17 Outubro 2021, Domingo
- PUB -
Início Sociedade Empreendedora montijense aproveita ataque do vírus para concretizar sonho

Empreendedora montijense aproveita ataque do vírus para concretizar sonho

Célia Aranha acaba de lançar projecto com base em oportunidade proporcionada pela doença que quase lhe ceifou a vida

 

- PUB -

Foi um dos primeiros casos de covid-19 identificados no Distrito de Setúbal. Tinha regressado com o marido de uma viagem ao Cairo, com escala em Madrid. E os sintomas levaram-na a fazer um teste de despistagem ao vírus no hospital do Montijo.

Foi a 13 de Março de 2020. Por duas vezes disseram-lhe que o resultado era negativo. Estavam errados. Cinco dias volvidos, e já em extrema debilidade, atendeu o telefone. Agora do hospital do Barreiro confirmavam-lhe o pior: afinal o teste estava positivo.

- PUB -

O vírus só a “libertou” de um calvário de cerca de duas semanas de internamento na unidade hospitalar barreirense no “dia das mentiras”. Mas a verdade viria a ser paradoxal: o “bicho” que um ano antes quase lhe ceifou a vida foi o mesmo que acabou por abrir-lhe uma janela de oportunidade.

“Hoje sinto-me uma sobrevivente que realizou um sonho”, confessa a montijense Célia Aranha, 53 anos, que acabou de inaugurar o espaço Mar & Cel L’ Atelier, do Grupo Aranha & Silva, em pleno “coração” da cidade, no 33 da Avenida D. Afonso Henriques, junto ao parque municipal.

“Naquela altura havia poucas oportunidades de voltar a ser novamente criativa, de viver daquilo que gostava de fazer. Já sofria de problemas ósseos que a covid-19 agravou muito e fiquei com mazelas. Achava que já não havia nada que pudesse fazer”, conta.

- PUB -

“Dediquei-me então à confecção de máscaras de protecção em tecido, cujas receitas das vendas decidi doar a acções de solidariedade, sobretudo, às de cariz alimentar”, lembra.

“Quando dei por mim, passado pouco tempo, já andava a exportar máscaras para França e Inglaterra. Depois comecei a fazer malas… Foi o pontapé de saída para este novo projecto de empreendedorismo, Mar & Cel L’ Atelier”, explica.

O artesanato, garante, foi “a melhor terapia” para reagir às sequelas herdadas do vírus. “Foi na sequência desse trabalho, e também por sentir que faltava no Montijo um projecto deste tipo, que acabei por recriar algo que gostaria de ter encontrado enquanto consumidora. Podemos dizer que foi a doença que acabou por me proporcionar a oportunidade”, reconhece Célia, que acumula a função de gerente no Grupo Aranha & Silva e também no Mar & Cel L’ Atelier.

A essência do projecto

E sobre o novo projecto realça o conceito, que considera diferente do habitual. “Trata-se de um espaço de venda de tecidos a retalho, para confecção, costura criativa, decoração de interiores, enxovais de criança. Foi pensado para quem não tem como fazer ou não sabe, mas que gostaria de fazer. Aqui podem traçar o molde comigo ou até fazê-lo”, revela.

E adianta: “Temos uma área equipada com máquina de costura, que permite ao próprio cliente confeccionar os artigos que queira, mediante a compra do nosso material.”

O projecto não se resume, no entanto, a essa actividade. Permite também realizar “workshops”, criar “moldes em gesso, sabonetes, velas” e apresenta uma área de “perfumaria de têxtis e ambiente”, além de uma panóplia de serviços de impressão no domínio das artes gráficas.

“Recentemente fizemos uma impressão para decorar uma casa nocturna, que abriu agora portas em Lisboa. Foi o nosso trabalho de estreia e ficou fantástico. Mas também fazemos impressão de lonas, impressões em vinil, para decoração de viaturas e montras, autocolantes, brindes, canetas…”, sublinha.

A este conjunto de valências junta-se ainda a “venda e reparação de máquinas de costura e de bordar”. Porém, “o coração do projecto”, aponta, “é a partilha”.

“O objectivo é que não seja apenas uma loja mas também um espaço de partilha de conhecimento”, frisa. E tudo nasceu dos metros e mais metros de tecidos, de todas as cores e feitios, que foi adquirindo para fazer máscaras como resposta ao sofrimento que a doença lhe infligiu.

O investimento, recorda, foi de monta e sem recurso a qualquer apoio estatal. “Foi a empresa mãe [Aranha & Silva] que ajudou o projecto Mar & Cel, que já existia no grupo apenas para comércio de material para a área da construção civil”, faz notar, ao mesmo tempo que admite não ter sentido hesitação na hora de avançar, mesmo num contexto de retracção económica provocado pela pandemia.

“Tenho receio é de tudo o que não faço, de todas as oportunidades que não aproveito”, comenta. Ainda assim, deixa escapar: “Receio tenho é do dinamismo comercial do Montijo, que a meu ver deixa muito a desejar. Mas estamos prestes a lançar uma componente digital, um site para promover vendas em Portugal e no estrangeiro. Estará operacional em Outubro”.

De resto, levar o nome do Montijo além-fronteiras é um desejo. Aguçado por um recente episódio. “Recebemos duas turistas italianas que estavam hospedadas no hotel em frente, que ficaram maravilhadas e levaram artigos para confeccionar”, relata a empreendedora, que faz questão de apostar na “excelência dos produtos nacionais”, com o fito no binómio “qualidade/preço”.

E a próxima meta está definida. “Quero criar a minha marca. A marca da Célia pós-pandemia, que renasceu numa altura em que parecia que estava tudo perdido”, conclui.

Confiante “O bicho já não me assusta”

Depois de uma jornada difícil, de superação, Célia Aranha vê hoje a pandemia com outros olhos. “O ‘bicho’ já não me assusta. Tenho respeito. Mas acredito que o pior já passou”, afirma.

E justifica: “Respeito todos os pontos de vista, mas a inteligência que revelámos na adesão à vacinação penso que foi um passo que demos em frente para podermos estar um pouco mais despreocupados.”

O maior receio é outro. “Assusta-me é não termos produto português. Queremos fechos de correr ou cursores para fechos nacionais e não há, por exemplo. Devíamos ter mais produção nacional e consumirmos essa mesma produção”, atira, a finalizar.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Geringonça dá Assembleia Municipal do Montijo ao PSD

Apesar de vencer nas autárquicas, PS vai perder presidência no órgão. CDU tem compromisso com os social-democratas. Se não houver recuo, Ana Dias Neves...

Construção de duas novas fábricas da Repsol é maior investimento dos últimos dez anos no país

Empresa quer tornar Complexo de Sines num dos mais avançados e competitivos da Europa

Fernando Negrão acusa administração do Centro Hospitalar de “incompetência” e defende demissão

Vereador social-democrata afirma que membros do órgão de gestão “estão cegos” e pede a sua substituição “por gente competente”   Fernando Negrão, vereador da Câmara Municipal...
- PUB -