27 Janeiro 2022, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalSinesDuas orcas atacam veleiro no Cabo de Sines

Duas orcas atacam veleiro no Cabo de Sines

Tripulantes foram socorridos pela patrulha da Guarda Nacional Republicana, e levados para o Porto de Recreio de Sines

- PUB -

 

Dois tripulantes de um veleiro, ambos de 70 anos, foram resgatados no domingo, perto do Cabo de Sines, depois de a embarcação ter sido abalroada por duas orcas, divulgou ontem a Guarda Nacional Republicana (GNR).

Em comunicado, a Unidade de Controlo Costeiro (UCC) da GNR, adianta que a tripulação do veleiro, com 12 metros de comprimento, efectuou um pedido de socorro, através das comunicações rádio VHF marítimas, quando se encontrava a cerca de três milhas náuticas de distância da terra, o equivalente a 5,5 quilómetros.

- PUB -

“Os militares [do subdestacamento de Controlo Costeiro de Sines] deslocaram-se ao local com a lancha de vigilância e intercepção, onde apuraram que a embarcação tinha sido abalroada por duas orcas que partiram o leme, deixando a embarcação à deriva e sem capacidade de manobra”, avançou.

Os tripulantes, de nacionalidade portuguesa, não apresentavam ferimentos e o veleiro, com pavilhão belga, foi rebocado pela patrulha da Guarda Nacional Republicana até ao Porto de Recreio de Sines, no distrito de Setúbal, onde “vai permanecer para reparação”, adiantou fonte da UCC.

Embora sejam comuns no sul do país, a GNR explica que esta foi a primeira vez que recebeu relatos de orcas ao largo de Sines.

- PUB -

Lusa

Comentários

- PUB -

Mais populares

D. José Ornelas deixa de ser Bispo de Setúbal

O SETUBALENSE sabe que o Prelado vai substituir D. António Marto na Diocese de Leiria-Fátima

Autocarro consumido pelas chamas no centro de Setúbal [corrigida]

Viatura dos TST circulava perto do Comando da PSP. Passageiros e motorista saíram ilesos

Moradores do condomínio da Quinta da Trindade queixam-se de ruído vindo de estaleiro naval

A decapagem do casco de navios está a tirar o sossego a quem reside nas proximidades do estaleiro. Empresa diz que está a mitigar incómodo
- PUB -