27 Junho 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioSociedadeA Feira de Sant’Iago pelos olhos de quem a sente

A Feira de Sant’Iago pelos olhos de quem a sente

Nuno Silva, Mariana Dias, Carlos Caramelo, Bruno Rodrigues e Luísa Santos não se conhecem, mas têm as idas à Feira de Sant’Iago em comum. A O SETUBALENSE, revelaram as suas experiências e memórias

…“Diversão”. É esta a palavra mais usada para descrever a Feira de Sant’Iago como evento. Pelo menos, entre os cinco visitantes que aceitaram conversar com O SETUBALENSE acerca das suas experiências, actuais e passadas, e memórias que guardam das idas à feira. Do tempo em que o certame – um dos maiores do sul do país – assentava arraiais durante duas semanas na Avenida Luísa Todi, a este tempo em que já soma 15 anos desde que se mudou para o Parque de Sant’Iago nas Manteigadas. Há quem não alinhe pelo discurso saudosista de que ‘na Avenida é que era bom’. Vasculhando nas gavetas da memória, outros preferem evocar memórias olfactivas para explicar como a feira de Setúbal os marcou a ponto de, ainda hoje, voltarem dia após dia. Ou há ainda quem acredite que este continua a ser um ponto de encontro anual dos setubalenses. Na sua 437ª. edição, eis a Feira de Sant’Iago contada pelo olhar de cinco dos seus milhares de visitantes.

- PUB -

 

Nuno Silva, 43 anos, setubalense, técnico de manutenção

Nuno Silva já frequenta a Feira de Sant’Iago desde que se conhece como setubalense. “Já venho à feira desde criança, quando vinha com os meus pais, ainda na altura em que a feira era lá em baixo na Praça José Afonso”, diz, a início de conversa. Quinze anos voaram entretanto, e hoje, já com 43, entra no recinto com os filhos, um de sete e outro de 16. O mais velho adora os carrosséis, conta, lembrando-se de como, também criança, costumava andar neles. “Lá em baixo íamos à feira muitas vezes a pé e voltávamos com os amigos”. Hoje, quando Nuno Silva vai à Feira de Sant’Iago, são outros os valores que se levantam: na verdade não passa sem um pão com torresmos: “Todos os anos venho cá de propósito para comer um pão com torresmos, é quase um ritual”, confirma, sorridente. E não é por isso que esquece o “tradicional choco frito” setubalense, numa edição dedicada à Gastronomia. Pode a comida tornar a feira uma “diversão”? Para Nuno Silva, parece que sim.

- PUB -

 

Mariana Dias, 26 anos, setubalense, produtora de eventos

Farturas, bifanas e algodão doce é coisa que se abunda em qualquer feira popular, é certo, mas para Mariana Dias, as que eram vendidas na Avenida Luísa Todi marcaram positivamente a sua memória olfactiva. Tornaram-se, para si, “o cheiro da feira”. Ir à feira, relata, “era um ritual”. “Tenho a recordação de os meus pais estacionarem o carro no Bairro do Liceu e que em todo aquele percurso até à avenida nos cruzávamos com imensas pessoas”. A Feira de Sant’Iago como “ponto de encontro para setubalenses”, ontem como hoje – sublinha –, e para forasteiros também. E se há sítio onde todos se encontravam, e encontram, e onde Mariana gosta de ir, é o Bar Séninho, concorrido balcão de bifanas e imperiais. Música para os ouvidos da jovem setubalense, que não hesita em considerar “grandioso” o cartaz que o evento “oferece à comunidade”. Numa palavra: “excepcional”.

- PUB -

 

Carlos Caramelo, 59 anos, lisboeta, economista

Carlos Caramelo pode bem representar o renovado interesse que a Feira de Sant’Iago tem despertado em pessoas de fora do concelho de Setúbal. Este ano visitou o certame pela segunda vez, vindo de Lisboa com a mulher, depois de o ano passado ter ido à feira “já nos últimos dias”. “Vi mal”, justifica. E porque regressou? Movido pela “curiosidade”, responde o economista, explicando: “Nós conhecemos o Interior, nomeadamente a zona da Beira-Alta, e tomara muitos sítios terem feiras como estas. É muito idêntica à de Viseu e do que vi, estou a gostar”. A organização, a limpeza e a qualidade da oferta merecem elogios e justificam a conclusão de que a Feira de Sant’Iago é um “espaço agradável” e “atraente”.

 

Bruno Rodrigues, 26 anos, setubalense, operário fabril

Bruno Rodrigues é parco em palavras quando convidado a dizer porque é que gosta de ir à Feira de Sant’Iago. “Para dar um passeio”, diz, timidamente. Pelos concertos e pelo convívio. Mas, quando o assunto vira para o tema da agenda deste ano, parece que a voz ganha algum entusiasmo. “Gosto de um bom choco frito, peixe assado, vinho”, revela, em conversa à porta da renovada área empresarial, no Pavilhão Multiusos das Manteigadas. No mesmo tom em que começou, conclui: a feira é uma “diversão” – e a verdade é que cada um a vive à sua maneira.

 

Luísa Santos, 66 anos, pampilhosense, assadora

Com Luísa Santos, natural de Pampilhosa da Serra e a viver em Setúbal há quase 40 anos, nem vale a pena perguntar se é apreciadora de bom peixe. “Trabalhei 33 anos num restaurante a assar peixe” – atira –, como seria possível não gostar? A conversa flui no stand do projecto municipal “Nosso Bairro, Nossa Cidade”, com o stand da marca “Setúbal Terra de Peixe” ali bem perto. O que costuma levá-la à Feira de Sant’Iago na companhia do marido, no entanto, não é tanto a oferta gastronómica. É o tão simples “passear, a diversão, ver o colorido das luzes”. Quando sobe para o carrossel gigante que anda à roda com girafas e canecas giratórias, a experiência ganha ainda mais emoção. “Quando trago a minha neta vou para o carrossel. Ela gosta dos outros, mas vai com os pais. Comigo, vai naquele que eu gosto”, conta, bem disposta. Uma diversão, a Feira de Sant’Iago.

Comentários

André Rosa
Jornalista
- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -