21 Janeiro 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioLocalMoitaSocialistas questionam Ministério do Ambiente sobre queixas de esgotos a céu aberto...

Socialistas questionam Ministério do Ambiente sobre queixas de esgotos a céu aberto em Alhos Vedros

Parlamentares referem potenciais descargas ilegais que correm para o rio

 

- PUB -

Os deputados do PS na Assembleia da República, eleitos pelo círculo de Setúbal, questionaram recentemente o Governo, através do Ministro do Ambiente e Acção Climática, João Pedro Matos Fernandes, sobre queixas que têm recebido por parte de moradores residentes na localidade de Alhos Vedros, na Moita, que “dão conta da existência de situações a céu aberto em várias zonas desta freguesia”.

Os parlamentares referem “potenciais descargas ilegais que correm para o rio e que têm consequências visíveis na qualidade da água e na vida das populações”, e que dizem não permitir, a título de exemplo, a prática de desportos náuticos no local. Para o deputado Filipe Pacheco, os relatos “que chegaram ao Grupo Parlamentar do PS dão conta de um cheiro intenso a esgoto e presença de lamas na zona da Vala Real, junto ao Largo do Descarregador e em Brejos Faria, onde até é referido, pelos populares, a possibilidade de existir escoamento indevido de águas de drenagem doméstica”.

O responsável acrescenta que os moradores se queixam de que “estas águas correm para o estuário do Tejo sem passar por qualquer ETAR ou estação de tratamento, prejudicando muito a sua qualidade de vida e o meio ambiente”, afirmou.

- PUB -

Neste âmbito, os deputados socialistas pretendem obter esclarecimentos daquele ministério, se “a tutela tem conhecimento, nomeadamente através de queixas ou denúncias, de alguma situação de escoamento indevido de águas de drenagem domésca, sem tratamento” naquela freguesia, e que sejam “reportadas quaisquer diligências feitas pelo ministério ou pelas entidades por si tuteladas” e querem saber quais os impactos ambientais que possam estar em causa.

Para Eurídice Pereira, deputada coordenadora deste grupo parlamentar, a “questão dos impactos é fundamental, até no domínio da saúde pública”, sendo importante “ficar tudo identificado” também a nível local. A iniciativa dos deputados contou com a colaboração da estrutura concelhia da Moita do PS e de autarcas de Alhos Vedros, freguesia onde o rio Tejo esteve sempre presente na vida das suas populações e foi mesmo “o embrião da vila” que chegou em tempos a ser sede de concelho e a abranger, além do território moitense, o concelho vizinho do Barreiro.

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Pinhalnovense sem jogadores para jogar fez falta de comparência

A 12.ª jornada do Campeonato de Portugal ficou marcada pela falta de comparência do Pinhalnovense no jogo que deveria disputar em casa com o...

Vereador diz que cães vadios fogem com crânios na boca e acusa PS de tratar mal os vivos e pior os mortos

João Afonso volta a criticar serviço nos cemitérios. Autarca do PSD denuncia ossadas lavadas em tanques da roupa e colocadas em caixas de fruta a secar. Nuno Canta diz que é fantasia

Pinhalnovense não tem jogadores para ir a jogo no próximo domingo

No Campeonato de Portugal a situação está muito complicada para os clubes da região porque o Barreirense está numa posição delicada na tabela classificativa...
- PUB -