20 Agosto 2022, Sábado
- PUB -
InícioRegionalCatarina Marcelino: "Setúbal é um distrito onde as mulheres estão em força"...

Catarina Marcelino: “Setúbal é um distrito onde as mulheres estão em força” [VÍDEO]

A Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Catarina Marcelino, destacou o distrito de Setúbal como um bom exemplo nacional, onde as mulheres desempenham um “papel muito activo” nas várias esferas da sociedade civil. A governante frisou, contudo, que “ainda há muito a fazer” “em prol de uma sociedade onde as pessoas tenham direitos iguais” e elogiou o trabalho diário da comunicação social na chamada de atenção para estes problemas

 

- PUB -

Catarina Marcelino esteve presente ontem à tarde no Instituto Politécnico de Setúbal para encerrar o debate “Desafios e Caminhos para a Igualdade de Género no Mercado de Trabalho”, que dá mote à 3.ª edição da Semana da Empregabilidade do IPS, que decorre até amanhã.

 

DIÁRIO DA REGIÃO: Como avalia a questão da igualdade de género nas empresas do distrito?

- PUB -

Catarina Marcelino: Eu julgo que as empresas do distrito de Setúbal são iguais às outras empresas de todo o país. Setúbal é um distrito onde as pessoas têm tido sempre um papel muito activo na sociedade, quer do ponto de vista laboral, quer do ponto de vista também do poder público e do poder político, e eu vejo isso como factores muito positivos no distrito de Setúbal. Acho que é um distrito têm sido presidentes de Câmara, governadoras civis, onde há mulheres deputadas. É um distrito onde, ao nível do mercado de trabalho, as mulheres estão em força e esses são os aspectos mais positivos. Em relação aos aspectos mais negativos neste tema, que afectam mais as mulheres no distrito de Setúbal do que noutras regiões do país: o facto de os movimentos pendulares obrigarem, muitas vezes, as mulheres a terem de sair cedo de casa para levar os filhos para as escolas longe de casa. Do ponto de vista dos transportes públicos, dos movimentos pendulares, é um distrito que, pelas suas características, sobre muito nesta situação, e que obriga, em termos dos municípios – e acho que esse é um papel que os municípios também têm de ter – a pensar como é que organizam o território em função das necessidades das pessoas, dos homens e das mulheres, em função da conciliação da vida familiar com a vida profissional. As autárquicas vêm aí e é um desafio que eu deixo aos programas eleitorais dos vários partidos, porque é uma questão importante para a vida das pessoas.

 

Nesta matéria ainda há muito a fazer?

- PUB -

Eu acho que ainda há muito a fazer, contudo, acho que a comunicação social, para dar um exemplo, está muito mais atenta ao facto de não haver, por exemplo, mulheres nomeadas nos conselhos de administração. Isso hoje é notícia e significa que a sociedade está muito mais desperta e aceita com menos facilidade estas descriminações e estas desigualdades, e isso são indicadores positivos. Agora, que as desigualdades são muito estruturais, são. Continuamos a ter muita desigualdade de salários, continuamos a ter as mulheres a trabalhar mais nas tarefas domésticas que os homens, em média, uma hora e meia por dia, e portanto ainda há um longo caminho a fazer e temos de continuar a combater estas desigualdades e a trabalhar em prol de uma sociedade onde as pessoas tenham direitos iguais.

 

O que pode trazer de novo o diploma que o Governo está a preparar?

Nós temos, neste momento, um diploma em discussão na Assembleia da República que impõe quotas de género ou limiar de paridade para o sexo sub-representado. Significa que o sexo que é menos representado – que hoje em dia sabemos que é maioritariamente o caso das mulheres, mas também pode ser aplicado aos homens se as mulheres, nos conselhos de administração das empresas – no sentido de reduzir essa desigualdade e garantir o acesso aos lugares de poder e de decisão a homens e a mulheres. Esta lei é para ser aplicada às empresas do sector público e às empresas cotadas em bolsa. O limiar que estamos a estabelecer é de 33% e estará, esperamos nós, a funcionar na sua plenitude no final de 2020.

 

A lei contribuirá, de facto, para reduzir a desigualdade que ainda se sente?

Será obrigatório as empresas terem mais mulheres nos conselhos de administração. E nós sabemos hoje que a diversidade nas empresas e nas direcções das empresas é uma mais-valia quer para a competitividade do negócio, quer para o acesso em igual circunstâncias ao poder e à decisão. Quando estas questões se colocam por cima, evidentemente que têm um reflexo na cadeia para própria empresa. Mas não chega: temos de ter planos de igualdade nas empresas, temos de ter mulheres nos cargos de chefia intermédia. A questão é trabalhar a empresa no seu conjunto para que os princípios da igualdade e diversidade estejam presentes nas empresas públicas e privadas no nosso país.

 

O que está ao alcance da sociedade para tentar mitigar a desigualdade de género?

Temos, em Portugal, um conjunto de mecanismos que defende os trabalhadores e as trabalhadoras que são vítimas de desigualdade. Nomeadamente a Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego, que protege sobretudo mulheres grávidas, lactantes ou puérperas, ou homens a gozar licença de paternidade e que, quando há despedimentos, ou quando as pessoas são vítimas de perseguição ou de algum tipo de descriminação, pode-se sempre recorrer a essa comissão. Também por questões de desigualdade de género, se uma mulher foi preterida por um homem pelo simples facto de ser mulher também pode recorrer a essa comissão. Mas nós sabemos que não podemos pôr um polícia ou um inspector atrás de cada empresa. Nós temos que agir ao nível da educação e temos, sobretudo, de criar consciência nos portugueses e nas portuguesas desde a mais tenra idade de que a desigualdade e descriminação não são valores aceitáveis numa sociedade democrática.

 

Confira, no vídeo abaixo, a entrevista à Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade

 

Comentários

André Rosa
Jornalista
- PUB -

Mais populares

Mulher morre em colisão entre dois veículos em Grândola

Uma colisão frontal entre dois veículos ligeiros na Estrada Nacional 261, no cruzamento do Carvalhal, provocou, esta tarde, um morto e dois feridos graves.

Ana Catarina Gonçalves: A grandolense que arriscou e conseguiu montar um ‘império’ na vertente das explicações

Com apenas 21 anos, começou a acompanhar algumas crianças por brincadeira. Hoje, passados cinco anos, emprega três dezenas de professores

Acidente de viação no Montijo provoca três mortos

Colisão frontal provocou a morte de dois homens, de 26 e 32 anos, e de uma mulher, de 24 anos
- PUB -