20 Agosto 2022, Sábado
- PUB -
InícioSociedadeCrítica Cinematográfica: “007: Sem Tempo para Morrer"

Crítica Cinematográfica: “007: Sem Tempo para Morrer”

Sinopse:

- PUB -

No último filme em que Daniel Craig encara o papel de James Bond, 007: Sem Tempo Para Morrer, traz de volta o agente inglês 007 da sua reforma e da sua vida tranquila na Jamaica.

O descanso é interrompido quando um velho amigo da CIA, Felix Leiter procura o inglês para um pequeno favor, ajudá-lo em uma missão secreta de resgate de um cientista sequestrado.

O que era para ser apenas uma missão de resgate acaba por ser bem mais complicado do que o esperado. O caminho leva James ao vilão, Safin, que utiliza armas de tecnologia avançada e que vão levar o espião inglês ao seu limite.

- PUB -

Crítica:

Mais que a despedida de Daniel Craig do papel de 007, é uma despedida honrosa pelo bom trabalho do ator no papel principal da franquia do espião mais conhecido do mundo.

O sucesso da franquia não se resume só ao elenco, mas também pela coesão e consistência daqueles que trabalham fora dos ecrãs desde os roteiristas Neal Purvis e Robert Wade que escreveram o roteiro de todos os cinco filmes da era Bond e mais dois da era Brosnan.

- PUB -

Pela uniformidade que a franquia apresenta, apostando em pessoas que conhecem o projeto, mantendo um padrão elevado de qualidade, com cenas de acção de tirar o fôlego e inovações tecnológicas que nos fazem temer pela vida do herói.

James Bond é a franquia mais longa do cinema contando com 25 filmes, e que não vai ficar por aqui. Uma franquia que rende muito dinheiro, muitos prémios e que tornou Daniel Craig o actor mais bem pago em 2021 e é isto que o público procura no cinema, algo que gosta, que conhece e que à partida vai de encontro às suas expectativas.

Além da base com uma grande carga dramática, o sentimentalismo e a resolução do quebra-cabeças da Spectre, o filme também apresenta algumas lacunas como as relações que ficam aberto e influenciam o curso da história, mas especialmente o mau aproveitamento do vilão, assim como de Rami Malek, que se esforça para dar o tom ameaçador e temido que o vilão prometia ter, mas o seu pouco tempo de tela e falta de atenção não ajuda.

Quando o roteiro de um filme tem limitações e é mal atado, como acontece neste caso, para o filme ter sucesso depende das questões técnicas, aqui entra Hans Zimmer que compôs a trilha sonora e é bastante assertivo no seu trabalho.

As equipas de arte, de efeitos especiais e de efeitos visuais, no seu todo são constituídas por mais de 200 pessoas, não sei se é pela quantidade de pessoas que trabalharam neste projeto mas as famosas perseguições, as explosões e as cenas de luta mantém a alta qualidade que os filmes anteriores nos habituaram.

Em filmes que concluem uma etapa nas franquias ou filmes que terminam as trilogias por exemplo, temos que analisar o filme como um todo mas também o peso que tem na franquia e compará-lo com os seus antecessores.

Este filme na minha opinião, está alguns pontos abaixo de 007: Skyfall, que para mim é o mais bem conseguido da era Craig, um pouco abaixo de 007: Casino Royale, mas bem melhor que 007: Quantum of Solace e que 007: Spectre.

O filme apela muito ao sentimental e à nostalgia ao trazer por exemplo Christoph Waltz de volta ao papel de Ernst Stavro Blofeld, referências a filmes passados que cumprem o fan service.

É um filme renovado, tanto na personagem de James Bond, que se torna mais humano, mostra que tem fragilidades, que tem sentimentos e não apenas uma máquina de luta que fica com as mulheres mais bonitas e que conduz um Aston Martin, existe também uma adaptação ao mundo moderno, não só a personagem progride assim como a franquia.

Existe uma mudança na estrutura da franquia que não se apega tanto a clichês, procuram um maior aprofundamento das personagens assim como da trama, não se focar apenas no vilão e nos seus planos megalómanos, ao criar momentos que não sejam só de acção, dá tempo para conhecermos as personagens e as suas motivações. Quem sai muito beneficiado destes ajustes são as personagens secundárias.

No fim o que é realmente importante é dar uma despedida digna a Daniel Craig, sobrando pouco tempo para explorar melhor o terrorista que quer espalhar uma arma biológica capaz de matar pessoas,

resultado foi um vilão que facilmente esquecemos. 007: Sem Tempo para Morrer encerra a era Craig, que durante 15 anos interpretou o papel, tornando-o o actor que mais tempo interpretou o papel. O filme conseguiu atar muito bem as histórias anteriores, deu mais significado e propósito a acontecimentos e personagens apresentados anteriormente, além de ter conseguido corrigir alguns aspectos menos bons dos filmes anteriores.

A minha nota para 007: Sem Tempo para Morrer é 7,7 / 10

Direção: Cary Joji Fukunaga; Produção: Michael G. Wilson Barbara Broccoli: Roteiro: Neal Purvis, Robert Wade, Cary Joji Fukunaga e Phoebe Waller-Bridge; História: Neal Purvis, Robert Wade e Cary Joji Fukunaga; Baseado em: James Bond, de Ian Fleming.

Elenco: Daniel Craig, Rami Malek, Léa Seydoux, Lashana Lynch, Ben Whishaw, Naomie Harris, Jeffrey Wright, Christoph Waltz e Ralph Fiennes.

Gênero: acção e espionagem; Música: Hans Zimmer; Cinematografia: Linus Sandgren; Edição: Elliot Graham e Tom Cross; Companhias produtoras: Eon Productions e  Metro-Goldwyn-Mayer.

Distribuição: United Artists Releasing (Estados Unidos) e Universal Pictures (Mundialmente).

Lançamento: 8 de Outubro de 2021 (Mundial); Idioma: Inglês; Orçamento: 250 milhões de dólares.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Mulher morre em colisão entre dois veículos em Grândola

Uma colisão frontal entre dois veículos ligeiros na Estrada Nacional 261, no cruzamento do Carvalhal, provocou, esta tarde, um morto e dois feridos graves.

Ana Catarina Gonçalves: A grandolense que arriscou e conseguiu montar um ‘império’ na vertente das explicações

Com apenas 21 anos, começou a acompanhar algumas crianças por brincadeira. Hoje, passados cinco anos, emprega três dezenas de professores

Acidente de viação no Montijo provoca três mortos

Colisão frontal provocou a morte de dois homens, de 26 e 32 anos, e de uma mulher, de 24 anos
- PUB -