23 Setembro 2021, Quinta-feira
- PUB -
Início Sociedade Aquanostra produz ostra plana em maternidade única na Europa

Aquanostra produz ostra plana em maternidade única na Europa

Unidade em Setúbal nasceu de um projecto de investigação com apoio de fundos europeus. Tem maternidade, depuradora e viveiros

 

- PUB -

O produtor de bivalves Aquanostra, sediado em Setúbal, é responsável pela “única maternidade comercial na Europa a produzir ostra plana”, uma espécie endémica da costa portuguesa e que tem um valor de mercado “cerca de três vezes superior ao da ostra japonesa”.

Neste momento, a empresa – cuja maternidade, depuradora e viveiros se localizam nos arredores de Setúbal – tem em curso três investimentos com a finalidade de criar viveiros em tanques de terra capazes de evitar que as ostras sejam atacadas por doenças; viabilizar a produção na costa do Algarve; e minimizar o impacto das estruturas de produção no ecossistema.

É na maternidade que tudo começa, conforme explica António Correia, formado em Biologia, mestre em Aquacultura e responsável de produção da Aquanostra. “A produção de ostras é feita num ambiente extremamente controlado.

- PUB -

É um processo microscópico e que implica produzir microalgas para alimentar as ostras reprodutoras. A fecundação é feita no exterior e daí nasce uma larva que se vai desenvolvendo.

Quando estão prontas, são mudadas para outro sistema e fixam-se individualmente em partículas de concha moída, fazendo, a partir daí, a metamorfose que lhes cria a concha exterior. Leva um ano e quatro meses desde que uma ostra nasce até que está pronta a consumir”.

- PUB -

A empresa garante trabalhar apenas com “reprodutores da melhor qualidade” e utilizando protocolos e métodos de produção desenvolvidos em projectos próprios de investigação e desenvolvimento para “obter semente de qualidade e ter sucesso na reprodução das espécies de ostras”.

São elas as duas principais espécies consumidas em Portugal – a Ostrea edulis (plana) e a Crassostrea gigas. Da maternidade, instalada num armazém do Centro Empresarial Sado Internacional, as ostras seguem posteriormente para a unidade de crescimento e engorda.

A unidade localiza-se na Mitrena, no Estuário do Sado, e ocupa 10 tanques de cultivo (uma área equivalente a 18 campos de futebol). É aí que as ostras crescem, “de forma extensiva, em águas ricas e férteis”, “em conjunto com diversas espécies de peixes num harmonioso sistema de cultivo integrado multi-trófico”, descreve a Aquanostra.

Todo o projecto assenta nos pilares de qualidade e inovação, o que segundo o responsável “permite entender cada vez melhor as dinâmicas das ostras e do habitat em que estão inseridas”.

Projecto de investigação

Foram precisos três anos de investigação para a equipa da Aquanostra descobrir as condições ideais necessárias à reprodução da ostra plana. Esse trabalho começou em 2013, quando António Correia voltou para Portugal após concluir um mestrado em Aquacultura numa universidade espanhola.

“Nessa altura comecei a procurar trabalho na área da aquacultura. Interessei-me pelos bivalves e fiz um estágio sobre reprodução de bivalves no Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em Tavira”, conta a O SETUBALENSE.

“Quando o meu colega Guilherme voltou dedicámo-nos à reprodução de bivalves e percebemos que havia potencial para a produção de ostras, mas que não havia grande fornecimento da semente de ostras. Os produtores, em geral, compram a semente de ostra a produtores franceses. Portugal é praticamente usado como uma zona de engorda da ostra francesa, e até há muitos franceses que têm zonas de produção cá”, explica.

Identificando a margem de oportunidade, acharam então que seria interessante criar uma maternidade de ostras em Portugal. António explica que a espécie de ostra mais produzida é a Crassostrea, que tem duas espécies: a angulata (ostra portuguesa) e a gigas (ostra japonesa), produzida em França.

“Inicialmente, a primeira ideia era produzir ostra portuguesa. Entretanto, ganhámos mais conhecimento sobre a indústria e percebemos que seria complicado concretizar o potencial dessa ostra, uma vez que é um produto igual ao da ostra japonesa e há maternidades gigantes em França. Nunca teria lógica competirmos, por causa da escala e investimento que eles têm”.

Durante o projecto de investigação – financiado pelo programa europeu PROMAR e feito em parceria com o IPMA e o Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve – os investigadores desenvolveram protocolos para a reprodução de ostras e testaram-nos com várias espécies, obtendo “muito bons resultados com a ostra Ostrea edulis (ostra plana)”.

Esta ostra, explica António Correia, “é natural da costa portuguesa tem um valor de mercado cerca de três vezes superior ao da ostra japonesa”. E “enquanto a ostra portuguesa (angulata) é muito parecida à japonesa em aspecto e sabor, a ostra plana é muito diferente. Têm biologias completamente diferentes”.

Com resultados positivos alcançados, avançaram para a ideia de negócio, fechando contrato com o actual investidor. Em 2016, compraram os viveiros na zona da Mitrena.

Hoje, a Aquanostra controla “o ciclo todo”, desde a produção de sementes de ostras ao crescimento e engorda, passando pela distribuição para depuradoras, revenda, exportação – área em que Hugo Castillo é responsável –, canal HORECA (hotéis, restaurantes e cafés) e cliente final.

A empresa foi a primeira no País a entregar bivalves em qualquer parte da Península Ibérica em menos de 24h.

Investimento em inovação

A Aquanostra tem em curso três investimentos com vista à inovação e sustentabilidade da sua produção. Um deles passa por apostar num viveiro em tanques de terra, capaz de evitar a principal patologia que afecta as ostras (um vírus).

Este trabalho está a ser desenvolvido em parceria com investigadores internacionais. Outro dos investimentos permitirá reduzir o impacto das estruturas de produção nos viveiros localizados no Estuário do Sado.

“A solução passa por suspender as ostras, eliminando as mesas metálicas em que são deitadas e os sacos de rede plástica. Isto é bom para o ecossistema e para nós, porque as estruturas têm custos. Reduzindo a estrutura conseguimos optimizar a produção”, diz António.

O terceiro investimento diz respeito à viabilização da produção de ostras em mar aberto, ao largo da costa algarvia, com o apoio de um parceiro local. “A produção de ostras em mar aberto requer muito desenvolvimento de tecnologia e dos princípios biológicos da produção.

A ostra Crassostrea está adaptada a ambientes estuarinos e habituada a ter momentos de exposição ao ar e momentos de submersão e precisa disso para crescer de forma correcta e saudável.

Em mar aberto não tem movimento, nem exposição ao ar, por isso é bastante complicado”. Ultrapassando estas condicionantes, a produção em mar aberto “tem um potencial quase ilimitado, porque pode estender-se por centenas de hectares, diz o responsável de produção.

Produção sustentável

António Correia sublinha ainda que – ao contrário de outros tipos de aquacultura, como a piscícola, por exemplo – “qualquer produção de ostras é extremamente sustentável, porque está a fornecer alimentos da base da cadeia alimentar e porque limpa as águas em que se insere, em vez de as poluir”.

“As ostras alimentam-se da produtividade primária, ou seja, filtram os microorganismos existentes na água. Há inclusive projectos de recuperação ambiental que assentam na introdução de bivalves em rios com demasiada concentração de microorganismos”, exemplifica.

O responsável reconhece, ao mesmo tempo, que “a maior parte da produção de peixe tem impacto nos ecossistemas, porque se insere muita matéria-orgânica e isso prejudica o habitat”.

E acrescenta que outro impacto muito significativo que a produção de ostras pode ter é a introdução de doenças. Os ecossistemas podem sofrer com a introdução de sementes de ostras vindas de fora com doenças exóticas e com a putrefacção causada pela mortalidade destes seres vivos”.

Exportação ‘Start-up’ com ambição

Hugo Castillo lembra que a Aquanostra é uma ‘start-up’ com ambição e revela, a O SETUBALENSE, que a estratégia seguida tem dado resultados promissores.

Neste momento, a empresa exporta uma parte substancial de bivalves para mercados europeus como a Inglaterra, Espanha, Holanda e Grécia.

No horizonte, está a chegada à China. “Temos o conhecimento, o investimento e as condições certas para continuar a crescer”, acredita o responsável e sócio da empresa, em conjunto com António Correia.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
André Rosa
Jornalista
- PUB -

Mais populares

Burger King abre 12.° restaurante no Distrito de Setúbal

A marca Burger King aumentou para 12 o número de restaurantes que detém no Distrito de Setúbal, com a abertura de mais uma unidade...

Líder do PAN “engolida” por aficionados da festa brava no Montijo

Várias dezenas de elementos de tertúlias e grupos de forcados locais, entre outros, não pouparam nos assobios a Inês de Sousa Real e à...

Presidente da Fertagus diz que comboio até à Gare do Oriente depende do Estado

Ana Cristina Dourado afirma que a empresa tem objectivo de prolongar o serviço que termina na zona Roma-Areeiro
- PUB -