26 Junho 2022, Domingo
- PUB -
InícioLocalSetúbalMárcia Dias Costa: “Quando escrevi a minha 1.ª estória fiquei tão feliz...

Márcia Dias Costa: “Quando escrevi a minha 1.ª estória fiquei tão feliz que decidi escrever para o mundo”

‘Litterae’ intitula a obra da jovem cabo-verdiana que veio estudar para Setúbal em 2020. Acaba de ser nomeada para o prémio literário ‘Gala de Autores’ da editora que a acolheu. E hoje empresta a apenas a sua voz para que O SETUBALENSE escreva a sua história

 

- PUB -

Tem 19 anos, é estudante de Tecnologia Biomédica, na Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), e estreou-se no mundo literário em 4 de Abril passado com o lançamento do livro de poesia, intitulado “Litterae”. Márcia Dias Costa, natural da ilha de Santiago, em Cabo Verde, mudou-se para Portugal em 2020 após concluir os estudos secundários, e no último mês viu a sua obra ser nomeada para o prémio literário “Gala dos Autores” – evento organizado pela editora Cordel de Prata, com a qual assinou contrato em Junho de 2021 para publicação de “Litterae”.

A gala premeia os melhores livros produzidos com a chancela da Cordel de Prata, através da votação do público, destacando também o percurso de alguns autores pela criatividade, dedicação e talento. E vai ter lugar no próximo dia 11, em Lisboa, por altura da comemoração do 5.º aniversário da editora.

O percurso de Márcia pelo mundo da escrita foi, porém, iniciado bem mais cedo. Desde os 8 anos, que a jovem que vive nas residências para estudantes do IPS escreve estórias e pequenos poemas, tendo já participado em diversas antologias nacionais e internacionais, revistas de colectânea e concursos de contos e poesia. O gosto pela leitura, confessou, apanhou-a na infância e quando frequentava o 7.º ano começou a escrever poesias que ia publicando no Facebook. Também as coleccionava, guardadas no computador, e aos 16 anos já contabilizava a produção de mais de 80 poesias. Foi então, revela, que decidiu escrever um livro.

- PUB -

A escritora e poetisa cabo-verdiana busca cativar os leitores e admite inspirar-se nos acontecimentos do dia-dia para criar estórias nas mais diversas áreas temáticas, como suspense, terror, drama, comédia, além de reflexões quotidianas. E também escreve poemas em crioulo, inglês e espanhol, apesar de adoptar, na maioria dos seus trabalhos, a língua portuguesa. Além de poemas tem escritos romances, contos, crónicas e textos de reflexão.

Em “Litterae”, Márcia diz expressar a sua arte poética em forma de sentimentos, emoções, sensações e reflexões pessoais . O livro está disponível nas lojas da FNAC Portugal e no site da editora.

- PUB -

Conte um pouco sobre a sua história de vida e do seu gosto pela literatura. Como tudo começou?

Nasci no dia 28 de Dezembro de 2002, na ilha de Santiago. Vivia com minha mãe e a minha irmã mais velha. Mas minha irmã viajou para França quando eu tinha 5 anos. Então, na altura, a minha mãe trabalhava o dia todo e eu passava maior parte do tempo sozinha. A minha mãe é professora e trazia-me livros para eu ler em casa. Eu ficava no meu quarto o dia todo a ler, desde então que não paro de ler e comecei a ficar praticamente viciada, porque não conseguia parar de ler. Lia tudo o que via pela frente. Sempre que ia para a escola carregava um livro na mochila e quando frequentava o secundário comecei a baixar livros em PDF e lia. Eu leio todo o tipo de livros, tenho até uma biblioteca virtual no meu telemóvel, é como se fosse uma terapia para mim.

Porquê a paixão especial por escrever poesia? Foi um sonho desde a infância ou teve alguém próximo que lhe serviu como fonte de inspiração ou motivação?

Tudo começou quando escrevi a minha primeira estória. Quando a li fiquei tão feliz com aquilo, que decidi que queria escrever para o mundo. Eu era bem novinha quando tomei essa decisão e decidi escrever de tudo. No princípio comecei a escrever poesias porque são mais curtas que uma história e às vezes dava-me preguiça de escrever textos narrativos com 20 páginas, por serem mais extensos. Mas depois fiquei fascinada com as rimas em estrofes e o uso de palavras sofisticadas e então continuei e adorei.

Da participação em eventos, actividades e concursos do ramo literário, qual aquele que até agora a marcou mais?

Já participei num concurso de leitura, e ganhei livros, participei também em lançamentos de livros, antologias nacionais e internacionais, mas o que mais me marcou foi quando vi que o meu poema foi publicado numa antologia internacional em 2020, com autores do mundo todo e eu estava lá a representar Cabo Verde.

Quais foram as principais dificuldades, barreiras, que enfrentou ao longo de todo o processo para a concretização do lançamento deste livro?

O obstáculo financeiro foi um dos principais, porque para editar e publicar um livro custa muito e eu na altura estava com dívidas até ao pescoço e sem um trabalho. O outro obstáculo era o medo de investir no livro e não obter bons resultados, como por exemplo a adesão ou interesse do público porque hoje em dia as pessoas não dão muito valor aos livros físicos como antigamente, principalmente os jovens que são facilmente atraídos pelas novas tecnologias e estão mais agarrados ao digital.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -