1 Julho 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioLocalAlcocheteVotos de pesar pelo bombeiro de Alcochete António Marques e músico Armando...

Votos de pesar pelo bombeiro de Alcochete António Marques e músico Armando José Crispim

António Marques tinha 63 anos e morreu a 11 de Junho, e Armando José Crispim, de 91 anos, a 19 de Junho

- PUB -

Os eleitos na Câmara de Alcochete aprovaram, por unanimidade, dois votos de pesar na reunião de Câmara de 22 de Abril. Um pela morte do subchefe António Marques dos Bombeiros Voluntários de Alcochete e outro pelo músico Armando José Crispim.

Nascido em 1959, António Marques morreu a 11 de Junho, aos 63 anos; um dos “heróis de Alcochete”, referiu o presidente da Câmara Municipal, Fernando Pinto, na apresentação do voto de pesar. O subchefe ingressou no corpo dos Bombeiros Voluntários de Alcochete em 1988, e fez parte do quadro da Associação Humanitária durante 34 anos, até à sua morte.

Foi várias vezes condecorado por bons e efectivos serviços. “O subchefe António Marques será sempre lembrado pela abnegada entrega como interpretou o lema ‘Vida por Vida”, refere o voto de pesar que será enviado à família e corporação de bombeiros.

- PUB -

A 19 de Junho, morreu aos 91 anos um dos nomes de referência do concelho, que levou o nome de Alcochete a salas de concerto no estrangeiro.

Armando José Crispim nasceu em 1931 no Largo do Troio, passou pelas escolas Primária do Rossio e Conde Ferreira. Descendente de salineiros, fez o quase tudo que tem a ver com esta profissão, e ainda nas descargas de bacalhau e carvão.

Foi convido pelo clarinetista Manuel Damestre para aprender música na Banda da Sociedade Imparcial 15 de Janeiro de 1898. Ai esteve dos 13 aos 40 anos, onde tocou trompete, trombone e bombardino.

- PUB -

Veio a ingressar como recruta no Quartel de Infantaria 1 e foi trombonista na Banda do Exército. Aos 23 anos prestou provas e foi admitido na Banda da Guarda Nacional Republicana, onde esteve durante 28 anos. Estudou contrabaixo de cordas no Conservatório Nacional, onde foi convidado para ser professor. Fez o Curso Internacional de Música; músico na Orquestra Filarmónica do Teatro Nacional de S. Carlos e da Orquestra Sinfónica Portuguesa.

Participou como solista na orquestra da Fundação Calouste Gulbenkian. Entre 1993 e 1998 dirigiu a Banda da Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense.

Um dos momentos marcantes da sua carreira foi, em 1985, ter sido seleccionado, a par do violoncelista Carlos Fontes, para participar no concerto da Orquestra Filarmónica Mundial, em Estocolmo, num espectáculo patrocinada pela Unicef em colaboração com a Academia Real Sueca.

Em 2008 a Câmara de Alcochete prestou-lhe homenagem com um concerto, e no ano seguinte atribuiu-lhe a Medalha Dourada da Restauração, no 11.º aniversário da Restauração do concelho de Alcochete.

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Carreiras da Carris Metropolitana iniciam novos circuitos a partir desta sexta-feira em Palmela, Setúbal, Alcochete, Moita e Montijo

Álvaro Amaro diz que a operadora vai agora cumprir os percursos que ainda não estão a ser efectuados

Programa Festas Populares São Pedro Montijo 2022

Consulte o programa na íntegra das Festas Populares de São Pedro, que arrancam na terça-feira (28 de Junho)
- PUB -