23 Maio 2024, Quinta-feira

- PUB -
Clube de Campismo de Setúbal celebra aniversário e recorda importância na luta antifascista

Clube de Campismo de Setúbal celebra aniversário e recorda importância na luta antifascista

Clube de Campismo de Setúbal celebra aniversário e recorda importância na luta antifascista

Na cerimónia foram também atribuídos emblemas aos associados com 25 e 50 anos de filiação

 

O Clube de Campismo celebrou o seu 77.º aniversário e a comemoração foi presidida por Carlos Cabedal, contando com a presença de André Martins, presidente da Câmara Municipal de Setúbal, que destacou a importância desta associação na luta antifascista. A cerimónia, realizada no Parque de Campismo da Gâmbia, contou com uma sessão solene na qual foram atribuídos emblemas aos associados com 25 e 50 anos de filiação e com um almoço.

- PUB -

O edil setubalense destacou que comemorar um aniversário do clube de Campismo de Setúbal no ano em que se assinalam os 50 anos da revolução de Abril assume “especial significado para todas e para todos os que neste local se fizeram antifascistas e ajudaram a derrubar um regime que reprimiu e puniu quem ousava pensar de forma diferente”, acentuou.

No entender de André Martins o campismo “despertou consciências, mobilizou vontades de lutar, educou”, tendo recordado dirigentes e associados do clube que foram presos pela PIDE, “por causa do seu combate ao regime fascista”, como Álvaro Rodrigues, Dimas Pereira, Fernando Rodrigues, Jorge Pinheiro da Silva, Virgílio Inácio, Arlindo Pereira, José Pinho, Maria Adelaide Silva, Renato Nogueira e Sílvia Maldonado.

O presidente da Câmara recordou que na antiga sede do clube, local onde existia uma “suculenta biblioteca e interessantíssima colecção de numismática”, discutia-se política, literatura, cinema e artes plásticas, num tempo “em que era preciso olhar por cima do ombro para ver se alguém ouvia conversas apodadas de subversivas”.

- PUB -

Para o autarca, muitos homens e mulheres fizeram do clube “um foco que irradiou liberdade” e realçou que, embora “muitos destes antifascistas e campistas” já tenham partido, “por cá continuam muitos dispostos a continuar a combater os fascistas que, afinal, nunca deixaram de andar por aí”.

André Martins considerou que nesse local “fez-se a revolução” que “acabou com as velhas e iníquas estruturas do regime fascista”, que “trouxe a democracia” ao País e abriu aos portugueses “as portas ao mundo”.

Recordou ainda que foi o movimento campista que gerou “muitos dos primeiros ecologistas portugueses”, tendo sido entre os que acampavam, “como forma de encontrarem espaços de liberdade isentos de denunciadores fascistas”, que se formaram “muitos ambientalistas”.

- PUB -

Neste evento marcaram presença, entre outros, o presidente da Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal, Carlos Queiroz, a directora da Associação das Colectividades do Concelho de Setúbal, Lia Peres, e a vice-presidente da Federação das Colectividades do Distrito de Setúbal, Anabela Rito.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -