7 Fevereiro 2023, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbalAlterações climáticas podem colocar em risco o futuro dos concelhos da Arrábida

Alterações climáticas podem colocar em risco o futuro dos concelhos da Arrábida

Os Planos Locais de Adaptação às Alterações Climáticas são tidos como fundamentais para travar gases com efeito de estufa 

- PUB -

A Baixa de Setúbal poderá, futuramente, ser “alagada pela água do Sado”, assim como é de considerar a “tendência para o desaparecimento das praias da Arrábida” resultante da subida do nível médio das águas do mar. Estes são riscos, e cenários, a ponderar caso não sejam tomadas medidas quanto à previsão das alterações climáticas até ao final do século.

“Não sabemos, em certeza, como vai ser o clima no futuro. Mas sabemos que pode ser diferente consoante as opções tomadas a nível global. Isto prende-se muito com a adopção de estratégias de mitigação que permitam reduzir a emissão de gases com efeito de estufa”.

Estas são conclusões do estudo do professor da Universidade de Lisboa José Luís Zêzere sobre a cenarização climática, que envolve o concelho de Setúbal, assim como os de Palmela e Sesimbra, apresentadas na passada semana, numa acção sobre a construção dos PLAAC – Planos Locais de Adaptação às Alterações Climáticas, que decorreu no Cinema Charlot – Auditório Municipal, em Setúbal.

- PUB -

No caso do PLAAC-Arrábida, diz o catedrático do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa, citado em nota de Impresa da autarquia sadina, que “no pior e no melhor cenário, não há diferenças, o futuro está definido. Estas praias vão desaparecer. A alimentação artificial pode ser uma das soluções”.

Perante uma plateia que contou com mais de cinco dezenas de participantes, entre autarcas, dirigentes e técnicos do município de Setúbal, Palmela e Sesimbra que se encontram a desenvolver os PLAAC em parceria com a ENA – Agência de Ambiente e Energia da Arrábida, promotora do projecto, e da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, o geógrafo físico apontou a cenarização climática para os três concelhos antevendo o ano 2100.

Os modelos apresentados revelam ainda que o número de dias a que a população está exposta a calor excessivo vai aumentar, passando de dez dias por ano para 30 a 44 dias. Desta conclusão, é de prever que aumentem as condições para incêndios florestais, e em edifícios.

- PUB -

A possibilidade de inundações por cheias rápidas também vai agravar-se, sobretudo nos concelhos de Setúbal e Palmela, bem como as secas que “vão ser cada vez mais crónicas e têm tendência a acentuar-se”, disse José Luís Zêzere. “Não sabemos com certeza como vai ser o clima no futuro. Mas sabemos que pode ser diferente consoante as opções tomadas a nível global. Isto prende-se muito com a adopção de estratégias de mitigação que permitam reduzir a emissão de gases com efeito de estufa”, acrescentou.

Na abertura do encontro, o presidente da Câmara de Setúbal, André Martins, apontou o PLAAC-Arrábida como um “excelente exemplo de trabalho”, e sublinhou que, no concelho, tem sido implementado “um processo activo de mudança, trazendo novas dinâmicas ao território com obra e investimento, estabelecendo parcerias e trabalhando em rede”, isto em áreas da “energia, mobilidade sustentável, economia circular, governança, planeamento, uso do solo e também da comunicação e educação ambiental”.

O PLAAC-Arrábida, que visa contribuir para aumentar a resiliência e a capacidade de resposta dos municípios do território Arrábida, materializa um investimento superior a 165 mil euros, financiado a 90% pelo Programa Ambiente, Alterações Climáticas e Economia de Baixo Carbono, do Mecanismo Financeiro EEA Grants 2014-2021.

 

 

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Estação de combustível da Repsol assaltada esta tarde em Setúbal

Indivíduo fugiu com o dinheiro da caixa. Ameaçou os funcionários com uma faca. Já são três os assaltos registados nos últimos quatro dias

“Vou tentar por todos os meios que me paguem aquilo que devem”

Restaurante Novo 10 fechado devido a uma dívida de 700 mil euros, funcionários sem ordenados e situação em tribunal sem fim à vista
- PUB -