13 Abril 2021, Terça-feira
- PUB -
Início Sociedade Programa ZERO quer empresas do Grupo Águas de Portugal na linha da...

Programa ZERO quer empresas do Grupo Águas de Portugal na linha da neutralidade energética

Investimento de 370 milhões reduz consumos e aumenta produção de energias renováveis até 2030

 

- PUB -

O Grupo Águas de Portugal (AdP), que integra a empresa SIMARSUL, apresentou esta quarta-feira, em Lisboa, o seu Programa de Neutralidade Energética ZERO, durante uma cerimónia que contou com as presenças do Ministro do Ambiente e da Acção Climática, João Matos Fernandes, da secretária de Estado responsável por esta pasta, Inês dos Santos Costa, para além de João Galamba, secretário de Estado Adjunto e da Energia. O programa apresentado prevê que as empresas do grupo possam atingir “a neutralidade energética” até 2030.

Assente numa estratégia “continuada de redução de consumos e de aumento da produção própria de energia 100% renovável”, o projecto implementado permitirá que o grupo se posicione como o primeiro de dimensão internacional a alcançar esta neutralidade “em todas as suas actividades nacionais e internacionais”, a nível mundial.
Com um investimento total que ronda os 370 milhões de euros, é expectável que o Programa ZERO “neutralize o equivalente a 746 GWh”, valor que corresponde ao consumo energético de 105,3% e uma neutralidade carbónica igual, envolvendo ainda o valor resultante do consumo de combustíveis.

A nível ambiental e no período apontado, o programa “permitirá eliminar cerca de 250 toneladas por ano de emissões de CO2,”, o que representa uma poupança de cerca de 5,3 milhões por ano para o país, a preços actuais.

- PUB -

O Programa ZERO prevê uma produção de “cerca de 708 GWh/ano”, ao abrigo dos “recursos endógenos disponíveis nas instalações das empresas do Grupo”, designadamente, com origem no biogás, eólica, hídrica e solar fotovoltaico, incluindo solar flutuante. No que respeita ao biogás, prevê-se um crescimento de mais 163,2%, em relação ao ano passado, e a instalação de 48 torres, para dar início à produção de energia de fonte eólica.

Já o aumento da produção de energia hídrica, será obtido com a instalação de 38 hídricas, estando igualmente previsto, no sector fotovoltaico, um “crescimento exponencial na produção”, com a instalação de centrais, que produzirão “um valor médio de 353 GWs”, no primeiro ano de exploração.

Por sua vez, a colocação de painéis solares flutuantes em 25 albufeiras, com a produção de energia a partir do solar representará 70% do aumento da produção total de energia prevista.

- PUB -

Em termos de medidas de eficiência energética, outro dos objectivo é a redução das actividades de abastecimento de água – tratamento e bombagem de água para consumo humano –, para 8,5% dos consumos actuais, estimando-se uma poupança superior a 13% no saneamento de águas residuais. De acordo com os responsáveis do grupo, o investimento estimado para as acções de eficiência energética ronda os 39,6 milhões de euros, devendo “estar concluído até ao final de 2024”.

Acrescente-se que a actividade de água “consome cerca de 60% do consumo total de energia” do Grupo AdP (410,3 GWh/ano, no ano de 2018), enquanto que o saneamento de águas residuais consome uma fatia de 40%. O programa inclui ainda acções na área das perdas de água e das afluências indevidas, que “deverão ser desenvolvidas pelas entidades gestoras dos sistemas municipais”, sublinham em comunicado, com o investimento total do Programa ZERO a ascender a 480 milhões de euros.

- PUB -

Mais populares

Mercadona confirma supermercado no Montijo igual ao de Setúbal

Marca vai investir milhões de euros nos dois concelhos. Futuras superfícies comerciais vão ter 1 900 metros quadrados de área de venda   A expansão da...

Jovem setubalense morre em acidente de moto

Fábio Silva, conhecido por Pigóita, despistou-se junto ao cruzamento para Aldeia de Irmãos

Bateria da Raposa vai passar para o município para vigiar praias e reforçar combate a incêndios

O entendimento entre a Câmara de Almada e o Estado está a ser traçado para a bateria de costa na Mata Nacional dos Medos passar para a gestão da autarquia. Esta antiga estrutura militar vai ter novo uso estratégico de defesa
- PUB -