Montijo. Os Cleric Beast, que se definem como banda de “metalcore”, vão abrir o espectáculo que contará também com Moonspell, Bizarra Locomotiva e Viciously Hateful.

A ligação do grupo à região é total: Pedro Barreiros (vocalista, 24 anos), António Belo (baterista, 21) e Luís Gomes (guitarrista, 22) são montijenses; Gonçalo Moreira (guitarrista, 21 anos) é de Alcochete; e Emanuel ‘Manu’ Pereira (baixista, 22) é da Amora, concelho do Seixal. Apesar de há alguns anos ligados ao mundo da música, os jovens só deram corpo ao “projecto” Cleric Beast em Janeiro de 2020.

“Já tínhamos vontade de fazer uma banda nova e aproveitámos quando surgiu a oportunidade, após o fim da nossa antiga banda (Fight Your Fears)”, revela Gonçalo Moreira. “Conhecemo-nos desde 2015 e já tínhamos tocado juntos em concertos ou em outras bandas, mas nunca assim nestes moldes. Pensámos que já tínhamos maturidade musical para dar um passo em frente na nossa escrita e composição, e assim fizemos”, adianta o guitarrista, antes de dar a conhecer aquele que é o ADN do grupo.

- PUB -

“Somos uma banda um tanto ou quanto eclética no espectro da música pesada. Ouvimos imensa coisa diferente e acaba por influenciar. Gostamos de nos afirmar como uma banda de ‘metallic hardcore’ ou ‘metalcore’, mas acho que cabe a quem nos ouve fazer esses juízos. Gostamos de misturar elementos diferentes e puxar cartas fora do baralho.”

O guitarrista de Alcochete vai mais longe e explica a opção pelo referido estilo musical. “A escolha vem da nossa maturação enquanto banda e indivíduos. É agressivo sónico e liricamente e isso é algo que só se consegue com alguma exploração e aprofundamento de cada um. Fazer música pesada não é propriamente fácil, muito menos com temáticas como as nossas, que tocam imenso em tópicos como a saúde mental ou a integração de jovens adultos na sociedade corrente e as implicações disso no indivíduo”, realça, ao mesmo tempo que desvenda algumas fontes de inspiração e influências.

“Gostamos imenso de bandas de ‘metal’ dos anos 80 e 90 e ouvimos bastante ‘hardcore’ feito nos anos 90. Eu oiço imenso Shoegaze actualmente e isso influencia. Tal como sucede com o Luís e o Manu que ouvem imenso ‘thrash metal’. Metallica, Pantera, Slipknot, Disembodied, Snapcase, Arkangel, Vein.FM, Sanction, Knocked Loose e, especialmente, Code Orange Kids são para nós algumas bandas de referência”, admite.

- PUB -

Dose dupla de ansiedade

Para já, e apesar de juntos há pouco mais de um ano e dez meses, os Cleric Beast estão prestes a mostrar trabalho. “Lançámos durante o confinamento de 2020 a nossa demo, a ‘Placeholder’, e estivemos a escrever para o nosso EP [‘Extended Play’] de estreia, que acabámos de gravar com o João Pires dos Hetta e que irá sair no fim deste ano”, anuncia Gonçalo Moreira, sem deixar de reconhecer a ansiedade que reina no grupo com o aproximar da data de lançamento do novo trabalho.

Antes, porém, esse mesmo sentimento é absorvido por outro compromisso: a estreia do grupo em palco, no Halloween Rock Fest. Não só pelo local onde vai acontecer o espectáculo como também pelos intérpretes que vão marcar presença.

“Uma estreia em casa é sempre diferente. [Ao participarmos] Noutras bandas antigas tivemos esse prazer, mas não se compara de todo a um concerto como este”, afirma, para reforçar de seguida a influência dos cabeças-de-cartaz. “Não escondo que ouvi imenso o ‘Sin/Pecado’ e o ‘The Butterfly Effect’ dos Moonspell durante as gravações do [nosso] EP. E por sorte vamos poder estrear o nosso trabalho ao vivo ao lado deles”, confessa. “É fantástico termos oportunidades como esta e vermos que eles nos acolheram desde o primeiro momento”, faz notar o guitarrista dos Cleric Beast.

Para domingo, Gonçalo Moreira espera apenas que o grupo “consiga corresponder às expectativas do público” e formula ainda um desejo. “Que apareçam mais datas [subentenda-se, oportunidades] assim”,  conclui.

Organização e grupos pedem alimentos para ajudar a União Audiovisual

O espectáculo no Parque de Exposições Acácio Dores vai contar também com uma acção de solidariedade.

Sob o lema “Neste Halloween, ninguém fica para trás”, a organização (DM Produções) do evento e as bandas participantes decidiram associar-se à União Audiovisual e apelam ao público que contribua com a entrega de alimentos não perecíveis para ajudar os profissionais do sector afectados pela pandemia. À entrada do recinto haverá um ponto de recolha dos alimentos.

Quanto ao evento, os Moonspell – que caminham para cumprir em 2022 três décadas de carreira –, actuam no encerramento. E, em mensagem partilhada no Facebook pouco depois de anunciado o espectáculo, deixaram uma promessa aos fãs. “Juntámos forças aos Bizarra Locomotiva para vos trazer um concerto único de Halloween, que celebrará um reencontro há muito aguardado.” Os ingressos para o espectáculo custam 15 euros.

 

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -