24 Maio 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioSociedadeMostra ao ar livre de José Ramos patente até sexta-feira no Parque...

Mostra ao ar livre de José Ramos patente até sexta-feira no Parque da Cidade do Barreiro

Últimos dias para visitar exposição inaugurada no âmbito do NaturBRR

 

- PUB -

A exposição de fotografia “Lugares Efémeros, memórias eternas”, de José Ramos, inaugurada no final de Maio no espaço exterior situado frente ao Auditório Municipal Augusto Cabrita (AMAC), no âmbito do NaturBRR – Festival de Imagem de Natureza da Cidade do Barreiro, continua patente naquele espaço até à próxima sexta-feira.

A mostra em causa reúne uma selecção de imagens que resultam de anos de dedicação à fotografia do nosso incrível planeta, sempre em busca das melhores condições de luz, constituindo uma viagem pelos mais incríveis recantos paisagísticos de Portugal, Islândia, Espanha e Itália.

Aproveite estes últimos dias para conhecer “cenários profundamente distintos entre si, mas ligados pelas mãos e o coração que segura a câmara que os captou, sempre alimentado pelo objectivo primordial de mostrar a beleza do mundo que ainda escapa incólume ao ritmo frenético dos dias de betão, trazendo-nos de volta aos monumentos naturais que nos inspiram e fazem respirar”, sugere a autarquia barreirense.

- PUB -

Fotógrafo de paisagem, José Ramos, natural de Beja e actualmente residente em Lisboa, conta com um percurso reconhecido, tanto a nível nacional como internacional, sendo médico psiquiatra de profissão. No entanto, foi na fotografia que encontrou a sua forma de expressão artística.

Apaixonado pela natureza que nos rodeia, o fotógrafo “capta, tanto em Portugal como no estrangeiro, o que de melhor existe no nosso mundo natural”.

Ao longo da sua carreira, que iniciou aos 18 anos, tem contado com múltiplas publicações em revistas da especialidade e colaborado com diversas marcas mundiais fotográficas e de tecnologia.

- PUB -

Além da vontade constante em criar imagens esteticamente apelativas e marcantes, apostou também em escrever e reflectir sobre as suas imagens.

Protecção ambiental e o valor da natureza

Em termos conceptuais, o artista defende “o valor da partilha das reflexões pessoais e experiências associadas às suas imagens, já que para si o processo de criação de uma imagem nunca termina com o disparo fotográfico”, passando mais tarde pelas emoções que a imagem desperta quando é maturada e revista em casa, num ciclo que apenas termina quando o espectador contempla a imagem final, recriando-a dentro de si e dando-lhe os seus próprios significados internos e pessoais.

Nas fotografias de José Ramos, a consciencialização sobre o valor da Natureza e a necessidade de protecção do ambiente assumem uma “importância primordial, sendo estes aspectos frequentemente ligados, através dos conceitos e histórias de cada imagem, à simultânea fragilidade e poder da Humanidade num mundo em constante mudança”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Piscina na urbanização dos Fidalguinhos está quase a sair do papel

Obra de 3,5 milhões de euros já tem projecto e concurso pode avançar ainda este ano. Futuro equipamento terá capacidade para cerca de 700...

Cidade perde rede de agentes com chegada da Transportes Metropolitanos de Lisboa

Rede com mais de uma dezena de estabelecimentos, construída pelos TST, desfeita com chegada de nova transportadora, prejudicando utilizadores mais velhos

Jovem sequestrado e violado em casa de banho da estação de comboios de Coina

Rapaz de 16 anos foi abusado por homem de 43. Violador está agora em prisão preventiva
- PUB -