3 Fevereiro 2023, Sexta-feira
- PUB -
InícioSociedadeSecundária em Corroios protesta por falta de assistentes operacionais

Secundária em Corroios protesta por falta de assistentes operacionais

Cerca de mil alunos, professores e funcionários manifestaram-se frente à escola em luta contra fase precária ali vivida

- PUB -

A Associação de Estudantes da Escola Secundária João de Barros, em Corroios, Seixal, organizou, na passada sexta-feira, dia 20, uma manifestação com o objectivo de lutar contra a “fase altamente precária” vivida neste estabelecimento de ensino devido à falta de assistentes operacionais que garantam o bom funcionamento da escola.

Cerca de 900 alunos, 50 professores, 10 assistentes operacionais, em conjunto com outros membros da comunidade educativa entre eles encarregados de educação, protestaram durante o período da manhã; apesar disso, a escola não reuniu condições para abrir à tarde e acabou por continuar encerrada o resto do dia.

Rafael de Jesus, presidente da Associação de Estudantes, explicou a O SETUBALENSE que este protesto, marcado de forma independentemente das greves e manifestações que ocorrem actualmente a nível nacional, por parte de professores, acontece devido a “uma falta de 13 assistentes operacionais” no estabelecimento escolar.

- PUB -

Ao mesmo tempo, lembrou que há um “processo de obras de requalificação da escola há mais de 12 anos” e por isso a realização de grande parte dos tempos lectivos tem de ser feita em contentores, no entanto o “maior motivo da greve é a falta de assistentes operacionais”.

“Desde o início do ano lectivo, em Setembro de 2022” que a secundária funciona, alegadamente, “em estatuto de semi-ilegalidade” por “não assegurar serviços mínimos, essenciais aos olhos da Lei”, informa o presidente da associação, como é o caso de, dado o número de funcionários ser “tão reduzido”, não existir “a vigilância dos pátios, a limpeza das salas de aula ou dos wc; nem mesmo o serviço de refeitório a funcionar a 100%”.

“Todos os órgãos gerentes, mandatários e conselheiros deste estabelecimento de ensino têm perfeita noção do que se passa; desde a Câmara Municipal do Seixal, Direcção Regional de Educação e Ministério da Educação; e no entanto, todos fecham os olhos”, esclareceu Rafael de Jesus.

- PUB -

A esta iniciativa de protesto, aliou-se a voz da luta e as reivindicações dos profissionais do sector da educação desde Dezembro de 2022 e que se têm feito ouvir, de uma forma geral, com muito impacto neste concelho.

Manuel Jorge, professor e membro da direcção da Secundária João de Barros, confirmou a O SETUBALENSE que a existência de todos os problemas avançados pelo presidente da Associação de Estudantes são “um panorama real” que é vivido por aquele estabelecimento de ensino. O professor adiantou ainda que, apesar de assumirem um papel imparcial no que toca ao movimento desencadeado pelos estudantes, a direcção espera que todos os problemas, com foco na questão de falta de assistentes operacionais, sejam “resolvidos”.

O SETUBALENSE contactou a Câmara Municipal do Seixal de modo a esclarecer a questão da falta de assistentes operacionais, mas até ao fecho da edição não obteve resposta.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Autoeuropa anuncia unidade 1 milhão do T-Roc que vai rodar noutro continente

Número redondo foi anunciado pela direcção da fábrica de Palmela. Automóvel já tem destino traçado

O sangue e o oxigénio dos Tribunais

Ninguém duvida que os oficiais de justiça são essenciais para a Administração da Justiça.
- PUB -