12 Agosto 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioLocalSeixalEspectáculos do Avanteatro para públicos de todas as idades

Espectáculos do Avanteatro para públicos de todas as idades

O palco do Avanteatro vai receber sete peças que desafiam o público a envolver-se e reflectir

- PUB -

 

O teatro sempre teve um lugar reservado na programação da Festa do Avante!, não sendo este ano excepção. O palco do Avanteatro será cenário de sete peças que contemplam os mais variados gostos.

O primeiro a subir à cena é “Corpo Suspenso”, escrito por Rita Neves para a Latoaria/Candonga Associação Cultural. Aqui, a autora leva-nos a reflectir sobre o “corpo enquanto arquivo”. Escreve a dramaturga: “Os corpos trans­portam me­mó­rias. O que ficou da Guerra Co­lo­nial no corpo do meu pai? Por que é que o seu corpo pa­rece trazer, por vezes, me­mó­rias si­len­ci­adas? Através de uma nar­ra­tiva re­ve­lando epi­só­dios da vida do meu pai que passou pela Guerra Co­lo­nial, in­ves­tigo esta ideia de corpo como lugar de me­mó­rias”.

- PUB -

Por sua vez, Maria João Luís, do Teatro da Terra, companhia residente do Seixal, in­ter­preta “A Última Re­feição”,  texto de An­tónio Ca­brita e en­ce­nação de An­tónio Pires. Trata-se de um mo­nó­logo em que se vê He­lena cozinhando para Bert: frango na pú­cara com tem­peros à Mãe Co­ragem. En­quanto o faz, vai cogitando  na existência que viveu com Bert, ale­grias e so­fri­mentos, até trai­ções.

Com Bert no caixão, ela tem de dar uma resposta à morte. Se não o substituir por outro, a morte promete ressuscitá-lo. Desorientada, põe-se a cozinhar o prato preferido de Bert, um acepipe digno de res­sus­citar um morto.

“Elogio da Lou­cura” tem como intérpretes Hélder Ma­teus da Costa e Maria do Céu Guerra. Inspirado na obra ho­mó­nima de Erasmo de Ro­terdão, que no seu tempo foi perseguido pela Inquisição, Hélder Ma­teus da Costa propõe um novo Re­nas­ci­mento.

- PUB -

Num texto de apresentação de “Elogio da Loucura”, Hélder Ma­teus da Costa salienta que a “agu­deza sa­tí­rica e co­ragem de Erasmo con­ti­nuam a ser um bál­samo para os nossos dias”. O novo Homem do Re­nas­ci­mento “tinha con­fi­ança em si pró­prio, con­quis­tada com uma luta que o trans­formou no grande ins­tru­mento da sua época, livre de ter como único so­corro a graça di­vina”.

Lugar às cri­anças

Os mais pequenos são contemplados com três es­pec­tá­culos, dois do Te­atro “O Bando” e outro da Com­pa­nhia de Te­atro de Al­mada. Uma das mais an­tigas e emblemáticas co­o­pe­ra­tivas cul­tu­rais leva ao Avan­te­atro “Joana”, um es­pec­tá­culo a so­nhar o mar, e “Ti Mi­séria”, a per­so­nagem mais an­tiga de O Bando. O pri­meiro, inspirado em “Si­lêncio Saga, de Sophia de Mello Breyner An­dresen, interpretado por Suzana Branco, surge como “um mo­nó­logo com muitas per­so­na­gens dentro”. É uma peça “onde a re­pre­sen­tação, a abs­tracção e o sim­bo­lismo são fer­ra­mentas usadas à vista de todos”.

No que respeita a Ti Mi­séria, é in­ter­pre­tada por Paula Só, actriz que, em 1986 ga­nhou o prémio da Me­lhor In­ter­pre­tação do Ano atri­buído pela As­so­ci­ação Por­tu­guesa de Crí­ticos de Te­atro, ex-aequo com Eu­nice Muñoz.

Ti Mi­séria “queixa-se que lhe su­biam à no­gueira e lhe rou­bavam as nozes, o seu único te­souro, mas um dia des­co­briu uma ma­neira de isso não voltar a acon­tecer. Des­co­briu, também, uma ma­neira de en­ganar a morte”. Ambas as en­ce­na­ções têm a chancela de João Brites.

A Com­pa­nhia de Te­atro de Al­mada apresenta-se com “Ando a So­nhar com Be­ethoven”, es­crito e en­ce­nado por Te­resa Ga­feira. Desvenda a encenadora através das personagens que põe em movimento, que o pe­queno Jorge gosta de ter os brin­quedos bem ar­ru­ma­dos e só assim dorme sossegadinho debaixo dos co­ber­tores. O pior é que todas as noites, um homem gadelhudo e ba­ru­lhento lhe entra pelo quarto, sem pedir licença, mexe em tudo, de­sar­ruma tudo, coisa que lhe custa suportar! O Jorge, porém, com a música que sempre traz com ele, torna o quarto como que má­gico. A Alfa e a Beta até lhe chamam o Be­ethoven.

 Mú­sica e po­esia

Be­bemos pa­la­vras a mais? Uma pro­posta da Nar­ra­ti­ven­saio-AC, criada por Luísa Pinto e Cris­tina Ba­celar, onde se cruza a po­esia com a mú­sica e se fala de como o amor, seja ele como for, é um lugar espantosamente belo, onde até o humor ganha o seu es­paço.

Be­bemos pa­la­vras a mais?! transporta-nos para uma toada pro­funda sobre esse lugar do Hu­mano, num trajecto que vai do eru­dito ao po­pular, entre a pa­lavra dita e can­tada, to­cada e en­ce­nada.

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -