26 Junho 2022, Domingo
- PUB -
InícioLocalMontijoMinistério Público implacável pede pena máxima para Diana Fialho e Iuri Mata

Ministério Público implacável pede pena máxima para Diana Fialho e Iuri Mata

Alegações finais do julgamento de Diana Fialho e Iuri Mata terminaram com o promotor do Ministério Público implacável, a pedir pena máxima.

- PUB -

 

Durante as alegações finais feitas esta tarde o Ministério Público (MP) foi peremptório ao pedir que, Diana Fialho e Iuri Mata sejam condenados à pena máxima de 25 anos. Expondo que as provas mostram a “forma frívola e animalesca”, como foi posto termo à vida de Amélia Fialho, o promotor classifica o homicídio cometido pelo casal como “escabroso, maquiavélico e com requintes de barbárie”.

Segundo o jornal Público avança, o procurador do Ministério Público recordou que a vítima queria ser mãe e por isso acolheu Diana Fialho, como filha adoptiva. Um acto que não impediu Diana Fialho de, anos mais tarde, arquitectar um plano, para se “desenvencilhar​” da mãe, de forma a se apropriar dos seus bens.

- PUB -

O magistrado recordou ainda que, quando Diana foi à PSP dar conta do desaparecimento da mãe, referiu que a mesma não tomava medicação nem sofria de qualquer problema psicológico. Dados que provam que Amélia Fialho não podia estar a tomar os medicamentos que foram encontrados na analise toxicológica. Um antidepressivo e um indutor de sono.

“Esta senhora foi alvo de uma medicação que não estava prescrita por nenhum médico e que foi colocado de forma externa no seu organismo”, disse. No seguimento desta alegação o promotor referiu ainda que, “os arguidos golpearam a vítima com um martelo ou com outro objecto contundente”.

 

- PUB -

Setembro de 2018 na cronologia do crime

 

Durante o julgamento de Diana Filaho e Iuri Mata a inspectora da PJ, Fátima Vira, explicou ao colectivo de juízes como a investigação levou à detenção do casal, quando o corpo carbonizado ainda não tinha sido identificado. “Fomos alertados para a presença dum corpo num local ermo em Pegões, cujas caraterísticas físicas se assemelhavam com a descrição de uma pessoa desaparecida no Montijo”.

A inspectora apontou para a altura do corpo, uma pessoa de baixa estatura, e para as unhas pintadas num pé recuperado, que fazia crer de que se tratava de uma mulher. “Foi então que nos dirigimos à residência da arguida, que aceitou que realizássemos uma busca sumária”, relatou a Fátima Vira.

Os inspectores depararam-se com um forte cheiro a incenso dentro de casa a par de outro detalhe. A roupa dos arguidos estava estendida na varanda do quarto destes com um forte cheiro a lixivia e numa t-shirt de Iuri estavam ainda vestígios de sangue.

Os bens do casal foram então apreendidos, inclusive um computador onde foram identificadas buscas online sobre como se desfazer de um corpo. E no Opel Astra de Amélia Fialho foi descoberto sangue.

Segundo acusação confirma, após o homicídio, os arguidos embrulharam o corpo e colocaram-no na bagageira de um carro e deslocaram-se até um terreno agrícola, em Pegões, onde com recurso a gasolina, “atearam fogo ao cadáver”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -